Blocos de construção da linguagem do cachalote identificados pelos cientistas

ROSEAU, Dominica (AP) – Cientistas que estudam cachalotes que vivem ao redor da ilha caribenha de Dominica descreveram pela primeira vez os elementos básicos de como eles conversam entre si, em um esforço que um dia poderá ajudar a protegê-los melhor. .

Como muitas baleias e golfinhos, os cachalotes são mamíferos altamente sociais Eles se comunicam comprimindo o ar através de seus sistemas respiratórios Para fazer uma série de cliques rápidos que podem soar como zíperes muito barulhentos debaixo d’água. Os cliques também são usados ​​como forma de ecolocalização para ajudá-los a rastrear suas presas.

Os cientistas vêm tentando há décadas entender o que esses cliques podem significar e fizeram pouco progresso. Embora ainda não saibam, eles agora acreditam que existem grupos de cliques que eles acreditam formar um “alfabeto fonético” que as baleias podem usar para construir o equivalente aproximado do que as pessoas consideram palavras e frases.

“Estamos agora começando a encontrar os primeiros blocos de construção da linguagem das baleias”, disse David Gruber, fundador e presidente da Cetacean Society. Iniciativa de Tradução de Cetáceos Ou CETI, um esforço dedicado a traduzir a comunicação dos cachalotes.

A luz brilha sobre um cachalote enquanto ele nada na costa da Dominica em março de 2024. (Samuel Lam via AP)

em Estádio Os pesquisadores, publicando terça-feira na revista Nature Communications, analisaram mais de 8.700 trechos de cliques de cachalotes, conhecidos como codas. Eles dizem ter encontrado quatro componentes básicos que acreditam constituir esse alfabeto fonético.

Este alfabeto poderia então ser usado pelas baleias num número ilimitado de combinações, disse Pratyusha Sharma, principal investigador do artigo.

READ  Os EUA estão aliviados que a China parece estar prestando atenção aos avisos sobre a Rússia

“Eles não parecem ter um conjunto fixo de códigos”, disse Sharma, especialista em inteligência artificial e ciência da computação do MIT. “Isto dá às baleias acesso a um sistema de comunicação muito maior”, disse ela, explicando que é como se as baleias tivessem um dicionário muito grande.

Os cachalotes têm os maiores cérebros de qualquer animal do planeta, pesando até 9 quilos, seis vezes o tamanho do cérebro humano médio. Vivem em grupos matriarcais de cerca de 10 indivíduos e ocasionalmente encontram centenas ou milhares de outras baleias. Os cachalotes podem crescer até 60 pés (18 m) de comprimento e mergulhar até aproximadamente 3.280 pés (1.000 m) para caçar lulas. Eles dormem verticalmente, em grupos.

Os cachalotes parecem ter laços sociais sofisticados, e decifrar os seus sistemas de comunicação pode revelar semelhanças com a linguagem humana e a sociedade, disse Gruber, professor de biologia na Universidade da Cidade de Nova Iorque.

Um cachalote e seu filhote nadam na costa de Dominica em março de 2024. Em um estudo publicado terça-feira, 7 de maio, na revista Nature Communications, cientistas que estudam cachalotes que vivem ao redor da ilha caribenha descrevem pela primeira vez características básicas relacionadas a como eles conversam entre si, num esforço que pode... Para um dia nos ajudar a protegê-los melhor.  (Samuel Lamm via AP)

Um cachalote e seu filhote nadam na costa de Dominica em março de 2024. (Samuel Lam via AP)

Para obter exemplos suficientes de cliques de cachalotes na Dominica, onde a população residente de baleias é de cerca de 200, os cientistas montaram um gigantesco estúdio de gravação subaquático equipado com microfones em diferentes profundidades. As etiquetas nas baleias também registam a posição em que se encontram quando clicam – por exemplo, mergulhando, dormindo, respirando na superfície – e se há outras baleias próximas com as quais possam entrar em contacto.

Jeremy Goldbogen, professor assistente de oceanos na Universidade de Stanford, chamou a nova pesquisa de “extraordinária”, dizendo que tem “amplas implicações na forma como entendemos os gigantes oceânicos”.

READ  Uma ligação vazada revela uma troca de tiros entre Putin e Macron

Se um dia pudermos entender o que os cachalotes estão dizendo, esse conhecimento deverá ser usado para fins de conservação, como reduzir o risco de serem atingidos por navios ou reduzir os níveis de ruído no oceano, disse Goldbogen, que não esteve envolvido no estudo. .

Os cachalotes são classificados como ” exibição “Pela União Internacional para a Conservação da Natureza, as baleias têm sido caçadas há séculos pelo óleo das suas cabeças gigantes e a espécie ainda está em recuperação.

A repórter da Associated Press, Jackie Quinn, relata que a inteligência artificial ajuda os pesquisadores a decifrar os elementos básicos do alfabeto usado pelos cachalotes.

Diana Rees, especialista em comportamento e comunicação de mamíferos marinhos da City University of New York, disse que os cientistas entendem bem certos aspectos da comunicação de animais marinhos, incluindo Assobios Usado por golfinhos e Músicas Cantada por baleias jubarte.

Mas quando se trata de cachalotes, falta até mesmo esse conhecimento básico.

“A novidade deste estudo é que eles estão tentando observar a base do sistema de comunicação das baleias… e não apenas os chamados específicos que elas fazem”, disse ela.

Rees, que não esteve envolvida na nova investigação, disse que espera que um dia possamos associar os cliques das baleias ao seu comportamento.

“Nunca compreenderemos o que os cliques significam para outra baleia, mas poderemos ser capazes de compreender o que os cliques significam o suficiente para prever o seu comportamento”, disse ela. “Isso por si só já seria uma conquista incrível”, disse ela.

Gruber, o fundador do CETI, disse que seriam necessários milhões e talvez milhares de milhões de códigos de baleias para recolher dados suficientes para tentar descobrir o que as baleias estão a dizer, mas espera que a inteligência artificial ajude a acelerar a análise. Ele disse que outros grupos de cachalotes – baleias encontradas em oceanos profundos, do Ártico ao Antártico – provavelmente se comunicam de maneiras ligeiramente diferentes.

___

O Departamento de Saúde e Ciência da Associated Press recebe apoio do Grupo de Mídia de Ciência e Educação do Howard Hughes Medical Institute. A AP é a única responsável por todo o conteúdo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *