A Câmara dos Comuns aprova projeto de lei de imigração de Ruanda – DW – 17/01/2024

O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, recebeu na quarta-feira, através da câmara baixa do parlamento, os planos do seu governo de enviar requerentes de asilo do Reino Unido para o Ruanda, para considerar a sua permanência lá.

Sunak enfrentou uma potencial rebelião das alas moderadas e de direita do Partido Conservador numa votação parlamentar sobre a política que ele e o partido enfatizaram nos últimos meses, em meio à pressão da direita.

Os legisladores votaram 320-276 para apoiar o projecto de lei que visa superar uma objecção do Supremo Tribunal do Reino Unido ao plano do Ruanda. Mas a controversa política de imigração na qual Sunak apostou o seu poder ainda enfrenta obstáculos políticos e jurídicos.

O que foi dito nos debates parlamentares?

O líder da oposição, Keir Starmer, abordou a questão de um ângulo diferente nas Perguntas do Primeiro Ministro na Câmara dos Comuns, onde a primeira de uma série de perguntas a Sunak apontou para a recente admissão do governo de que havia perdido o controle de cerca de 85% das 5.000 pessoas. originalmente destinado à deportação para Ruanda.

Ele questionou se o governo tinha conseguido localizá-los, antes de prosseguir dizendo que a política se revelou dispendiosa e ineficaz.

“Não é um plano, é uma farsa. Só este governo pode desperdiçar centenas de milhões de libras numa política de deportação que não remove ninguém”, disse Starmer na câmara baixa do Parlamento, antes de listar outros problemas anteriores com o plano.

“Ele não tem ideia de onde eles estão, não é?” Starmer entrou sarcasticamente na sala depois de não receber uma resposta à sua pergunta original sobre pessoas desaparecidas. “Posso dizer-lhe um lugar onde eles não estão: Ruanda. Porque as únicas pessoas que envio para Ruanda são ministros do governo.”

READ  Momento tenso Embaixador da Rússia nas Nações Unidas fez um minuto de silêncio pelas vítimas da guerra na Ucrânia no Conselho de Segurança

O governo rejeitou na terça-feira uma moção parlamentar apresentada pelos conservadores mais radicais para tornar o projeto de lei mais rígido, mas quase um quinto dos deputados do partido – mais do que o esperado – apoiaram a moção.

Dois membros do partido, Lee Anderson e Brendan Clarke-Smith, renunciaram em protesto, escrevendo numa carta de demissão que assinaram juntos: “Primeiro Ministro, prometi fazer tudo o que for necessário para parar os barcos”.

O vice-líder do Partido Conservador, Lee Anderson, deixa Downing Street, Londres, após uma reunião no café da manhã com o primeiro-ministro Rishi Sunak.  Lee Anderson e Brendan Clarke-Smith renunciaram para votar emendas ao projeto de lei do governo em Ruanda, disseram eles em X. Data de lançamento: terça-feira, 16 de janeiro de 2024.
O vice-líder do Partido Conservador, Lee Anderson, renunciou em protesto na terça-feira, dizendo que não poderia assinar o projeto de lei do governoFoto: Yue Mok/Impex/Image Alliance

O governo precisava de votos da oposição para garantir uma maioria absoluta para derrubar as mudanças.

Qual é a política de Ruanda?

A tentativa da Grã-Bretanha de transferir qualquer pessoa que entre ilegalmente no país para o Ruanda, onde pode procurar asilo sem a perspectiva de residência no Reino Unido, remonta originalmente a 2021, quando Sunak ainda era ministro das Finanças no governo do antigo primeiro-ministro Boris Johnson.

A implementação do plano revelou-se um desafio para os sucessivos governos conservadores, no meio de desafios políticos e jurídicos.

O primeiro-ministro britânico Rishi Sunak fornece uma atualização sobre o plano "Pare os barcos" E a imigração ilegal durante uma conferência de imprensa na sala de reuniões de Downing Street, em Londres, quinta-feira, 7 de dezembro de 2023.
Confrontados com o número crescente de imigração legal e ilegal na sequência do Brexit, que foi anunciado como uma forma de conter a imigração, os conservadores em dificuldades colocaram grande ênfase na sua promessa de “parar os barcos”.Foto: James Manning/AP/Image Alliance

A ideia surgiu pouco depois da conclusão do Brexit – que foi anunciado ao público como uma forma de reduzir a imigração – à medida que os níveis de imigração legal e ilegal aumentaram acentuadamente, apesar de o Reino Unido ter saído da UE.

Também ocorreu no meio da pressão da extrema direita, especialmente do antigo líder do UKIP, Nigel Farage, sobre a questão dos migrantes que atravessam o Canal da Mancha, muitas vezes vindos de França, em pequenos barcos.

O plano votado na quarta-feira visa limitar o escopo que as pessoas têm de contestar em tribunal.

Mas o governo disse que estava a caminhar numa linha tênue porque o Ruanda disse que só avançaria com um acordo que não violasse o direito humanitário internacional.

READ  Rússia depende cada vez mais de mísseis e artilharia para pressionar a Ucrânia

Os linha-dura querem uma linguagem mais clara que exclua a oportunidade de contestações nos tribunais europeus, em particular, outra promessa do debate do Brexit que será difícil de cumprir.

Por que esta questão é importante para Sunak

Os Conservadores estão no poder desde 2010, quando Sunak foi o quinto Primeiro-Ministro durante esse período (e o terceiro nesta legislatura), e os Conservadores estão atrás do Partido Trabalhista da oposição por uma larga margem nas sondagens de opinião.

As eleições devem ser realizadas até janeiro do próximo ano e provavelmente acontecerão pouco antes disso.

O mais recente programa do partido com cinco grandes compromissos inclui três relacionados com a estabilização da economia e o alívio de problemas como a inflação, um para reduzir as listas de espera hospitalar no serviço de saúde nacionalizado e, finalmente, uma promessa de “paralisar os barcos”.

Esta política pode atingir eleitores insatisfeitos e membros mais direitistas do Partido Conservador. Não existe actualmente nenhuma força política forte e viável à direita do Partido Conservador do Reino Unido, mas o líder do Brexit, Nigel Farage – que actualmente ganha a vida nos meios de comunicação social – criou uma plataforma adequada para a mobilização imediata no grupo Reformista do Reino Unido. Algumas pesquisas recentes estimam que, se ele concorrer às eleições gerais, poderá obter até 10% dos votos.

Tribunal britânico decide sobre ‘deficiências’ no plano de deportação de Ruanda

Para assistir a este vídeo, ative o JavaScript e considere atualizar para o seu navegador da web Suporta vídeo HTML5

A Europa também está a observar atentamente propostas semelhantes?

A votação de quarta-feira interessaria a muitos políticos em toda a Europa.

A União Europeia está actualmente a trabalhar nas suas próprias reformas de imigração, com vários Estados-membros a discutir recentemente planos que parecem, pelo menos, reminiscentes daqueles que o governo britânico está a lutar para alcançar.

READ  CIA revela identidade do segundo espião envolvido na Operação Argo

O partido de oposição alemão CDU/CSU propõe que Berlim também coopere com o governo de Kigali.
msh/rt (AFP, AP, Reuters)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *