DECIF: “Ração de Combate Assegura as Primeiras 24 Horas de Alimentação”

O SEAI na sessão de abertura do congresso extraordinário, numa organização da LBP e dos Voluntários da Figueira da Foz e que teve lugar no salão nobre do Casino da Figueira
Publicidade

O BPS já o tinha anunciado (leia aqui a noticia), hoje o secretario de estado da administração interna (SEAI), Jorge Gomes na apresentação do dispositivo distrital de Bragança, confirmou que “todos os operacionais vão com alimento para o terreno”, afiançando que cada bombeiro levará o respetivo mantimento.

O BPS sabe que se tratam de embalagens individuais, tipo ração de combate militar, e que serão em breve distribuídas aos CB que se encontrem em condições de enviar viaturas e homens integrados em GRUATA, GRIF e/ou CRIF.

O SEAI salientou ainda que se trata de  “uma alimentação especifica para o tipo de teatro de operações onde vão atuar e vão abastecidos para 24 horas”, reforçando que assim a estrutura de Protecção Civil tem “24 horas para organizar todo o tipo de fornecimento alimentar para voltar a distribuir se houver necessidade”, acrescentou.

A medida surge da necessidade de manter os bombeiros alimentados, nomeadamente nas primeiras horas de combate, em que “leva muito tempo” até que “se consiga a preparação de refeições e distribuição e, as pessoas, entretanto têm necessidade de se alimentar”, e deixou uma pergunta: “um incêndio que começa ao meio dia e o bombeiro não almoçou, às sete da noite ainda está sem comer, porque ainda não está nada preparado?”

Em suma, o objetivo é “resolver o problema” e cada bombeiro “ir abastecido para 24 horas e depois, com calma se preparar todo o apoio logístico e toda a distribuição”.

 

Commentários

Commentários