Um robô estilo Terminator pode sobreviver a um esfaqueamento

Os fãs de ficção científica saberão que o Terminator era apenas uma máquina de matar implacável por causa de sua capacidade sem esforço de se curar após o dano.

Agora, os engenheiros da Cornell University, em Nova York, podem estar a caminho de recriar essa notável capacidade de autocura.

Especialistas criaram um robô capaz de detectar quando e onde foi danificado e se restaurar instantaneamente.

O pequeno e macio robô, que se parece com uma estrela do mar de quatro patas, usa a luz para detectar mudanças em sua superfície como resultado de ferimentos.

O pequeno robô, que se parece com uma estrela do mar, é capaz de detectar quando e onde foi danificado e depois se curar.

Como funciona?

Para que a automedicação funcione, o bot deve ser capaz de determinar que algo precisa ser consertado.

Para fazer isso, os pesquisadores usaram sensores de fibra ótica acoplados a luzes de LED capazes de detectar mudanças sutis na superfície do robô.

Esses sensores são combinados com um elastômero de poliuretano contendo pontes de hidrogênio para rápida recuperação química.

O resultante SHeaLDS – Guias ópticos de autocorreção para detecção dinâmica – fornece um robô macio e resistente ao desgaste que pode autocurar feridas à temperatura ambiente sem qualquer interferência externa.

Depois que os pesquisadores perfuraram uma de suas pernas, o robô foi capaz de detectar o dano e autocurar as incisões.

“Nosso laboratório está sempre tentando tornar os robôs mais resistentes e ágeis, para que funcionem por mais tempo com mais recursos”, disse o professor Rob Shepherd, da Cornell University.

Se você fizer os bots funcionarem por muito tempo, o dano se acumulará. Como podemos permitir que eles reparem ou lide com esse dano?

Embora não seja indestrutível, Shepard disse que o novo robô estrela do mar – que tem apenas cerca de 12 centímetros de comprimento – tem características semelhantes ao corpo humano.

READ  Duas maneiras pelas quais a vida em Marte poderia se esconder dos cientistas

“Não cura bem da queima ou de coisas com ácido ou calor, porque isso mudará as propriedades químicas”, disse ele.

“Mas podemos fazer um bom trabalho curando feridas.”

O robô em forma de X da equipe rasteja como uma estrela do mar graças ao ar comprimido bombeado por seu corpo.

Ele é coberto por uma camada de sensores de fibra ótica auto-recuperáveis, que acoplados a luzes LED são capazes de detectar pequenas mudanças em sua superfície.

Nos sensores de fibra óptica, a luz de um LED é enviada através de uma estrutura chamada guia de onda óptica, que direciona o feixe de luz em uma direção específica.

Também está incluído no robô um fotodiodo, que detecta mudanças na intensidade da luz para determinar quando e onde um material é deformado.

Para o processo de cura real, eles usaram um elastômero de ureia de poliuretano para sua “pele”, que é um material transparente e flexível que inclui pontes de hidrogênio.

Destruidores são capazes de se reparar.  Na foto, Arnold Schwarzenegger em Terminator 2: Judgment Day (1991)

Destruidores são capazes de se reparar. Na foto, Arnold Schwarzenegger em Terminator 2: Judgment Day (1991)

Depois que os pesquisadores perfuraram uma de suas pernas, o robô foi capaz de detectar danos e autocurar as feridas.

Depois que os pesquisadores perfuraram uma de suas pernas, o robô foi capaz de detectar danos e autocurar as feridas.

Robô macio pode suar como humanos

Cientistas criaram robôs que “suam” como humanos durante tarefas desafiadoras para evitar que superaqueçam.

Os pesquisadores desenvolveram uma técnica que permite que as máquinas “suem” o refrigerante armazenado ao redor do componente responsável por mover e controlar o sistema.

Robôs e máquinas geram calor como subproduto durante as tarefas, mas isso pode causar mau funcionamento se não esfriarem.

Consulte Mais informação

Quando cortados, seus lados expostos tornam-se quimicamente reativos, fazendo com que as cadeias poliméricas reticuladas se realinhem para que se curem.

READ  Desculpe, a NASA não descobriu uma entrada secreta para Marte

Os pesquisadores dizem que a chamada tecnologia SHeaLDS – ‘guias de luz de autocura para detecção dinâmica’ – permite um robô macio e resistente a danos que pode curar feridas à temperatura ambiente sem qualquer interferência externa.

Em seus experimentos, eles perfuraram uma das pernas do robô seis vezes, após o que o robô foi capaz de detectar danos, autocurar cada ferimento em cerca de um minuto e continuar em movimento.

O robô também pode adaptar independentemente sua marcha com base no dano que detectou, como a “resposta de fuga de animais perigosos”.

A equipe agora quer integrar o robô com algoritmos de aprendizado de máquina capazes de reconhecer diferentes “eventos hápticos” que podem danificá-lo.

Em seu artigo publicado na revista, os pesquisadores dizem: Avanços da ciência.

“As informações sobre danos são essenciais em ambientes propensos a danos, como trajes espaciais e monitoramento de pára-quedas supersônico no espaço, bem como aplicações em que a longevidade do dispositivo é preferida, como vestíveis para interação homem-máquina.”

O robô é coberto por uma camada de sensores de fibra óptica auto-reparáveis, que emparelhados com luzes LED são capazes de detectar pequenas mudanças em sua superfície.

O robô é coberto por uma camada de sensores de fibra óptica auto-reparáveis, que emparelhados com luzes LED são capazes de detectar pequenas mudanças em sua superfície.

Em geral, os robôs macios são feitos de materiais flexíveis, inspirados nos tecidos moles que compõem os seres humanos e outros organismos.

O problema é que os materiais macios usados ​​os tornam suscetíveis a danos causados ​​por objetos pontiagudos ou pressão excessiva.

Por meio da autocura, os robôs podem reparar sistemas de corpo mole em determinados ambientes, como trajes espaciais que foram atingidos por detritos espaciais ou equipamentos subaquáticos.

O desenvolvimento adicional da tecnologia também pode permitir que robôs assassinos no estilo Terminator, projetados para o campo de batalha, reparem os danos sofridos durante o combate.

Robôs macios imitam tecidos vivos para permitir que eles desempenhem melhor tarefas humanas

Os robôs macios são sistemas construídos a partir de materiais que possuem propriedades mecânicas semelhantes às dos tecidos vivos.

READ  Buraco negro 'pool' pode explicar aspectos estranhos da fusão de buracos negros de 2019

# Os robôs macios são feitos de materiais flexíveis, inspirados nos tecidos moles que compõem os seres humanos e muitos outros organismos.

Sua flexibilidade permite que sejam usados ​​em uma ampla variedade de aplicações, desde a captura de objetos macios e delicados na indústria alimentícia até a realização de cirurgias minimamente invasivas.

Eles também podem desempenhar um papel importante na criação de próteses realistas.

No entanto, o material macio também os torna suscetíveis a danos causados ​​por objetos pontiagudos ou pressão excessiva.

Os componentes danificados devem então ser substituídos para evitar que o robô bata na pilha de sucata.

Em 2017, especialistas da Vrije Universiteit Brussels (VUB) disseram ter criado uma pele artificial destinada a imitar as capacidades de autocura da natureza, permitindo que os robôs se recuperassem de ‘feridas’ sofridas durante o desempenho de suas funções.

O professor Bram Vanderburgt, da BruBotics VUB, que trabalhou com plásticos, disse: “Os resultados da pesquisa abrem perspectivas promissoras.

“Os robôs não apenas podem ficar mais leves e seguros, mas também poderão operar por mais tempo de forma autônoma sem a necessidade de reparos constantes.”

Para fazer sua carne artificial, os cientistas usaram polímeros semelhantes a gel que se fundem quando aquecidos e depois resfriados.

Quando danificados, esses materiais primeiro restauram sua forma original e depois se curam completamente.

Este princípio foi aplicado em três componentes robóticos de autocorreção; Uma pinça, uma mão robótica e um músculo artificial.

Esses componentes pneumáticos flexíveis foram usados ​​sob condições controladas para testar se o princípio científico também funcionava na prática.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *