Tentativa de golpe na Bolívia: um general é preso e o exército foge do palácio

LA PAZ, Bolívia – Veículos blindados invadiram as portas do palácio do governo da Bolívia na quarta-feira em um ataque Uma clara tentativa de golpe Mas o presidente Luis Arce prometeu firmeza e nomeou um novo comandante do exército que ordenou a retirada das tropas.

Os soldados retiraram-se rapidamente, juntamente com uma fileira de veículos militares, enquanto centenas de… Apoiadores do Ars Eles correram para a praça em frente ao palácio, agitando bandeiras bolivianas, cantando o hino nacional e cantando.

Ars, rodeado de ministros, acenou para a multidão. “Obrigado ao povo boliviano”, disse ele. ” Viva a democracia“.

Horas depois, o general boliviano que parecia estar por trás da rebelião, Juan José Zuniga, foi preso depois que o Ministério Público abriu uma investigação. Não ficou imediatamente claro quais eram as acusações contra ele.

Veículos blindados invadiram as portas do palácio do governo da Bolívia na quarta-feira, enquanto o presidente Luis Arce dizia que o país enfrentava uma tentativa de golpe, insistia que permanecia firme e instava as pessoas a se mobilizarem.

Mas, num desenvolvimento surpreendente, Zuniga afirmou em declarações que fez aos jornalistas antes da sua prisão que o próprio Arce ordenou ao general que invadisse o palácio numa medida política. “O presidente me disse: ‘A situação está muito deteriorada e muito crítica’”, disse Zuniga, citando o líder boliviano. “É necessário que eu me prepare para aumentar minha popularidade.”

Zuniga perguntou a Arce se ele deveria “retirar os veículos blindados?” “Tire-os”, respondeu Ars.

O ministro da Justiça, Ivan Lima, negou as acusações de Zuniga, dizendo que o general está mentindo e tentando justificar as suas ações, pelas quais enfrentará a justiça.

READ  Ucrânia: russos deixam Chernobyl após exposição à radiação

Lima disse na plataforma de mídia social “X” que os promotores pedirão a pena máxima de 15 a 20 anos de prisão para Zuniga “por atacar a democracia e a constituição”.


A Polícia Militar se reúne do lado de fora da entrada principal enquanto um veículo blindado bate na porta do palácio presidencial na Plaza Murillo em La Paz, Bolívia, quarta-feira, 26 de junho de 2024. (AP Photo/Juan Carreta)

Revolta de quarta-feira Depois de meses de tensõescom dificuldades económicas e protestos a aumentar cada vez mais à medida que dois gigantes políticos – Arce e o seu ex-presidente esquerdista aliado Evo Morales – disputam o controlo do partido no poder.

No entanto, a aparente tentativa de destituir o titular parece carecer de qualquer apoio real, e mesmo os rivais de Arce uniram forças para defender a democracia e repudiar a revolta.

A cena chocou os bolivianos, que conhecem bem a turbulência política; Em 2019, Morales foi destituído do cargo de presidente após uma crise política anterior.

À medida que a crise se desenrolava na quarta-feira, veículos militares invadiram a praça. Antes de entrar no Palácio do Governo, Zuniga disse aos jornalistas: “É certo que em breve haverá um novo gabinete; “Nosso país e nosso estado não podem continuar assim.” Zuniga disse que “por enquanto” reconheceu Arce como comandante-chefe.

Zuniga não disse explicitamente que estava a liderar um golpe, mas disse que o exército estava a tentar “restaurar a democracia e libertar os nossos presos políticos”.

Pouco depois, Arce confrontou Zuniga no corredor do palácio, como pode ser visto em um vídeo da televisão boliviana. “Eu sou seu comandante, ordeno que retirem seus soldados e não permitirei essa desobediência”, disse Arce.

Rodeado pelos ministros, acrescentou: “Aqui estamos, resolutos em Casablanca, diante de qualquer tentativa de golpe”. Precisamos que o povo boliviano se organize.

Menos de uma hora depois, Arce anunciou novos comandantes do Exército, da Marinha e da Força Aérea, sob gritos de apoiadores, agradecendo à polícia do país e aos aliados regionais por apoiá-lo. Ars disse que as forças que se revoltaram contra ele estavam “manchando o uniforme” do exército.

“Ordenei a todos os recrutas que regressassem às suas unidades”, disse o recém-nomeado comandante do exército, José Wilson Sanchez. “Ninguém quer as imagens que vemos nas ruas.”

Pouco depois, veículos blindados saíram da praça, seguidos por centenas de combatentes militares, enquanto a tropa de choque montava barricadas em frente ao palácio do governo.

O incidente foi recebido com uma onda de raiva por parte de outros líderes regionais, incluindo a Organização dos Estados Americanos, o presidente chileno Gabriel Buric, o líder de Honduras, e ex-líderes bolivianos.

A Bolívia, um país com uma população de 12 milhões de pessoas, tem testemunhado protestos intensos nos últimos meses devido ao declínio acentuado da economia, de uma das economias de crescimento mais rápido no continente há duas décadas para uma das economias que mais sofrem com crises.

O país também testemunhou grandes desacordos ao mais alto nível do partido no poder. Arce e seu ex-aliado Morales lutam pelo futuro do movimento dissidente pelo Socialismo na Bolívia, conhecido pela sigla espanhola MAS, antes das eleições marcadas para 2025.

Após o caos de quarta-feira, reportagens na mídia local mostraram bolivianos estocando alimentos e outras necessidades em supermercados, preocupados com o que aconteceria a seguir.

Mas o vice-presidente do país, David Choquehuanca, prometeu no seu discurso aos apoiantes fora do palácio presidencial: “Nunca mais o povo boliviano permitirá tentativas de golpe”.

——

Janetsky relatou da Cidade do México.

——

Janetsky relatou da Cidade do México.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *