Ucrânia recebe 1 bilhão de euros em ajuda para ‘superar o inverno’

Os aliados ocidentais da Ucrânia prometeram um adicional de 1 bilhão de euros (US$ 1,1 bilhão) em ajuda emergencial de inverno na terça-feira, respondendo aos apelos do presidente Volodymyr Zelensky para ajudar o país a resistir a um ataque russo à sua rede de energia.

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse que cerca de 70 países e organizações internacionais se reuniram em Paris para uma reunião destinada a permitir que os ucranianos “passem por este inverno”.

Em uma mensagem de vídeo, Zelensky disse que a Ucrânia precisa de cerca de 800 milhões de euros em ajuda a curto prazo para seu setor de energia em dificuldades.

“Claro, uma quantia muito alta, mas o custo é menor do que o custo de uma possível queda de energia”, disse Zelensky na conferência via link de vídeo.

A ministra das Relações Exteriores da França, Catherine Colonna, disse que as promessas ao setor de energia incluem 400 milhões de euros dos fundos arrecadados na terça-feira.

Zelensky disse que a Ucrânia precisava de peças sobressalentes para reparos, geradores de alta capacidade, gás extra, bem como aumento das importações de eletricidade.

“Os geradores se tornaram tão essenciais quanto os veículos blindados e os coletes à prova de balas”, disse ele.

O primeiro-ministro ucraniano, Denys Shmyhal, disse que 40 a 50% da rede elétrica do país está fora de serviço devido aos ataques russos.

Muitas áreas do país têm energia apenas algumas horas por dia.

Outros 1,5 milhão de pessoas no sul de Odessa ficaram sem eletricidade no fim de semana após ataques de drones russos.

“Eles querem nos deixar no escuro e isso falhará graças aos nossos parceiros ao redor do mundo”, disse Schmigal aos delegados.

READ  Obra de Banksy é revelada em Borodianka, Ucrânia

ataque ponte

No campo de batalha na terça-feira, as autoridades locais da cidade ocupada pela Rússia de Melitopol disseram que as forças pró-Kiev usaram explosivos para destruir uma ponte estratégica.

Melitopol é um importante centro de transporte para as forças russas na região de Zaporizhia e chave para as esperanças da Ucrânia de libertar o sul do país.

Vladimir Rogov, um funcionário regional instalado por Moscou no aplicativo de mensagens Telegram, disse que a ponte no subúrbio oriental foi “destruída por terroristas”.

Ele não especificou a extensão dos danos, mas as fotos em suas redes sociais mostraram o colapso da parte central da ponte.

Em outro lugar na terça-feira, a Bielorrússia realizou uma inspeção surpresa de suas forças armadas, levantando temores de uma possível escalada no conflito.

Belarus é um aliado próximo de Moscou, mas o líder bielorrusso Alexander Lukashenko disse repetidamente que não tem planos de enviar tropas bielorrussas para a Ucrânia.

O primeiro-ministro ucraniano Shmyhal também disse na terça-feira que a Agência Internacional de Energia Atômica, a Agência Internacional de Energia Atômica, concordou em enviar equipes permanentes para monitorar as usinas nucleares do país.

Espera-se que eles assumam posições na fábrica de Zaporozhye, controlada pela Rússia, um foco de combates, que tem sido uma fonte de preocupação global nos últimos meses.

Chegar a um acordo para desmilitarizar o local, o que levaria à retirada de forças de ambos os lados, até agora se mostrou impossível, apesar dos esforços diplomáticos internacionais.

‘crimes de guerra’

A conferência de terça-feira em Paris, intitulada “Estando com o povo ucraniano”, viu o lançamento do chamado novo Mecanismo de Paris para coordenar a ajuda civil à Ucrânia.

READ  Os candidatos ao primeiro-ministro britânico brigam sobre cortes de impostos em um debate na TV

A plataforma digital, anunciada pelos líderes do G7 na segunda-feira, permitirá à Ucrânia listar seus requisitos e permitir que doadores internacionais coordenem suas respostas em tempo real.

“Este mecanismo será usado por um grande número de países – todos membros da União Europeia, mas se estenderá a outros parceiros, incluindo parceiros não europeus”, disse Colonna a repórteres.

Existe uma plataforma semelhante para ajuda militar, que é coordenada por meio de reuniões dos aliados ocidentais da Ucrânia na base militar de Ramstein, administrada pelos Estados Unidos, na Alemanha.

Macron organizou a conferência de terça-feira ao lado da esposa de Zelensky, Olena, dando ao líder francês a chance de reafirmar seu apoio a Kiev.

Ele condenou os ataques russos “cínicos” e “covardes” à infraestrutura civil ucraniana.

“Esses ataques… que a Rússia admite abertamente visam quebrar a resistência do povo ucraniano, são crimes de guerra”, disse Macron em seu discurso de abertura.

“Eles estão, sem dúvida, violando os princípios mais básicos do direito humanitário”, disse ele.

Essas ações são intoleráveis ​​e não ficarão impunes”.

O presidente francês irritou alguns de seus aliados em Kyiv no passado, principalmente em junho, quando disse: “Não devemos insultar a Rússia”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *