Sherine Abu Aqla: correspondente da Al-Jazeera foi morto a tiros pela ocupação | Notícias do conflito israelo-palestino

As forças israelenses mataram a tiros o jornalista da Al-Jazeera Shireen Abu Akleh na Cisjordânia ocupada, segundo o Ministério da Saúde palestino.

Ela foi baleada, na quarta-feira, enquanto cobria os ataques israelenses na cidade de Jenin, e foi levada ao hospital em estado crítico, segundo o ministério e jornalistas da Al Jazeera. Abu Okla estava vestindo uma jaqueta de jornalista quando foi morta.

O ministério disse que ela foi declarada morta no hospital.

Outro jornalista da Al-Jazeera, Ali Al-Samudi, também foi ferido após ser baleado nas costas. Ele agora está em condição estável e disse que não havia combatentes palestinos quando os jornalistas foram baleados, colocando em dúvida diretamente uma declaração israelense que indicava a possibilidade de isso acontecer.

“Estávamos filmando a operação do exército israelense e de repente eles atiraram em nós sem nos pedir para sair ou parar de filmar”, disse Al-Samoudi. “A primeira bala me atingiu e a segunda bala atingiu Shireen… Não havia absolutamente nenhuma resistência militar palestina no local.”

Shatha Hunaisha, uma jornalista palestina que estava presente ao lado de Abu Okla quando ela foi ferida, disse à Al Jazeera que não houve confrontos entre os combatentes palestinos e o exército israelense, e disse que o grupo de jornalistas foi o alvo.

“Éramos quatro repórteres, todos usávamos jaquetas, todos usávamos capacetes”, disse Hanisha. “O [Israeli] O exército de ocupação não parou de atirar mesmo depois de sua queda. Eu não conseguia nem alcançar meu braço para retirá-lo por causa dos tiros. Os militares foram inflexíveis sobre atirar para matar.”

Nidaa Ibrahim, da Al-Jazeera, disse que as circunstâncias do assassinato de Abu Oqla ainda estão se desenrolando, mas vídeos do incidente mostram que ela foi baleada na cabeça.

READ  Ucrânia detém 'infiltrado' acusado de ajudar forças russas em meio a luta mais ampla para proteger comunicações

O que sabemos agora é que o Ministério da Saúde palestino anunciou sua morte. Shireen Abu Oqla estava cobrindo os eventos atuais em Jenin, especificamente um ataque israelense à cidade no norte da Cisjordânia ocupada, quando foi baleada na cabeça. .

Shireen Abu Oqla enviou um e-mail para o escritório da Al Jazeera em Ramallah às 6h13, escrevendo: “As forças de ocupação estão atacando Jenin e sitiando uma casa no bairro de Jabriyat. No caminho, trarei a notícia assim que a imagem fica clara.”

Separadamente na Cisjordânia ocupada, o Ministério da Saúde palestino disse que as forças israelenses atiraram no jovem palestino Thaer Muslat al-Yazuri na cidade de al-Bireh, perto do assentamento ilegal de Psagot.

Choque e tristeza

Ibrahim, chorando, disse que Abu Okla era um “jornalista altamente respeitado”.

Cidadão palestino-americano comum, Abu Okla foi um dos primeiros correspondentes de campo da Al Jazeera, ingressando na rede em 1997.

A IDF disse que ele foi atacado por fogo pesado e explosivos enquanto trabalhava em Jenin, e que eles responderam ao fogo. Ela acrescentou que estava “investigando o incidente”.

O movimento Fatah, liderado pelo presidente palestino Mahmoud Abbas, condenou o assassinato de Abu Akle.

“O direcionamento de Shirene é um direcionamento claro da verdade, e [Israel] “Eles querem encobrir seus crimes contra o povo palestino”, disse Osama al-Qawasmi, porta-voz do Fatah. Israel quer enviar uma mensagem aos jornalistas de todo o mundo de que quem quiser cobrir a verdade será fuzilado.

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Yair Lapid, disse que Tel Aviv estava oferecendo uma “investigação patológica conjunta” sobre a “triste morte” de Abu Akle. “Os jornalistas em zonas de conflito devem ser protegidos”, acrescentou.

READ  Xi da China reafirma oposição ao uso de sanções econômicas

As forças israelenses bombardearam os escritórios da Al Jazeera na Faixa de Gaza, que também inclui a Associated Press, durante um ataque há um ano, e jornalistas palestinos e internacionais dizem que têm sido alvos regulares de forças israelenses na Cisjordânia ocupada e em Jerusalém Oriental.

Muitos na Palestina e no exterior foram às mídias sociais para expressar seu choque e tristeza.

Esta manhã, as forças de ocupação israelenses assassinaram a amada jornalista Shireen Abu Aqleh, enquanto cobriam suas práticas brutais em Jenin. “Shireen era o jornalista palestino mais proeminente e amigo íntimo”, escreveu Husam Zomlot, o embaixador palestino no Reino Unido.

Aqueles que a conheceram a descreveram como corajosa, gentil e a voz dos palestinos.

“Shireen era uma jornalista corajosa, gentil e de alta integridade que eu e milhões de palestinos crescemos assistindo”, escreveu Fadi Alcorão, ativista do grupo eleitoral da Avaaz.

“Estamos aterrorizados ao saber que Israel assassinou o jornalista da Al-Jazeera Shireen Abu Aqleh em Jenin! Shireen escreveu corajosamente sobre a agressão israelense contra a Palestina por mais de duas décadas”, escreveu Howaida Araf, ativista e advogada palestina-americana.

“Descrença”, escreveu o ativista palestino Salem Brahma. Crescemos escrevendo relatórios sobre a segunda intifada. Era a nossa voz. Descanse em força e paz. Outro dia, outra tragédia.”

Giles Trendel, diretor da Al Jazeera, disse que a rede ficou “chocada e triste” com a morte de Sherine Abu Okla.

READ  Austrália acusa China de cometer "ato de intimidação" após apontar laser para aeronave

“Temos uma história em todo o mundo, mas especialmente nesta região, onde testemunhamos tragédias”, disse ele, pedindo uma investigação transparente sobre o assassinato de Abu Akleh.

“Como jornalistas, continuamos. Nosso trabalho é continuar. Não seremos silenciados, apesar das tentativas de nos silenciar”, disse Trendel. Isso é mais importante do que nunca.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.