Um inverno sombrio se aproxima enquanto os ataques russos paralisam a capacidade energética da Ucrânia

  • Ucranianos com pouco ou nenhum aquecimento após o bombardeio
  • Temperaturas em várias áreas já estão abaixo de zero
  • Moradores de Kherson recebem uma oferta para evacuar para áreas mais seguras
  • Forças de segurança ucranianas invadem o famoso Mosteiro de Kyiv

Kyiv (Reuters) – O presidente Volodymyr Zelensky pediu aos ucranianos que economizem energia em meio aos implacáveis ​​ataques russos que reduziram pela metade a capacidade de eletricidade do país, enquanto a agência de saúde das Nações Unidas alerta para uma catástrofe humanitária na Ucrânia neste inverno.

As autoridades disseram que milhões de ucranianos, incluindo a capital Kyiv, podem enfrentar cortes de energia pelo menos até o final de março devido aos ataques com mísseis, que a operadora de rede nacional da Ucrânia, Okringo, disse ter causado danos “enormes”.

As temperaturas foram excepcionalmente amenas na Ucrânia neste outono, mas estão começando a cair abaixo de zero e devem cair para -20°C (-4F) ou até mais baixas em algumas áreas durante os meses de inverno.

Os ataques russos às instalações de energia ucranianas seguem uma série de contratempos que incluíram a retirada das forças russas da cidade de Kherson, no sul, para a margem leste do poderoso rio Dnipro, que divide o país.

“Economizar eletricidade continua sendo muito importante”, disse o primeiro-ministro Dennis Shmyhal em um telegrama na terça-feira.

Ele disse que interrupções planejadas de energia estão ocorrendo em todas as regiões, e o desligamento de emergência é possível em algumas situações, já que o gelo começou e o consumo de eletricidade está aumentando.

“O dano sistêmico ao nosso sistema de energia causado pelos ataques de terroristas russos é tão grande que todo nosso pessoal e empresas precisam ser cuidadosos e redistribuir seu consumo ao longo do dia”, disse Zelensky em um discurso de vídeo noturno.

READ  A capital canadense se prepara para um comboio de motociclistas, temendo uma repetição do protesto dos caminhoneiros

O presidente da Okrinego, Volodymyr Kudritsky, disse na terça-feira que nenhuma usina termelétrica ou hidrelétrica foi deixada intacta, embora tenha descartado a necessidade de evacuações de civis.

“Não podemos gerar tanta energia quanto os consumidores podem usar”, disse Kudritsky em uma coletiva de imprensa, acrescentando que, após uma breve onda de frio na quarta-feira, as temperaturas devem subir novamente, proporcionando uma oportunidade para estabilizar o sistema de geração de energia.

“dias sombrios”

A Organização Mundial da Saúde disse que centenas de hospitais ucranianos e instalações de saúde carecem de combustível, água e eletricidade.

“O sistema de saúde da Ucrânia está enfrentando seu dia mais sombrio na guerra até agora. Tendo sofrido mais de 700 ataques, agora é vítima da crise energética”, disse Hans Kluge, diretor regional da OMS para a Europa, em comunicado após visitar a Ucrânia. .

Os trabalhadores estão correndo para consertar a infraestrutura de energia danificada, de acordo com Sergei Kovalenko, chefe da YASNO, que fornece energia para Kiev.

“Estoque roupas e cobertores quentes e pense em opções que o ajudarão a passar por uma longa pausa”, disse Kovalenko.

Em uma mensagem do Telegram aos residentes de Kherson – especialmente idosos, mulheres com filhos e doentes ou deficientes – a vice-primeira-ministra Irina Vereshuk publicou várias maneiras pelas quais os residentes podem expressar seu interesse em sair.

“Você pode ser evacuado no inverno para partes mais seguras do país”, escreveu ela.

A agência de notícias estatal TASS citou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, dizendo na semana passada que os ataques da Rússia à infraestrutura de energia foram resultado da relutância de Kyiv em negociar.

READ  Líder da Ucrânia exige que países ocidentais a armem e pergunta se teme Moscou

Um assessor do presidente ucraniano Mykhailo Podolyak disse que a Rússia estava bombardeando Kherson através do rio Dnipro agora que suas forças fugiram. “Não há lógica militar: eles só querem se vingar da população local”, escreveu ele no Twitter na segunda-feira.

A agência de notícias Suspilne, da Ucrânia, relatou novas explosões na cidade de Kherson na terça-feira.

Moscou nega ter atacado civis deliberadamente no que chama de “operação militar especial” para livrar a Ucrânia dos nacionalistas e proteger as comunidades de língua russa.

Kyiv e o Ocidente descrevem as ações da Rússia como uma apropriação imperial injustificada de terras no país vizinho outrora dominado pela antiga União Soviética.

A guerra de nove meses já matou dezenas de milhares, deslocou milhões e golpeou a economia global. A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico disse que a pior crise energética do mundo desde a década de 1970 levaria a uma forte desaceleração, com a Europa sendo a mais atingida.

As batalhas continuam acirradas no leste, com a Rússia empreendendo uma ofensiva ao longo da linha de frente a oeste da cidade de Donetsk, controlada por seus representantes desde 2014.

“Os ataques continuam a danificar infraestruturas vitais e casas de civis”, disse o Estado-Maior ucraniano.

Quatro pessoas morreram e quatro ficaram feridas em áreas controladas pela Ucrânia na região de Donetsk nas últimas 24 horas, disse o governador da região, Pavlo Kirilino, no aplicativo de mensagens Telegram.

O governador da região disse que um bombardeio russo também atingiu um centro de distribuição de ajuda humanitária em Oryhiv, no sudeste da Ucrânia, na terça-feira, matando um voluntário e ferindo duas mulheres.

Oryhiv está localizado a cerca de 110 quilômetros a leste da usina nuclear de Zaporizhia, que foi bombardeada novamente nos últimos dias, enquanto a Rússia e a Ucrânia trocaram a responsabilidade pelos atentados.

READ  Príncipe William e Kate Middleton fazem uma viagem surpresa ao País de Gales durante o jubileu de platina da rainha Elizabeth

E na Crimeia, que a Rússia anexou da Ucrânia em 2014, as defesas aéreas russas foram ativadas e dois drones foram abatidos sobre a cidade de Sevastopol na terça-feira, disse o governador da região, pedindo às pessoas que mantenham a calma.

Sevastopol é a sede da Frota Russa do Mar Negro.

Ajuda e invasão

Enquanto isso, o ministro das Finanças ucraniano, Serhiy Marchenko, disse que na terça-feira a Ucrânia recebeu um novo lote de 2,5 bilhões de euros (US$ 2,57 bilhões) em apoio financeiro da União Europeia.

Em Washington, a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, disse que o desembolso de US$ 4,5 bilhões em ajuda econômica dos EUA à Ucrânia começará nas próximas semanas, a fim de aumentar a estabilidade econômica e apoiar os serviços básicos do governo.

O Serviço de Segurança do Estado da Ucrânia disse que o serviço de segurança e a polícia invadiram um mosteiro cristão ortodoxo de 1.000 anos em Kyiv na manhã de terça-feira como parte de operações para combater “suspeitas de atividades subversivas de serviços especiais russos”.

O extenso complexo Kiev-Pechersk Lavra – ou Mosteiro das Cavernas – é um tesouro cultural ucraniano e a sede da ala russa da Igreja Ortodoxa Ucraniana sob o Patriarcado de Moscou.

A Igreja Ortodoxa Russa condenou o ataque, descrevendo-o como um “ato de intimidação”.

Reportagem adicional de Oleksandr Kozukhar e Maria Starkova em Kyiv, Lydia Kelly em Melbourne e Ronald Popisky em Winnipeg; Escrito por Shri Navaratnam e Gareth Jones; Edição por Lincoln Feast, Alex Richardson e Mark Heinrich

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.