A Estação Espacial Internacional pode estar mais poluída do que a maioria dos lares americanos

Um novo estudo descobriu que as concentrações de poluentes tóxicos na poeira da Estação Espacial Internacional (ISS) são maiores do que as encontradas na poeira da Terra em muitos lares americanos.

Os níveis de poluentes orgânicos em amostras de poeira dos filtros de ar da Estação Espacial Internacional foram superiores aos valores médios encontrados em residências nos Estados Unidos e na Europa Ocidental, segundo o estudo publicado terça-feira na revista Nature. Cartas de Ciência e Tecnologia Ambiental.

“Nossas descobertas têm implicações para estações espaciais e habitats futuros, pois pode ser possível excluir muitas fontes de poluentes selecionando cuidadosamente os materiais nos estágios iniciais de projeto e construção”, disse o coautor Stuart Harrad, professor de química ambiental no Universidade de Michigan. Birmingham, disse V.I. uma permissão.

Os contaminantes identificados na chamada “poeira espacial” incluíam éteres difenílicos polibromados (PBDEs), hexabromociclododecano (HBCDD), “novos” retardadores de chama bromados (BFRs), ésteres de organofosforados (OPEs) e hidrocarbonetos aromáticos (PAH). Materiais de polifluoroalquil (PFAS) e bifenilos policlorados (PCBs).

Os autores observaram que alguns PBDEs fabricados comercialmente são classificados como POPs pela Convenção de Estocolmo do PNUMA, assim como os PCBs, alguns PFAS e HBCDD.

Enquanto isso, alguns PAHs foram classificados como cancerígenos para humanos, e alguns PEUs estão sendo considerados para restrição ECA.

Os pesquisadores explicam que os retardadores de chama bromados (BFRs) e OPEs (OPEs) são usados ​​em muitos países para atender aos regulamentos de segurança contra incêndio em aplicações como equipamentos elétricos, isolamento de edifícios, tecidos para móveis e espumas.

Os PAHs são emitidos em processos de combustão associados a combustíveis de hidrocarbonetos, enquanto os PCBs são usados ​​em vedantes de edifícios e janelas e em equipamentos elétricos.

READ  Vídeo impressionante mostra uma enorme bola de fogo iluminando o céu noturno sobre os Estados Unidos

Os PFAS, também conhecidos como “produtos químicos eternos”, são ingredientes importantes em certos tipos de espumas de combate a incêndios, bem como em muitos produtos de consumo, como panelas antiaderentes, roupas à prova d’água e cosméticos.

Os autores levantaram a hipótese de que a presença de PBDEs nas amostras de poeira da ISS poderia ser causada por retardadores de fogo inorgânicos, que são usados ​​para prevenir a ignição de tecidos e teias.

Os cientistas observaram que a Estação Espacial Internacional tem “um ambiente interno único habitado por humanos por mais de 20 anos desde seu lançamento em novembro de 1998”. Eles explicaram que a exposição da espaçonave ao fogo significa que “extrema atenção é dada à inflamabilidade do conteúdo da Estação Espacial Internacional”.

Segundo o estudo, o ar dentro da Estação Espacial Internacional é constantemente reciclado, com 8 a 10 trocas por hora. Embora o sistema elimine dióxido de carbono e poluentes gasosos, não se sabe até que ponto ele pode remover produtos químicos, como retardadores de chama.

Além dos retardantes de fogo, os pesquisadores também identificaram itens “comerciais” a bordo – como câmeras, MP3 players, tablets, dispositivos médicos e roupas – como fontes potenciais de muitos dos produtos químicos que descobriram.

Embora os níveis desses poluentes excedam os de muitos lares nos Estados Unidos e na Europa Ocidental, Harrad afirmou que as concentrações desses produtos químicos “estavam geralmente dentro da faixa encontrada na Terra”.

No entanto, Harrad e seus colegas estão esperançosos de que suas descobertas possam ser um trunfo, pois os formuladores de políticas planejam um futuro que se estende cada vez mais além das fronteiras da Terra.

READ  Nova pesquisa lança luz sobre um fóssil antigo e resolve um mistério evolutivo

“As descobertas têm implicações para futuras estações espaciais e habitats, pois pode ser possível excluir muitas fontes de poluentes por meio de uma seleção cuidadosa de materiais nos estágios iniciais de projeto e construção”, concluíram.

Copyright 2023 Nexstar Media Inc. Todos os direitos reservados. todos os direitos são salvos. Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *