Uma estudante iraniana foi espancada até a morte por se recusar a cantar o hino pró-regime | Irã

Outra estudante teria sido morta pelos serviços de segurança iranianos depois que ela foi espancada em sua sala de aula por se recusar a cantar uma música pró-regime quando sua escola foi invadida na semana passada, provocando mais protestos em todo o país neste fim de semana.

de acordo com Conselho de Coordenação dos Sindicatos dos Professores IranianosAsra Panahi, de 16 anos, morreu depois que as forças de segurança invadiram a escola secundária al-Shahed para meninas em Ardabil em 13 de outubro e um grupo de meninas exigiu cantar Nasheed elogia o líder supremo do IrãAiatolá Ali Khamenei.

Quando se recusaram, as forças de segurança espancaram os estudantes, o que levou à transferência de várias meninas para o hospital e à prisão de outras. Na sexta-feira, Panahi teria morrido no hospital devido a ferimentos sofridos na escola.

Autoridades iranianas negaram que as forças de segurança iranianas sejam as culpadas, e depois que sua morte provocou indignação em todo o país, um homem identificado como seu tio apareceu em canais de TV estatais alegando que ela havia morrido de uma doença cardíaca congênita.

Alunas surgiram como uma força poderosa Depois que se espalharam vídeos em sala de aula de estudantes balançando seus lenços no ar, tirando fotos dos líderes supremos do Irã e cantando slogans anti-regime. whsa aminia mulher de 22 anos que morreu depois de ser detida pela polícia moral do Irã por não usar um lenço de cabeça adequadamente em agosto.

As autoridades iranianas responderam com uma série de incursões em escolas em todo o país na semana passada, com relatos de policiais invadindo as salas de aula, prendendo violentamente alunas e empurrando-as para carros à espera e disparando gás lacrimogêneo contra prédios escolares.

READ  Putin admite que Rússia tem "problemas" na guerra da Ucrânia

Em um comunicado publicado no domingo, o Sindicato dos Professores Iranianos denunciou os ataques “brutais e desumanos” e pediu a renúncia do ministro da Educação, Yousef Nouri.

Um estudante iraniano depois de pintar um mapa do Irã na parede com marcas de mãos, supostamente participou de um protesto na Universidade das Artes de Isfahan no fim de semana.
Um estudante iraniano depois de pintar um mapa do Irã na parede com marcas de mãos, supostamente participou de um protesto na Universidade das Artes de Isfahan no fim de semana. Foto: UGC/AFP/Getty Images

A notícia da morte de Panahi levou mais estudantes de todo o país a se mobilizarem e se juntarem aos protestos no fim de semana.

Entre eles estava Nazanin*, de 16 anos, que seus pais mantinham em casa por medo de serem presos por protestar em sua escola.

Eu não tinha permissão para ir à escola porque meus pais temiam pela minha vida. Mas o que mudou? O regime continua a matar e prender alunas”, diz Nazneen.

“Que benefício terei se ficar com raiva em casa? Meus colegas estudantes em todo o Irã e eu decidimos nos levantar para protestar nas ruas esta semana. Farei isso mesmo que agora tenha que esconder isso do meu pai.”

Nargis*, de 19 anos, também se juntou aos protestos, recebendo balas de borracha nas costas e nas pernas. Ela diz que a morte de Panahi levou ela e seus amigos a continuarem protestando, apesar do perigo.

Ela conta o que aconteceu com Panahi – assim como a morte de outras duas alunas de 17 anos Nika Shahkrami e 16 anos Sarina Ismailzadehpelas forças de segurança iranianas – Ele uniu os jovens de todo o Irã sob uma causa comum.

“Não tenho um único parente em Ardabil, mas com essa campanha brutal contra nossas irmãs, que não tinham apenas dezesseis anos, acordaram toda a nação”, diz ela.

“Nós nunca soubemos que estávamos tão unidos – nas áreas Baluch, bem como nas áreas curdas. O mundo ouviu falar de Nika, Sarina e Asra, mas há tantas outras crianças desconhecidas sobre as quais não sabemos nada.

“Não é apenas uma morte de família”, diz ela. “A República Islâmica vem matando nosso povo há 40 anos, mas nossas vozes não foram ouvidas. Deixe o mundo saber que isso não é mais um protesto – estamos pedindo uma revolução. Agora que todos vocês ouviram nossas vozes, nós não vai parar.”

De acordo com o último relatório da Direitos humanos no Irã 215 pessoas, incluindo 27 crianças, foram mortas nos protestos em todo o país até 17 de outubro.

*Nomes alterados

O que as últimas imagens iranianas nos dizem sobre o regime – explicação em vídeo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.