Uma incrível onda de choque de uma estrela rejeitada voando pelo espaço a 100.000 milhas por hora

Zeta Oviucci já esteve em órbita próxima com outra estrela, antes de ser ejetada quando essa companheira foi destruída em uma explosão de supernova. Dados infravermelhos do Spitzer revelam uma impressionante onda de choque formada a partir de material explodindo da superfície da estrela e atingindo gás em seu caminho. Os dados do Chandra mostram uma bolha de emissão de raios X localizada ao redor da estrela, que é produzida pelo gás aquecido pela onda de choque a dezenas de milhões de graus. Os dados do Chandra ajudam a contar mais sobre a história desta estrela selvagem. Crédito: Raio-X: NASA/CXC/Univ. Cambridge/c. Cesc Raines et ai; Rádio: NSF/NRAO/VLA; Óptico: PanSTARRS

  • Zeta Ophiuchi é uma estrela única que provavelmente já teve uma companheira que foi destruída quando foi atingida por uma supernova.
  • A explosão da supernova enviou Zeta Ophiuchi, visto no Spitzer (em verde e vermelho) e nos dados do Chandra (em azul), para o espaço.
  • Os raios X descobertos pelo Chandra se originam do gás aquecido a milhões de graus por efeitos de ondas de choque.
  • Os cientistas estão trabalhando para combinar modelos computacionais deste objeto para explicar os dados obtidos em diferentes comprimentos de onda.

Zeta Ophiuchi é uma estrela com um passado complexo, pois provavelmente foi expulsa de sua cidade natal por uma poderosa explosão estelar. Um novo visual detalhado por[{” attribute=””>NASA’s Chandra X-ray Observatory helps tell more of the history of this runaway star.

Located approximately 440 light-years from Earth, Zeta Ophiuchi is a hot star that is about 20 times more massive than the Sun. Evidence that Zeta Ophiuchi was once in close orbit with another star, before being ejected at about 100,000 miles per hour when this companion was destroyed in a supernova explosion over a million years ago has been provided by previous observations.

READ  A sonda solar da Agência Espacial Europeia (ESA) colidiu por uma ejeção de massa coronal

In fact, previously released infrared data from NASA’s now-retired Spitzer Space Telescope, seen in this new composite image, reveals a spectacular shock wave (red and green) that was formed by matter blowing away from the star’s surface and slamming into gas in its path. A bubble of X-ray emission (blue) located around the star, produced by gas that has been heated by the effects of the shock wave to tens of millions of degrees, is revealed by data from Chandra.

A team of astronomers has constructed the first detailed computer models of the shock wave. They have begun testing whether the models can explain the data obtained at different wavelengths, including X-ray, infrared, optical, and radio observations. All three of the different computer models predict fainter X-ray emissions than observed. In addition, the bubble of X-ray emission is brightest near the star, whereas two of the three computer models predict the X-ray emission should be brighter near the shock wave. The team of astronomers was led by Samuel Green from the Dublin Institute for Advanced Studies in Ireland.

No futuro, esses cientistas planejam testar modelos mais complexos com física adicional – incluindo os efeitos de turbulência e aceleração de partículas – para ver se a concordância com os dados de raios-X melhora.

Um artigo descrevendo essas descobertas foi aceito na revista Astronomia e astrofísica. Os dados do Chandra usados ​​aqui foram originalmente analisados ​​por Jesús Toala, do Instituto Astrofísico da Andaluzia, na Espanha, que também escreveu a proposta que levou às observações.

Referência: “Emissão Térmica de Choques de Arco. II. Modelos Magneto-hidrodinâmicos 3D de Zeta Oviucci” por S. Green, J. Mackey, P. Kavanagh, T. J. Haworth, M. Moutzouri e V. V. Gvaramadze, Aceito, Astronomia e astrofísica.
DOI: 10.1051 / 0004-6361 / 202243531

READ  A primeira missão especial à estação espacial finalmente voltará para casa

O Marshall Space Flight Center da NASA gerencia o programa Chandra. O Chandra X-ray Center do Smithsonian Astrophysical Observatory controla as operações científicas de Cambridge, Massachusetts, e as operações de voo de Burlington, Massachusetts.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.