Opinião: “Ó Gomes És Um Brincalhão”

Publicidade
Publicidade

Coisa simpática isto do DECIF com tanto croquete, rissol e apresentação. Ele é nos quartéis, ele é nos distritos, ele é nas câmaras que este ano é que vai ser… com menos papas e bolos já escreviam mas era um glossário para um civil, um cidadão pagador de impostos e que espera que o Estado cumpra a sua obrigação de garantir segurança, perceber a DON. Mas não. Gostais dos pendiricalhos, das guardas de honra, das formaturas, das continências e do poder fátuo que vos dá essa gentileza com que vos tratam. Dão-vos importância. A mais…

Mas o Don secretário do Estado que administra internamente a Pátria – ou na terminologia cavaquista ajuda a administrar, foi ao Parlamento indrominar; ou talvez tenha tido um lapso, uma enxaqueca, enfim uma disrupção; os deputados. E que disse Jorge Gomes? Neste Verão um bombeiro vai receber “45 euros por dia, sublinhando que recebe, ao final do mês, 1.350 euros”. Das duas três. Ou o Estado já se prepara para profissionalizar os bombeiros e assume esse como o salário, calma que o Governo tem que ter parcimónia nas contas e portanto este é o valor já com o subsídio de refeição e de disponibilidade permanente ou então temos aqui da mais fina demagogia. Não há outra palavra. Porque como sabemos os 45 euros, essa voluptuosa riqueza, são para 24 horas de serviço. E nós sabemos, daí talvez o indrominar, que há, de facto, muitos bombeiros que fazem as 24 horas de serviço. Seguidinhas e sem tirar fora.

E, claro, a Autoridade para as Condições de Trabalho pouco pode fazer e como os bombeiros deixaram de ter inspectores não há ninguém para inspeccionar. É que nem sequer há registo, fiável, de quanto trabalha um bombeiro.

Mas devia haver porque, a segunda, havendo essa fiscalização tinhamos bombeiros mais repousados e com tempo para pegar no abre-latas e ripar da colher de plástico para comer a boa da chispalhada que se a ração de combate for como a de 2000 ainda traz a pastilha do café e já que há brasas que se faça uma cevada e se repouse o esqueleto.

A terceira, e é aqui que sublinho o indrominar, é que nunca vi, em tantos anos de vida, alguém destratar os bombeiros.

Essa era a minha função, mas só porque gosto deles e, portanto, posso apontar as nódoas que é para bem comum. Voltando à DON o que nós temos lá é números para encher chouriços porque, em bom rigor, o país conta com 4914 Bombeiros e 1114 veículos. Ou só foi a Fátima rezar? Bem sei que há FEB, GIPS, PSP, CVP, INEM, SF e o diabo a quatro que nós queremos o excel gordinho no power point.

Mas na hora do rigor, quando o fogo aperta e o desespero nos tolda ou quando abalam aviões e jornalistas, sobram bombeiros. E destratar esta rapaziada que assegura uma tarefa gigantesca porque o país assim quis, e ainda bem que nos fica barato quando não tomem em conta os 1350 euros e já se sabe o que custa profissionalizar.

Pelo que tenho para mim, até pelo mutismo dos deputados que estavam na douta Comissão, que o senhor secretário de Estado só podia estar a brincar. E mais certeza tenho quando os senhores da Liga estão silenciosos.

Mas a brincar a brincar vão-se dizendo as verdades e são já muitas as atordoadas que caem sobre os bombeiros. Parece que estamos, de novo, em 2007 e lá vêm mais fardas, carros alegóricos bem artilhados, coisas que sabemos que existem embora não saibamos para quê, duplicações e demais escrecências. Para os outros tudo para os Bombeiros 1350 euros por 30 dias de trabalho ao longo de 24 horas seguidas. Não fora este o Governo da ditosa pátria e haveria um palavrão para isto. E claro que percebo o dinheiro que se gasta na Protecção Civil. Mas não é nos Bombeiros. É nos penachos, nos carros, nas apresentações, nas marchas em serviço, nos chefes e contra chefes e demais subsídios humanitários que este é pais generoso para aventureiros mas reles para bombeiros que, em bom rigor asseguram 95% do socorro do país, sejam fogos, sejam pataletas, sejam acidentes, sejam enfartes que é o que me preparo para ter quando ouço estas atordoadas.

Tivessem os Bombeiros mais espírito de unidade e menos amor próprio e a esta hora já não haveria dispositivo. Nem socorro. Mas como têm espírito de missão há sempre quem se queira aproveitar.

Mas como isto dos fogos é uma mina de ouro para alguns; em prebendas e mirras e deixa-me estar caladinho para ver o que me toca que aquele não quer, aproveite enquanto dura meu amigo mas não abuse que um dia destes a tal DON perde o regimento e fica só com os aboletados que quem não se sente não é filho de boa gente.

Amadeu Araújo

Bombeiro QH cansado de ser insultado por quem deveria ser o primeiro a respeitar os da minha gesta que permanecem no Activo

 

Commentários

Commentários