Sonda Retorno à Terra atinge maturidade de projeto

Ciência e exploração

07/05/2024
1081 Visualizações
12 Curtidas

A espaçonave Earth Return da Agência Espacial Europeia, a primeira espaçonave a encontrar e capturar um objeto ao redor de outro planeta, ultrapassou o marco ao trazer as primeiras amostras de Marte para a Terra.

Uma revisão crítica do projeto da plataforma da espaçonave foi concluída hoje com a participação da indústria europeia e da NASA.

Formulário de qualificação de engenharia ERO

A revisão crítica do projeto é uma das etapas mais importantes em qualquer projeto de voo espacial para tornar uma espaçonave uma realidade. A revisão crítica do projeto do núcleo (P-CDR) confirmou o desempenho, a qualidade e a confiabilidade dos sistemas utilizados nesta missão sem precedentes a Marte.

O Earth Return Orbiter (ERO) é a principal contribuição da ESA para a Mars Sample Return Campaign, um conjunto complexo de missões para devolver amostras de rochas, solo e atmosfera marcianas à Terra.

A Europa está pronta para Marte

A validação do projeto e dos detalhes técnicos representa um passo formal em direção à fase de integração.

“A indústria europeia está pronta para o próximo capítulo. O design robusto é a base para construir, testar e montar o hardware numa nave espacial completa”, afirma Tiago Loureiro, líder da equipa do projeto ERO.

Painel solar para o Earth Return Orbiter

A fabricação e os testes de componentes de espaçonaves podem agora começar para garantir que a missão progrida até o lançamento.

Fornecedores de 11 países europeus estão a bordo para construir peças para uma nave espacial que está programada para fazer uma viagem completa da Terra a Marte.

Desafios

A NASA anunciou seus planos para Atualização do programa de devolução de amostras da Mars Em Abril passado, foram realizadas experiências de voos espaciais de baixa complexidade, baixo risco e baixo custo, incluindo designs inovadores e tecnologia comprovada para devolver amostras valiosas de Marte para a Terra.

As equipas técnicas da ESA trabalharam em estreita colaboração com os seus homólogos da NASA para se prepararem para a revisão do programa.

Trazendo amostras de rochas marcianas para a Terra

“A configuração da nave espacial é suficientemente robusta para ser flexível com a carga útil e ajudar a encontrar soluções para novas arquitecturas. A ESA e os nossos parceiros industriais adaptaram-se a um novo cenário, permanecendo inovadores e engenhosos, ao mesmo tempo que permanecem um parceiro fiável da NASA,” explica Tiago.

“Confirmamos que o Veículo de Retorno à Terra funciona conforme planejado e muito mais, quaisquer que sejam as alternativas”, acrescentou.

Magia

A Sonda de Retorno à Terra tem um papel essencial em trazer amostras de Marte para a Terra, mas antes de fazê-lo deverá encontrá-las no espaço.

Lente da sonda de volta à Terra

O design do ERO provou ser surpreendentemente capaz de capturar uma cápsula do tamanho de uma bola de basquete cheia de amostras coletadas pela sonda da NASA. Veículo de perseverança.

“Esta missão incorpora o que há de melhor na tecnologia europeia”, afirma Orson Sutherland, Diretor do Programa de Marte da ESA. “A uma distância impressionante de várias centenas de milhões de quilómetros, as equipas baseadas na Terra irão coreografar uma dança orbital complexa em torno de Marte.”

Sonda Retorno à Terra captura amostras de Marte

O seu desafio é localizar uma pequena cápsula, manobrá-la numa órbita específica para chegar ao ponto de encontro e capturá-la com sucesso – tudo isto enquanto opera remotamente através de uma vasta extensão de espaço.

A missão de cinco anos do ERO a Marte e de volta também verá a espaçonave atuar como um vetor de comunicação com rovers e pousadores na superfície.

Excelência Europeia

As equipas na Europa contam com tecnologias já maduras para navegação autónoma, encontro e atracação, experiência adquirida ao longo de décadas em missões como o Veículo Robótico de Transferência e a primeira missão europeia a Júpiter utilizando o rover JOYS. O conhecimento da missão ExoMars Rosalind Franklin ao Planeta Vermelho também contribui para esta missão.

A ERO será a maior nave espacial já construída para viagens interplanetárias. As contribuições provêm de França, Itália, Alemanha, Reino Unido, Espanha, Suíça, Noruega, Dinamarca, Bélgica, Roménia e Países Baixos.

Infográfico ilustrativo sobre a sonda de retorno à Terra

Airbus Defesa e Espaço A responsabilidade total pela missão ERO de construir a nave espacial e conduzir a análise da missão é assumida pela França, Alemanha e Reino Unido. Espaço Thales Alenia A Roscosmos terá um papel importante na montagem da espaçonave, no desenvolvimento do sistema de comunicações e no fornecimento do módulo de inserção orbital de sua fábrica em Turim, na Itália.

READ  Assista SpaceX lançar 51 satélites de internet Starlink em 10 de janeiro

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *