Toyota interrompe produção após possível ataque cibernético a fornecedor

A Toyota, maior montadora do mundo, disse na segunda-feira que suspendeu toda a produção no Japão após um possível ataque cibernético a um grande fornecedor.

A descontinuação ocorreu após um problema com os sistemas de computador da Kojima Industries, fabricante de componentes automotivos, que interrompeu os sistemas de pedidos da empresa. Um porta-voz da empresa disse que o problema surgiu pela primeira vez na noite de sábado, e a empresa decidiu desligar sua rede de computadores para evitar que o problema se espalhasse para os clientes.

A Kojima Industries ainda não conseguiu determinar a causa do problema, mas suspeita de um ataque cibernético ou vírus. O site da empresa permaneceu fora do ar na noite de segunda-feira.

Em declarações em uma coletiva de imprensa sobre a situação na Ucrânia, o primeiro-ministro japonês Fumio Kishida disse que o governo estava ciente do desligamento da Toyota e estava investigando a causa.

Os ataques cibernéticos tornaram-se cada vez mais comuns no Japão nos últimos anos. As empresas japonesas demoraram a modernizar suas redes para levar em conta o crescente uso de ransomware por criminosos, bem como intervenções governamentais. Os alvos mais comuns dos ataques têm sido os fabricantes, que podem essencialmente manter sistemas de computador e dados valiosos como reféns.

Como muitas outras montadoras, a Toyota foi forçada a reduzir drasticamente a produção depois que a pandemia causou estragos nas cadeias de suprimentos globais e levou à escassez de semicondutores e outros componentes.

No ano passado, depois que as ondas iniciais do vírus passaram e a demanda global por carros aumentou, a Toyota anunciou planos otimistas de produzir 9,3 milhões de unidades em todo o mundo até 31 de março, o final do ano fiscal.

READ  CEO da Microstrategy dissipa silenciosamente rumores de que a empresa está vendendo Bitcoin - Bitcoin Featured News

Mas a crescente demanda por semicondutores e as frequentes ondas de infecção forçaram a empresa a reduzir esses planos primeiro para nove milhões e depois em fevereiro para oito milhões e meio.

Mesmo antes dos problemas na Kojima Industries, a Toyota planejava uma paralisação temporária em março em várias fábricas no Japão devido à falta de peças.

Uma porta-voz da Toyota disse que a suspensão anunciada na segunda-feira inclui 14 fábricas locais da Toyota e afetará a produção de 13.000 carros, acrescentando que a empresa ainda não pode dizer por quanto tempo as fábricas permanecerão ociosas.

Apesar dos contratempos, a Toyota conseguiu usar as lições aprendidas durante o terremoto e tsunami de 2011 que devastou o nordeste do Japão para se adaptar às interrupções da pandemia melhor do que seus concorrentes, liderando as tabelas globais de vendas de automóveis por dois anos consecutivos.

A Hino, subsidiária da Toyota que fabrica caminhões e ônibus pesados, disse em comunicado na segunda-feira que interromperá temporariamente a produção em duas fábricas devido a problemas com um fornecedor não especificado. Outra subsidiária, a Daihatsu, também interrompeu parte da produção, de acordo com relatos da mídia local.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.