Um embargo de petróleo russo na Europa pode significar uma nova ordem mundial de energia

HOUSTON – A proibição da União Europeia à maioria das importações de petróleo russo pode desencadear um novo choque na economia global, levando a uma reorganização do comércio global de energia que torna a Rússia economicamente mais fraca, dá à China e à Índia poder de negociação e enriquece produtores como a Arábia Saudita.

A Europa, os Estados Unidos e grande parte do resto do mundo podem sofrer porque os preços do petróleo, que vêm subindo há meses, podem subir ainda mais à medida que a Europa compra energia de fornecedores distantes. As empresas europeias terão que vasculhar o mundo em busca de tipos de petróleo que as refinarias possam processar tão facilmente quanto o petróleo russo. Pode haver escassez intermitente de alguns combustíveis, como o diesel, que é fundamental para caminhões e equipamentos agrícolas.

De fato, a Europa comercializa um recurso petrolífero imprevisível – a Rússia – para dois exportadores instáveis ​​no Oriente Médio.

A busca da Europa por novos suprimentos de petróleo – e a busca da Rússia para encontrar novos compradores para seu petróleo – não deixará nenhuma parte do mundo intocada, disseram especialistas em energia. Mas descobrir o impacto em cada país ou empresa é difícil porque líderes, executivos de energia e comerciantes responderão de maneiras diferentes.

A China e a Índia podem ser protegidas de alguns dos encargos dos preços mais altos do petróleo porque a Rússia está lhes oferecendo petróleo com desconto. Nos últimos dois meses, a Rússia se tornou o segundo maior fornecedor de petróleo para a Índia, superando outros grandes produtores, como Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos. A Índia tem muitas refinarias grandes que podem obter grandes lucros refinando o petróleo russo em diesel e outros combustíveis que estão em grande demanda em todo o mundo.

Em última análise, os líderes ocidentais pretendem enfraquecer a capacidade do presidente Vladimir Putin de causar estragos na Ucrânia e em outros lugares, privando-o de bilhões de dólares em vendas de energia. Eles esperam que seus movimentos forcem os produtores de petróleo russos a fechar poços porque o país não tem muitos lugares para armazenar petróleo enquanto alinha com novos compradores. Mas esse esforço é arriscado e pode falhar. Se os preços do petróleo subirem significativamente, as receitas totais do petróleo da Rússia podem não cair muito.

Outros produtores de petróleo, como a Arábia Saudita e empresas petrolíferas ocidentais, como ExxonMobil, BP, Shell e Chevron, se sairão bem apenas porque os preços do petróleo estão mais altos. O outro lado é que consumidores e empresas globais terão que pagar mais por cada galão de combustível e mercadorias embarcadas em caminhões e trens.

“É um grande negócio histórico”, disse Robert McNally, consultor de energia do presidente George W. Bush. “Isso irá reformular não apenas as relações comerciais, mas também as relações políticas e geopolíticas.”

READ  A União Europeia rejeita a tentativa de adesão da Ucrânia e está se preparando para um longo confronto com a Rússia

Autoridades da União Europeia ainda não divulgaram todos os detalhes de seus esforços para silenciar as exportações russas de petróleo, mas disseram que as políticas estarão em vigor por um período de meses. Isto destina-se a dar tempo aos europeus para se prepararem, mas também dará à Rússia e aos seus parceiros tempo para conceber soluções alternativas. É difícil saber quem se adaptará melhor à nova realidade.

Autoridades europeias disseram até agora que o sindicato proibirá as importações de petróleo bruto e combustíveis refinados de petroleiros russos, como o diesel, que representam dois terços das compras do continente da Rússia. A proibição será implementada em fases ao longo de seis meses para petróleo bruto e oito meses para diesel e outros combustíveis refinados.

Além disso, a Alemanha e a Polônia se comprometeram a parar de importar petróleo da Rússia pelo oleoduto, o que significa que os europeus podem reduzir as importações russas em 3,3 milhões de barris por dia até o final do ano.

O sindicato disse que as empresas europeias não poderão mais proteger navios-tanque que transportam petróleo russo em qualquer lugar. Esta proibição também será implementada gradualmente ao longo de vários meses. Com muitas das maiores seguradoras do mundo sediadas na Europa, a medida pode aumentar significativamente o custo do transporte russo de energia, embora as próprias seguradoras na China, Índia e Rússia possam agora fazer parte desse trabalho.

Antes da invasão da Ucrânia, quase metade das exportações de petróleo da Rússia iam para a Europa, representando US$ 10 bilhões em transações por mês. As vendas de petróleo russo para membros da União Européia caíram um pouco nos últimos meses, e as vendas para os Estados Unidos e a Grã-Bretanha foram canceladas.

Alguns analistas de energia disseram que o novo esforço europeu pode ajudar a separar a Europa da energia russa e reduzir a influência política de Putin sobre os países ocidentais.

“Existem muitas ramificações geopolíticas”, disse Megan L. O’Sullivan, diretora do Energy Geopolitics Project da Kennedy School de Harvard. “O embargo atrairá os Estados Unidos para dentro da economia global de energia e fortalecerá os vínculos energéticos entre a Rússia e a China”.

Outra esperança dos líderes ocidentais é que seus movimentos reduzam a posição da Rússia na indústria global de energia. A ideia é que, apesar de seus esforços para encontrar novos compradores na China, Índia e outros lugares, a Rússia exporte menos petróleo em geral. Como resultado, os produtores russos precisarão fechar poços, que não poderão reiniciar facilmente devido às dificuldades de exploração e produção de petróleo nos campos inóspitos do Ártico.

Os europeus também decidiram limitar gradualmente o seguro dos embarques de petróleo russos devido à importância da indústria naval para a Grécia e Chipre.

Alguns especialistas em energia alertaram que tais concessões podem minar a eficácia do novo esforço europeu.

“Por que esperar seis meses?” perguntou David Goldwyn, um alto funcionário de energia do Departamento de Estado do governo Obama. “Com as sanções agora em vigor, tudo o que vai acontecer é ver mais petróleo russo e mais produtos fluindo para outros destinos”, disse ele. Mas ele acrescentou: “É um primeiro passo necessário”.

Apesar do embargo do petróleo, a Europa provavelmente continuará dependente do gás natural russo por algum tempo, talvez anos. Isso poderia preservar parte da influência de Putin, especialmente se a demanda por gás aumentar durante o inverno frio. Os líderes europeus têm menos alternativas ao gás russo porque os outros grandes fornecedores mundiais desse combustível – Estados Unidos, Austrália e Catar – não conseguem expandir rapidamente as exportações de forma significativa.

READ  Príncipe Charles teria recebido € 3 milhões em dinheiro do Catar | Príncipe Charles

A Rússia também tem outras cartas para jogar, o que pode prejudicar a eficácia da proibição europeia.

A China é um mercado crescente para a Rússia. Principalmente ligada a oleodutos que estão se aproximando da capacidade, a China aumentou seus embarques de petroleiros russos nos últimos meses.

A Arábia Saudita e o Irã podem perder com o aumento das vendas russas para a China, e os vendedores no Oriente Médio foram forçados a reduzir seus preços para competir com o petróleo russo com grandes descontos.

O’Sullivan disse que a relação entre Rússia, Arábia Saudita e outros membros da aliança Opep+ pode se tornar mais complexa “à medida que Moscou e Riad competem para construir e manter participação de mercado na China”.

Mesmo quando as relações comerciais de energia vacilam, grandes produtores de petróleo, como Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, geralmente se beneficiam da guerra na Europa. Muitas empresas europeias estão agora ansiosas para comprar mais petróleo do Oriente Médio. As receitas de exportação de petróleo saudita estão aumentando e podem estabelecer um recorde este ano, de acordo com publicações da Middle East Petroleum and Economics, que acompanham o setor, elevando o superávit comercial do reino para mais de US$ 250 bilhões.

A Índia é outro beneficiário porque possui grandes refinarias que podem processar o petróleo russo e transformá-lo em diesel, e parte dele pode acabar na Europa mesmo que a matéria-prima venha da Rússia.

“A Índia se tornou o centro de refino de fato da Europa”, disseram analistas da RBC Capital Markets em um relatório recente.

Mas comprar diesel da Índia aumentará os custos na Europa porque é mais caro enviar combustível da Índia do que encaminhá-lo de refinarias russas. “A consequência não intencional é que a Europa está efetivamente importando inflação para seus cidadãos”, disseram analistas do RBC.

A Índia recebe cerca de 600.000 bpd da Rússia, acima dos 90.000 bpd do ano passado, quando a Rússia era um fornecedor relativamente pequeno. É agora o segundo maior fornecedor da Índia depois do Iraque.

Mas a Índia pode achar difícil continuar comprando da Rússia se as restrições da UE às empresas europeias que garantem os embarques de petróleo russo aumentarem muito os custos.

“A Índia é a vencedora, desde que não sofra penalidades secundárias”, disse Helima Croft, chefe de estratégia de commodities da RBC.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.