Tribunal de Mianmar prende economista australiano Suu Kyi por 3 anos – fonte

(Reuters) – Um tribunal de Mianmar, governado por militares, condenou nesta quinta-feira a líder destituída Aung San Suu Kyi e seu ex-assessor econômico australiano Sean Tornell a três anos de prisão por violar a Lei dos Segredos, disse uma fonte familiarizada com o assunto.

Ambos se declararam inocentes das acusações de violação da Lei de Segredos Oficiais, que prevê uma sentença máxima de 14 anos.

“Três anos cada um com trabalho forçado”, disse a fonte, que pediu para não ser identificada devido à sensibilidade do assunto.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Suu Kyi, Turnell e vários membros de sua equipe econômica estão entre os milhares que foram presos desde que os militares derrubaram seu governo eleito em um golpe no início do ano passado, incluindo políticos, legisladores, burocratas, estudantes e jornalistas.

Tornell também foi acusado de violações de imigração, pelas quais pode pegar até cinco anos de prisão. Espera-se que o tribunal se pronuncie sobre o caso na quinta-feira, de acordo com uma segunda fonte e relatos da mídia.

O vencedor do Prêmio Nobel Suki foi condenado a pelo menos 23 anos de prisão em casos separados, principalmente relacionados a acusações de corrupção.

Ela nega todas as acusações contra ela.

Opositores militares dizem que as acusações contra Suu Kyi visam impedi-la de se envolver na política novamente e desafiar o controle do poder pelos militares.

Um porta-voz do conselho militar não respondeu às ligações pedindo comentários na quinta-feira. A junta insiste que os tribunais de Mianmar são independentes e que os detidos estão sujeitos ao devido processo.

Tornell, que também é professor de economia na Universidade Macquarie, na Austrália, foi detido por alguns dias após o golpe.

READ  Kiev continua a pressionar o Ocidente a fazer mais à medida que a batalha no leste da Ucrânia se aproxima

Sua esposa, Ha Fu, que mora na Austrália, disse que ela e sua família estavam “tristes” com a decisão e exigiram que ele fosse deportado.

“Chon tem sido um dos maiores apoiadores de Mianmar por mais de 20 anos e trabalhou incansavelmente para impulsionar a economia de Mianmar. Por favor, considere contribuições… e deporte-o agora”, disse ela em um post no Facebook.

A Austrália pediu a libertação de Turnell.

“O governo australiano rejeitou consistentemente as acusações contra o professor Tornell. (Ele) rejeita a decisão judicial de hoje… e pede sua libertação imediata”, disse a ministra das Relações Exteriores Penny Wong em um comunicado.

Wong disse que funcionários consulares australianos encarregados de ajudar Tornell não tiveram acesso ao tribunal.

O veredicto foi proferido na quinta-feira em um tribunal fechado na capital, Naypyitaw. O crime que os réus cometeram sob a Lei de Segredos Oficiais permanece incerto, embora uma fonte tenha dito anteriormente que o crime de Turnell “relacionado à sua alegação de ter documentos do governo”.

Um analista do International Crisis Group, Richard Horsey, descreveu o processo como um “julgamento-espetáculo”.

“Para Shawn, a esperança agora deve ser que – depois de ser mantido em cativeiro por quase 20 meses – ele logo seja libertado dessa terrível provação e se reúna com sua família”, disse ele.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem da equipe da Reuters. Escrito por Kanupriya Kapoor; Edição por Ed Davies, Robert Percell

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.