Rússia: O Tribunal Penal Internacional emite mandados de prisão para Shoigu e Gerasimov sob acusação de crimes de guerra



CNN

O Tribunal Penal Internacional emitiu um mandado de prisão contra ele Ex-ministro da Defesa russo Sergei Shoigu e o Chefe do Estado-Maior General Valery Gerasimov sob a acusação de crimes internacionais, crimes de guerra e crimes contra a humanidade.

O tribunal disse na terça-feira que os dois homens eram responsáveis ​​por dois crimes de guerra: dirigir ataques a alvos civis e causar danos incidentais excessivos a civis ou danos a bens civis. Eles também são acusados ​​de crimes contra a humanidade.

No mesmo dia, o tribunal superior da Europa considerou a Rússia culpada de violações sistemáticas dos direitos humanos na Crimeia ocupada desde Fevereiro de 2014, marcando uma vitória de Kiev na primeira audiência interestatal contra Moscovo na península, o que poderá abrir caminho para mais deste tipo. problemas.

Após o anúncio do TPI, a agência de notícias russa TASS citou o Conselho de Segurança Russo, o órgão governamental liderado por Shoigu, que classificou a decisão do tribunal como “nula e sem efeito”.

“Não faz sentido, porque a jurisdição do TPI não se estende à Rússia e [the decision] A TASS citou a autoridade dizendo: “Isto foi feito no âmbito da guerra híbrida que o Ocidente está travando contra o nosso país”.

As autoridades ucranianas saudaram o anúncio do TPI na terça-feira. O presidente Volodymyr Zelensky disse que a decisão mostra que “nenhuma patente militar ou porta de gabinete pode proteger os criminosos russos da responsabilização”. Dmytro Lobinets, o provedor de direitos humanos do país, disse que a decisão do TPI significa que a Ucrânia está um passo mais perto de alcançar a justiça.

“Mais cedo ou mais tarde, todo criminoso de guerra receberá uma punição justa!” Ele disse em um comunicado postado em sua página do Telegram.

READ  Emirados Árabes Unidos planejavam usar a COP28 para promover acordos de petróleo e gás, mostram memorandos vazados – POLITICO

Andriy Yermak, chefe do gabinete presidencial ucraniano, disse que Shoigu e Gerasimov têm “responsabilidade individual”.

“Esta é uma decisão importante. Todos serão responsabilizados pelo mal”, disse ele em um comunicado.

Os mandados de prisão colocaram Shoigu e Gerasimov na lista dos mais procurados do Tribunal Penal Internacional, embora seja incerto se algum dia serão julgados.

O tribunal Julgamentos à revelia não são realizados É improvável que Moscou os extradite.

Os dois mandados de detenção elevam para quatro o número total de altos funcionários russos procurados por crimes de guerra, tal como fez anteriormente o Tribunal Penal Internacional. Foram expedidos mandados de prisão Para o presidente Presidente russo Vladimir Putin E o oficial russo Maria Lvova Belova Por causa de um alegado plano para deportar crianças ucranianas para a Rússia.

O TPI está localizado em Haia, Holanda, foi estabelecido sob um tratado denominado Estatuto de Roma e opera de forma independente. A maioria dos países – 124 deles – são partes no tratado, mas há excepções notáveis, incluindo os Estados Unidos, a Rússia e a Ucrânia.

Nos termos do Estatuto de Roma, qualquer Estado signatário é obrigado a prender e extraditar qualquer pessoa que enfrente um mandado de prisão do Tribunal Penal Internacional.

Num caso separado na terça-feira, o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos decidiu por unanimidade que a Rússia violou 11 artigos da Convenção Europeia dos Direitos Humanos na Crimeia, que Moscovo anexou após a invasão ilegal da península há 10 anos.

Incluía violações dos direitos à vida, à liberdade, à segurança, a um julgamento justo e à proibição de tratamento desumano ou degradante, de acordo com um comunicado de imprensa do tribunal.

READ  A fonte diz que o Hamas enviou unidades especializadas para atacar Israel

O tribunal também concluiu que a Rússia violou três protocolos da Convenção Europeia: protecção da propriedade, direito à educação e liberdade de circulação. O tribunal decidiu que a Rússia deve devolver os prisioneiros levados da Crimeia para a Rússia em segurança.

Algumas das violações pelas quais a Rússia foi condenada datam de 2014.

Margarita Sokorenko, comissária do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos no Ministério da Justiça ucraniano, disse que a decisão “invalida fundamentalmente as reivindicações de décadas da Rússia de que os direitos humanos na Crimeia são respeitados”.

A Rússia negou anteriormente as acusações de violações dos direitos humanos na Crimeia e foi expulsa do Conselho da Europa em março de 2022, após a invasão em grande escala da Ucrânia.

Em resposta, Moscovo retirou-se da jurisdição do Tribunal Europeu, estabelecendo 15 de março de 2022 como prazo após o qual alegou que quaisquer decisões contra a Rússia não seriam tidas em conta.

Shoigu, um dos cidadãos russos procurados pelo Tribunal Penal Internacional, é um aliado próximo de Putin, que serviu como ministro da Defesa da Rússia durante 12 anos. Ele era Lançado por Putin No mês passado, ele foi substituído pelo economista Andrei Belousov.

Liderou uma invasão em grande escala da Ucrânia em 2022, que apanhou Kiev de surpresa, mas foi rapidamente repelida, expondo as fraquezas dos militares de Moscovo, cheios de corrupção. No entanto, Shoigu continuou a ser um político muito popular na Rússia. Depois de passar duas décadas como Ministro de Situações de Emergência, conseguiu pintar a imagem de um funcionário que presta ajuda quando é necessário.

Gerasimov, por outro lado, está à frente das forças armadas russas há mais de uma década. Ele fazia parte de um pequeno grupo de pessoas responsáveis ​​pelo planejamento de uma invasão em grande escala da Ucrânia. Ele foi oficialmente nomeado para o cargo Comandante-chefe da campanha Em janeiro de 2023.

READ  Israel muda sua estratégia de guerra A colina

O TPI afirmou que os alegados crimes estão relacionados com “um grande número de ataques contra numerosas centrais e subestações de energia elétrica” realizados pela Rússia em toda a Ucrânia entre pelo menos outubro de 2022 e março de 2023.

O painel de três juízes que tomou a decisão de emitir os mandados de prisão concluiu na segunda-feira que Shoigu e Gerasimov ordenaram ataques a alvos civis, o que constitui um crime de guerra ao abrigo do direito humanitário internacional.

Os juízes também afirmaram que, embora alguns dos alvos pudessem ter sido considerados relevantes para a campanha militar russa na altura, era claro que atingi-los causaria danos a civis e que os danos esperados seriam excessivos em comparação com a vantagem militar de atingir eles.

O promotor-chefe do tribunal, Karim Khan, disse em um comunicado separado na terça-feira que a campanha russa na época representava “um curso de conduta que incluía a prática de múltiplos atos contra a população civil”. Ele disse que as ações de Shoigu e Gerasimov desta forma podem constituir um crime contra a humanidade.

Esta classificação destina-se aos crimes mais graves cometidos no âmbito de um ataque generalizado e sistemático dirigido contra a população civil.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *