Ucrânia intensifica sua diplomacia em meio a combates e falta de energia

  • Zelensky fala aos líderes dos Estados Unidos, França e Turquia
  • A Ucrânia está lutando para restaurar a energia em Odessa e outras regiões
  • Apoio dos EUA continuará “o tempo que for necessário” – Yellen

KIEV (Reuters) – O presidente ucraniano, Joe Biden, disse a seu colega ucraniano neste domingo que os Estados Unidos estão priorizando os esforços para reforçar as defesas aéreas da Ucrânia, enquanto o presidente Volodymyr Zelensky intensificou os esforços para garantir ajuda internacional para a invasão russa de 10 meses.

Os intensos combates no leste e no sul do país continuaram inabaláveis, enquanto ataques de drones e mísseis contra infraestruturas energéticas importantes, particularmente na cidade de Odessa, no Mar Negro, mantiveram muitos ucranianos no frio e no escuro.

Não há negociações de paz e não há fim à vista para o conflito mais sangrento da Europa desde a Segunda Guerra Mundial, que Moscou chama de “operação militar especial” e a Ucrânia e seus aliados um ato de agressão não provocada.

“Estamos trabalhando constantemente com parceiros”, disse Zelensky após suas conversas com Biden e os líderes da França e da Turquia, acrescentando que espera alguns “resultados importantes” na próxima semana de uma série de eventos internacionais que abordarão a situação na Ucrânia.

Na segunda-feira, o chanceler alemão, Olaf Scholz, realizará uma reunião online com os líderes do G7, e os ministros das Relações Exteriores da UE tentarão chegar a um acordo sobre mais sanções contra a Rússia e o Irã e sobre ajuda adicional ou envio de armas para a Ucrânia.

Embora Zelensky tenha mantido inúmeras conversas com Biden, o presidente francês Emmanuel Macron e o presidente turco Recep Tayyip Erdogan desde a invasão das forças russas no final de fevereiro, o acúmulo de discussões em apenas um dia não é uma ocorrência comum.

READ  Ministro dos Negócios Estrangeiros sueco diz que o seu país está perto de aprovar a adesão à NATO

Zelensky disse que agradeceu a Biden pela assistência “defesa e financeira sem precedentes” fornecida pelos Estados Unidos e falou com o presidente dos EUA sobre a necessidade da Ucrânia de sistemas eficazes de defesa antiaérea para proteger a população.

A Casa Branca disse que Biden “reafirmou o compromisso dos Estados Unidos de continuar fornecendo assistência humanitária, econômica e de segurança à Ucrânia, de responsabilizar a Rússia por seus crimes de guerra e atrocidades e de impor custos à Rússia por sua agressão”.

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, disse à CBS que o apoio de Washington às forças armadas e à economia da Ucrânia – mais de US$ 50 bilhões e contando – continuará “pelo tempo que for necessário” e enfatizou que acabar com a guerra é a melhor coisa para os Estados Unidos. Isso pode fazer com a economia global.

Turquia conversa

Mais cedo, Zelensky disse que teve uma conversa “muito significativa” com Macron sobre “defesa, energia, economia e diplomacia” que durou mais de uma hora e conversas “muito específicas” com Erdogan sobre a garantia das exportações de grãos da Ucrânia.

A Turquia, que mediou as negociações de paz nos primeiros meses da guerra, trabalhou ao lado das Nações Unidas em um acordo de grãos e abriu os portos ucranianos para exportações em julho, após um bloqueio russo de fato de seis meses.

O gabinete de Erdogan disse que o líder turco fez uma ligação para o presidente russo, Vladimir Putin, no domingo, pedindo um fim rápido para o conflito.

Putin disse na semana passada que a quase total perda de confiança de Moscou no Ocidente tornaria mais difícil chegar a um acordo final sobre a Ucrânia e alertou para uma guerra prolongada.

READ  HelloFresh é acusado de usar leite de coco obtido de negócios de macacos

Moscou não mostra sinais de estar disposta a respeitar a soberania da Ucrânia e as fronteiras pré-guerra, dizendo que as quatro regiões que afirma ter anexado da Ucrânia em setembro fazem parte da Rússia “para sempre”. O governo de Kiev descartou a possibilidade de ceder qualquer terra à Rússia em troca da paz.

luta feroz

No terreno, na Ucrânia, toda a linha da Frente Oriental foi continuamente bombardeada à medida que irrompiam combates intensos.

O Estado-Maior das Forças Armadas da Ucrânia disse em uma atualização na noite de domingo que as forças russas continuaram suas tentativas de romper as defesas ucranianas, tanques de treinamento e fogo de artilharia em 26 assentamentos perto de Avdiivka e Bakhmut.

Serhiy Gaidai, o governador exilado da região de Luhansk ocupada pela Rússia, disse à televisão ucraniana que forças locais atacaram um hotel na cidade de Kadyevka, onde estavam estacionados membros do grupo militar privado russo Wagner, matando vários deles.

Fotos postadas nos canais do Telegram mostraram um prédio reduzido a escombros.

“Eles tiveram um pouco de pop lá, que é onde Wagner está sediado”, disse ele. “Um grande número daqueles que estavam lá morreram.”

A Reuters não pôde verificar essas alegações e não foi possível obter comentários do Ministério da Defesa da Rússia.

Moscou também tem como alvo a infraestrutura de energia da Ucrânia com ondas de ataques com mísseis e drones, às vezes cortando a eletricidade de milhões de civis no inverno, quando as temperaturas costumam cair abaixo de zero grau Celsius.

As forças russas usaram drones fabricados no Irã para atacar duas usinas de energia no porto de Odessa, no Mar Negro, no sábado, desligando a energia de 1,5 milhão de pessoas – quase toda a infraestrutura não vital dentro e ao redor do porto.

READ  Os protestos em Estocolmo, incluindo a queima do Alcorão, foram condenados pela Turquia

Zelensky disse que outras regiões com condições de fornecimento de energia “muito difíceis” incluem a capital Kiev, a região de Kiev, quatro regiões no oeste da Ucrânia e a região de Dnipropetrovsk no centro do país.

(Reportagem de Nick Starkov em Kiev). Reportagem adicional de Ronald Popeskey em Winnipeg, Canadá; Escrita por Lydia Kelly e Lincoln Feast; Edição por Grant McCall e Simon Cameron-Moore

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.