Tribunal Internacional diz que tem jurisdição, o caso do genocídio de Mianmar para avançar

  • Regras judiciais trazidas pela Gâmbia podem avançar
  • Uma audiência completa pode levar anos
  • Mianmar nega genocídio

HAIA (Reuters) – A Corte Internacional rejeitou nesta sexta-feira as objeções de Mianmar a um caso de genocídio devido ao tratamento dado à minoria muçulmana rohingya, abrindo caminho para que o caso seja totalmente ouvido.

Mianmar, que agora é governado pela junta militar que assumiu o poder em 2021, argumentou que a Gâmbia, que apresentou o caso, não tem capacidade para fazê-lo no Supremo Tribunal das Nações Unidas, oficialmente conhecido como Tribunal Internacional de Justiça.

Mas a juíza-presidente Joan Donoghue disse que todos os países que assinaram a Convenção de Genocídio de 1948 podem e devem agir para evitar o genocídio, e o tribunal tem jurisdição no caso.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“A Gâmbia, como Estado-Parte da Convenção do Genocídio, tem legitimidade”, disse ela, enquanto lia o resumo da decisão do painel de 13 juízes.

O tribunal vai agora proceder a ouvir o mérito do caso, um processo que levará anos.

A Gâmbia assumiu a causa rohingya em 2019, apoiada pela Organização de Cooperação Islâmica de 57 países, em uma ação judicial destinada a responsabilizar Mianmar e evitar mais derramamento de sangue.

O ministro da Justiça da Gâmbia, Dawda Jallow, disse fora do tribunal que estava “extremamente satisfeito” com a decisão e estava confiante de que o caso prevaleceria.

A Gâmbia se envolveu depois que seu antecessor, Abubakar Tambadou, ex-promotor do Tribunal das Nações Unidas para Ruanda, visitou um campo de refugiados em Bangladesh e disse que as histórias que ouviu evocaram lembranças do genocídio de Ruanda.

O representante de Mianmar disse que o Estado fará “todos os esforços” para proteger o “interesse nacional” do país em outras ações.

Os manifestantes do lado de fora dos portões do tribunal ergueram uma faixa vermelha com os dizeres “Libertem a Birmânia” e gritaram para os carros que transportavam representantes do conselho militar quando deixaram o prédio após a decisão.

Uma missão de apuração de fatos da ONU concluiu que a campanha militar de Mianmar em 2017, que levou 730.000 rohingyas ao vizinho Bangladesh, incluiu “atos de genocídio”.

Mianmar negou o genocídio e descartou as conclusões da ONU como “tendenciosas e imperfeitas”. Ele diz que sua repressão foi direcionada aos rebeldes rohingyas que realizaram ataques.

Embora as decisões do Tribunal de Haia sejam obrigatórias e geralmente seguidas pelos estados, eles não têm meios de aplicá-las.

Em uma resolução temporária aprovada em 2020, Mianmar ordenou que os rohingyas fossem protegidos de danos, uma vitória legal que estabeleceu seu direito sob o direito internacional como uma minoria protegida.

Mas grupos rohingyas e ativistas de direitos humanos dizem que não houve nenhuma tentativa séria de acabar com sua perseguição sistemática.

Os rohingyas ainda não têm cidadania e liberdade de movimento em Mianmar. Dezenas de milhares estão presos em campos de desabrigados miseráveis ​​há uma década.

Em um comunicado, o Ministério das Relações Exteriores de Bangladesh saudou a decisão.

“Para as vítimas que vivem nos campos em Bangladesh e em Mianmar, eles veem esperança de que a justiça seja feita a eles e que os perpetradores nas forças armadas de Mianmar sejam responsabilizados”, disse Ambia Parveen, do Conselho Europeu Rohingya. fora do tribunal.

READ  Senado apoia Finlândia e Suécia para a OTAN 95-1, repreendeu a Rússia

A junta prendeu a líder democrática Aung San Suu Kyi, que defendeu pessoalmente Mianmar nas audiências de 2019 em Haia.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem de Toby Sterling e Bobby McPherson em Bangkok); Edição por Peter Graf e Alison Williams

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.