Uma explosão de baixa intensidade espalha destroços de um satélite russo

TÓQUIO – Um satélite russo provavelmente foi atingido por uma “explosão de baixa intensidade” que criou centenas de fragmentos na órbita baixa da Terra, de acordo com uma análise de uma empresa.

O Comando Espacial dos EUA e provedores privados de conscientização espacial relataram que o satélite russo de sensoriamento remoto Resurs P1 sofreu um acidente em 26 de junho. Este evento criou mais de 100 fragmentos que podem ser rastreados por sensores terrestres.

A causa da separação ainda não está clara, mas o LeoLabs, que foi o primeiro a relatar publicamente o evento, acredita que uma “explosão de baixa intensidade” resultante de uma colisão ou dentro da própria espaçonave criou os destroços. Esta explosão criou pelo menos 250 pedaços de destroços em altitudes de até 500 km.

Esta conclusão veio da análise daquela nuvem de detritos feita pela empresa, utilizando as suas próprias ferramentas para observar o número e a distribuição de objetos de detritos e compreender melhor porque foi criada.

“Embora grande parte da nuvem de detritos ainda não tenha sido totalmente analisada, nossa avaliação preliminar conclui que a causa mais provável do evento é uma explosão de baixa intensidade”, concluiu LeoLabs em Um comunicado emitido em 3 de julho foi postado no LinkedIn“Esta explosão pode ter ocorrido como resultado de gatilhos externos, como um impacto com um pequeno fragmento (atualmente não classificado) ou uma falha estrutural interna que causou a falha do sistema de propulsão.”

Esta análise exclui a especulação de que o satélite possa ter sido utilizado como alvo para testes de armas anti-satélite, tal como o Kosmos 1408 em Novembro de 2021. Não houve outras indicações, tais como declarações dos militares russos ou norte-americanos ou restrições do espaço aéreo, que tal teste está sendo planejado ou implementado.

READ  PSA: Zelda: Tears Of The Kingdom News Channel oferece itens gratuitos no jogo

A explosão não parece ter causado a desintegração completa do satélite. Feedback visual para Resurs P da Sybilla Technologies, uma empresa polonesa de consciência situacional espacial, Informe que o satélite principal ainda está láGire por dois a três segundos.

As imagens de pré-separação foram tiradas pela HEO, uma empresa australiana que usa satélites comerciais para obter imagens de outros objetos espaciais, Parece que os painéis solares do Resurs P1 e das duas espaçonaves subsequentes, P2 e P3, não foram totalmente implantados.Não está claro se este defeito de disseminação está de alguma forma relacionado com a desintegração.

Embora o evento de ruptura não pareça o pior cenário possível, ainda representa um risco para outros satélites na órbita baixa da Terra. Leo Labs observou que a ascensão de alguns dos detritos os leva através de órbitas usadas por muitos outros satélites operacionais, além da Estação Espacial Internacional e da Estação Espacial Chinesa Tiangong. É provável que esses objetos permaneçam em órbita por “semanas a meses” antes que o arrasto atmosférico os faça se desintegrar.

“Este evento demonstra o risco contínuo de a espaçonave ficar presa em órbita”, concluiu a empresa. O Resurs P1 foi desativado em 2021 e retornará ainda este ano, à medida que sua órbita, atualmente em torno de 355 km, decair.

LeoLabs acrescentou que este não é o único projeto, pois “existem mais de 2.500 dispositivos abandonados intactos (ou seja, estruturas de foguetes abandonadas e cargas inoperantes) que podem ter um destino semelhante ao do Resurs P1 ao longo do tempo”.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *