Uma participação maciça em defesa da autoridade eleitoral mexicana

Suspensão

Dezenas de milhares de pessoas lotaram a rua principal da capital mexicana neste domingo para protestar contra a proposta do presidente Andrés Manuel López Obrador de reformar a autoridade eleitoral do país na maior manifestação contra os esforços do presidente em quase quatro anos no cargo.

A participação massiva foi uma repreensão poderosa à afirmação do presidente de que as críticas vêm apenas de uma oposição de elite relativamente pequena.

Partidos da oposição mexicana e organizações da sociedade civil pediram aos mexicanos que se manifestassem na capital e em outras cidades contra as reformas eleitorais propostas que reformulariam o Instituto Nacional Eleitoral, uma das instituições mais famosas e confiáveis ​​do país.

López Obrador vê o instituto como um dever da elite, mas os críticos dizem que suas reformas ameaçariam sua independência e o tornariam mais político. A iniciativa inclui a abolição dos escritórios eleitorais em todo o estado, a redução do financiamento público para os partidos políticos e a permissão do público para eleger membros da autoridade eleitoral no lugar da câmara baixa do Congresso.

Também reduziria o número de legisladores na câmara baixa do Congresso de 500 para 300 e de senadores de 128 para 96, eliminando legisladores em geral. Estes não são eleitos diretamente pelo eleitorado, mas aparecem nas listas dos partidos e recebem assentos com base na porcentagem de votos de seus partidos.

A proposta deve ser debatida no Congresso mexicano nas próximas semanas, onde o partido do presidente Morena e seus aliados levam vantagem.

“Estou realmente cansada de Andrés Manuel, com tantas mentiras e crimes”, disse Alejandra Galan, uma gerente de 45 anos, enquanto agitava a bandeira mexicana entre a platéia. “Ele quer tirar (o Instituto Eleitoral) de nós para que no final seja como Venezuela e Cuba, mas não vamos deixar.”

READ  Biden atinge Rússia com sanções e transfere tropas para a Alemanha

Jorge Gonzalez disse que tais comparações com regimes autoritários podem parecer exageradas neste momento, mas “acho que é apenas um passo. Devemos ter uma separação clara de poderes e instituições independentes e especialmente o Instituto Nacional Eleitoral”.

O homem de 49 anos, que trabalha no setor financeiro, lembrou sete décadas de governo contínuo do Partido Revolucionário Institucional, que foi finalmente deposto em 2000. “O medo é a falta de uma instituição cívica independente, onde possamos realmente confiar eleições e (em vez disso) de volta a um caminho com uma instituição dirigida por um partido”.

Fernando Belonzaran, um dos promotores do protesto, disse que 200.000 pessoas participaram da manifestação. As autoridades não confirmaram este número.

López Obrador passou décadas lutando contra autoridades eleitorais. Ele se considera vítima de fraude eleitoral em várias ocasiões, embora tenha sido o Instituto Nacional Eleitoral que confirmou sua vitória presidencial esmagadora em 2018.

Os organizadores disseram que a manifestação não foi contra López Obrador, mas para chamar a atenção para a proposta e pediram aos legisladores que votem contra.

O partido de López Obrador não tem votos suficientes para aprovar a reforma constitucional sem o apoio da oposição.

Na semana passada, López Obrador dedicou grande parte de suas coletivas de imprensa matinais diárias para demitir os promotores do rali, chamando-os de “corruptos” e “corruptos”, com a intenção de enganar o povo. Ele defendeu a proposta que visa reduzir o orçamento da autoridade eleitoral e evitar “fraude eleitoral”.

Enquanto alguns analistas concordam que algumas economias de custos podem ser desejáveis, alguns analistas temem que a eliminação de escritórios eleitorais estaduais concentraria muito o poder no nível federal e sacrificaria a eficiência.

A escolha dos membros do Tribunal Eleitoral e a liderança da instituição pelo voto popular dariam aos partidos maior poder de escolha dos candidatos. A proposta também reduziria os conselheiros do instituto de 11 para sete.

READ  A viagem de Schultz foi ofuscada por preocupações sobre a dependência alemã da China

Patricio Morelos, da Universidade Tecnológica de Monterrey, observou que com a popularidade de López Obrador tão alta e seu partido no controle da maioria dos 32 governos estaduais, eles teriam uma vantagem se a autoridade eleitoral fosse reconstituída e provavelmente exerceriam o controle.

O manifestante Giovanni Rodrigo, um assalariado de 44 anos, disse que López Obrador não quer abrir mão do poder, se ele não está na presidência, ele quer decidir quem.

“Acredito sem dúvida que é o melhor político que existe hoje na história moderna e por isso é dono de um partido” que controla a maioria dos estados mexicanos, disse. “Não foi o suficiente. Ele quer mais e mais.”

O escritor Mark Stephenson contribuiu para este relatório.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.