Taleban afegão assina acordo exclusivo para produtos russos de petróleo, gás e trigo

CABUL (Reuters) – O ministro afegão de Comércio e Indústria, Haji Noordin Azizi, disse à Reuters que o Taleban assinou um acordo provisório com a Rússia para fornecer gasolina, diesel, gás e trigo ao Afeganistão.

Azizi disse que seu ministério está trabalhando para diversificar seus parceiros comerciais e que a Rússia ofereceu ao governo talibã um desconto nos preços médios globais das commodities.

A medida, o primeiro grande acordo econômico internacional que o Talibã fez desde seu retorno ao poder há mais de um ano, pode ajudar a aliviar o isolamento do movimento islâmico que efetivamente o isolou do sistema bancário global.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Nenhum país reconhece oficialmente o grupo, que lutou uma insurgência de 20 anos contra as forças ocidentais e seus aliados afegãos locais antes de invadir Cabul com a retirada das forças americanas.

Diplomatas ocidentais disseram que o grupo precisa mudar seu curso sobre direitos humanos, particularmente os direitos das mulheres, e provar que cortou laços com grupos militantes internacionais para obter reconhecimento oficial.

A Rússia não reconhece oficialmente o governo talibã, mas Moscou recebeu os líderes do movimento no período que antecedeu a queda de Cabul, e sua embaixada é uma das poucas que permanecem abertas na capital afegã.

Azizi disse que o acordo inclui o fornecimento à Rússia de cerca de um milhão de toneladas de gasolina, um milhão de toneladas de diesel, 500 mil toneladas de gás liquefeito de petróleo e dois milhões de toneladas de trigo anualmente.

Na quarta-feira, a agência de notícias estatal russa TASS citou o representante especial de Moscou para o Afeganistão, Zamir Kabulov, confirmando que “acordos preliminares” foram alcançados sobre suprimentos de combustível e alimentos para Cabul.

READ  Papa Francisco: 'III Guerra Mundial' dá chance aos traficantes de armas, invasão da Ucrânia uma situação 'muito complicada'

Os ministérios de energia e agricultura da Rússia não responderam imediatamente aos pedidos de comentários sobre o acordo. O gabinete do vice-primeiro-ministro russo Alexander Novak, responsável pelo petróleo e gás, também não respondeu imediatamente.

Azizi disse que o acordo será executado por um período de teste indefinido, após o qual os dois lados devem assinar um acordo de longo prazo se estiverem satisfeitos com o acordo.

Ele se recusou a dar detalhes sobre preços ou métodos de pagamento, mas disse que a Rússia concordou com um desconto para os mercados globais em mercadorias a serem entregues ao Afeganistão por estrada e ferrovia.

O acordo foi finalizado depois que uma equipe técnica afegã passou várias semanas em discussões em Moscou, tendo visitado Azizi no mês passado.

A economia está em crise

Desde que o Taleban recuperou o poder, o Afeganistão mergulhou em uma crise econômica depois de cortar a ajuda ao desenvolvimento da qual o país depende e em meio a sanções que congelaram amplamente o setor bancário.

O acordo comercial provavelmente será observado de perto nos Estados Unidos, cujos funcionários têm mantido conversas regulares com o Talibã sobre planos para o sistema bancário do país.

Washington anunciou a criação de um fundo fiduciário suíço para algumas das reservas do Banco Central do Afeganistão mantidas nos Estados Unidos. O Talibã exigiu a liberação do valor total de cerca de US$ 7 bilhões e disse que o dinheiro deveria ser usado para as operações do banco central.

Azizi disse que dados internacionais mostram que a maioria dos afegãos vive abaixo da linha da pobreza, e seu escritório está trabalhando para apoiar o comércio e a economia por meio de alcance internacional.

“Os afegãos estão em extrema necessidade”, disse ele. “O que quer que façamos, fazemos pelo interesse nacional e pelo interesse do povo.”

READ  Mísseis russos chovem sobre cidades da Ucrânia

Ele disse que o Afeganistão também recebeu gás e petróleo do Irã e do Turcomenistão e tem fortes laços comerciais com o Paquistão, mas também quer diversificar.

“Um país não deve depender de apenas um país, devemos ter métodos alternativos”, disse.

O Grupo dos Sete (G7) está tentando encontrar maneiras de reduzir as receitas de exportação de petróleo da Rússia após a invasão da Ucrânia em fevereiro.

Moscou conseguiu manter a receita aumentando as vendas de petróleo bruto para a Ásia, especialmente China e Índia. A União Europeia deve proibir as importações de petróleo russo até 5 de dezembro e de produtos petrolíferos russos até 5 de fevereiro.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem: Charlotte Greenfield e Muhammad Yunus Yawar). Edição por Mike Collette White e Jane Merriman

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.