A FTC está apelando da decisão do juiz de permitir que a Microsoft compre a Activision

A Comissão Federal de Comércio dos EUA (FTC) disse na quarta-feira que está apelando da decisão de um juiz federal de que a Microsoft (MSFT.O) pode avançar com sua compra de US$ 69 bilhões da Activision Blizzard, fabricante de “Call of Duty”. (ATVI.O).

A vitória da Microsoft no tribunal na terça-feira, e uma subsequente reversão da autoridade de concorrência britânica, deixaram a gigante da tecnologia dois passos mais perto de encerrar seu relacionamento com a Activision, o maior negócio da Microsoft de todos os tempos.

No entanto, qualquer obstáculo regulatório pendente torna mais provável que o acordo entre a Microsoft e a Activision expire em 18 de julho sem concluir o acordo. Depois de 18 de julho, qualquer empresa estará livre para desistir do acordo, a menos que negocie uma extensão.

O processo da FTC sobre o recurso não forneceu nenhum detalhe, que será apresentado ao Tribunal de Apelações do Nono Circuito na Costa Oeste.

A Microsoft disse que vai lutar contra o recurso.

“Estamos desapontados com o fato de a FTC continuar perseguindo o que se tornou um caso claramente fraco e nos oporemos a novos esforços para atrasar a capacidade de avançar”, disse o presidente da Microsoft, Brad Smith, em comunicado por e-mail.

A FTC se recusou a comentar mais sobre o aviso de apelação.

Enquanto as empresas conseguiram na terça-feira derrubar uma liminar contra a conclusão do negócio, o juiz deixou margem de manobra impedindo-as de fazê-lo até sexta-feira, para dar tempo à FTC para apelar.

A FTC pode solicitar uma suspensão do Tribunal de Apelações para interromper o fechamento do negócio.

Em sua opinião, a juíza distrital Jacqueline Scott Corley, em São Francisco, rejeitou o argumento do governo Biden de que o acordo prejudicaria os consumidores ao dar à Microsoft, fabricante de jogos para Xbox, acesso exclusivo a jogos, incluindo o best-seller “Call of Duty”.

READ  Dell XPS 13 acaba de cair de preço para volta às aulas

A Autoridade de Concorrência e Mercados da Grã-Bretanha, que se opôs ao acordo, disse na quarta-feira que um acordo reestruturado entre a Microsoft e a Activision Blizzard pode satisfazer suas preocupações, sujeito a uma nova investigação.

“Talvez” ou “vai”?

Especialistas jurídicos dos EUA discordaram sobre se a FTC tinha bons motivos para apelar, com alguns dizendo que os tribunais de apelação tendem a ceder aos juízes sobre os fatos, e outros dizendo que o juiz Corley pode ter identificado erroneamente o padrão para impedir um acordo.

Em sua moção de 53 páginas, Corley disse que não era suficiente para a FTC argumentar que “uma fusão pode reduzir a concorrência – a FTC deve mostrar que uma fusão provavelmente reduzirá significativamente a concorrência”.

Acadêmicos jurídicos questionaram esse padrão, dizendo que a lei antitruste dos EUA exige que a FTC prove que um acordo proposto “pode” prejudicar a concorrência, não que “iria”.

Para resolver as preocupações da FTC, a Microsoft concordou em licenciar “Call of Duty” para concorrentes, incluindo um contrato de 10 anos com a japonesa Nintendo Co (7974.T), dependendo do fechamento da fusão.

Quando as agências antitruste dos EUA perdem processos de fusão no tribunal, os recursos são raros.

No entanto, a FTC apelou de uma decisão há mais de 10 anos, quando perdeu a batalha contra a compra de aveia selvagem pela Whole Foods. A agência fez um acordo com as empresas antes que o Tribunal de Apelações emitisse sua decisão.

Reportagem de Diane Bartz. Edição por Diane Craft, Lincoln Feast e Muralikumar Anantharaman

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Ele se concentrou no antitruste dos EUA, bem como nos regulamentos e legislação corporativa, com experiência cobrindo a guerra na Bósnia, eleições no México e na Nicarágua, bem como histórias do Brasil, Chile, Cuba, El Salvador, Nigéria e Peru.

READ  Veja por que o ícone de status da bateria do iPhone no iOS 16 é controverso

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *