A guerra entre Israel e o Hamas: Dezenas de milhares de palestinos migram para Rafah

RAFAH (Faixa de Gaza) – Dezenas de milhares de palestinos invadiram uma cidade já lotada no extremo sul da Faixa de Gaza nos últimos dias, segundo as Nações Unidas, para escapar. Bombardeio israelense Na Faixa central, onde autoridades do hospital disseram que dezenas de pessoas foram mortas na sexta-feira.

O ataque aéreo e terrestre sem precedentes lançado por Israel contra o Hamas deslocou cerca de 85% da população de 2,3 milhões de habitantes da Faixa de Gaza, fazendo com que um grande número de pessoas fugissem e procurassem abrigo em áreas seguras designadas por Israel e também bombardeadas pelo exército. Isto deixou os palestinos com a terrível sensação de que não existe lugar seguro no mundo Bolso pequeno.

As pessoas chegavam a Rafah em camiões, carroças e a pé. Aqueles que não conseguiram espaço nos abrigos já superlotados construíram tendas nas margens das estradas.

“As pessoas usam qualquer espaço vazio para construir barracos”, disse Juliette Touma, diretora de comunicações da UNRWA, a agência das Nações Unidas para os refugiados palestinos. “Alguns dormem em seus carros, outros dormem ao ar livre.”

A campanha alargada de Israel, que já teve lugar A maioria das regiões do norte foram arrasadasA ofensiva centra-se agora nos campos de refugiados urbanos de Bureij, Nuseirat e Maghazi, no centro de Gaza, onde aviões de guerra e artilharia israelitas destruíram edifícios.

Mas a luta aconteceu E não acalmou no norteA cidade de Khan Yunis, no sul, onde Israel acredita que os líderes do Hamas se escondem, também é um campo de batalha violento. Os militantes continuaram a disparar foguetes, principalmente contra o sul de Israel.

A guerra já matou Mais de 21.500 palestinosA maioria deles são mulheres e crianças, e a crise humanitária que causou Um quarto da população de Gaza Morrendo de fome.

READ  Norma chega perto de Los Cabos Resorts, no México

Ashraf Al-Qudra, porta-voz do Ministério da Saúde na Faixa controlada pelo Hamas, disse na sexta-feira que outros 187 palestinos foram mortos na Faixa de Gaza no último dia. O número de mortos anunciado pelo ministério não faz distinção entre civis e combatentes.

As autoridades israelitas ignoraram os apelos internacionais por um cessar-fogo, dizendo que seria uma vitória para o Hamas, que o exército prometeu desmantelar. Também se comprometeu a devolver mais de 100 reféns que ainda estavam detidos pelos militantes. O ataque de 7 de outubro ao sul de Israel Isso desencadeou a guerra. O ataque matou cerca de 1.200 pessoas, a maioria delas civis.

O exército afirma que 168 de seus soldados foram mortos desde o ataque Ataque terrestre parecer.

Reação de palestinos feridos após um ataque israelense a Al-Zawaida, centro da Faixa de Gaza, quinta-feira, 28 de dezembro de 2023. (AP Photo/Mohammed Asad)

Um fluxo de pessoas deslocadas

As Nações Unidas afirmaram na quinta-feira que cerca de 100 mil pessoas chegaram a Rafah, ao longo da fronteira com o Egito, nos últimos dias. Este afluxo aglomera mais pessoas numa das áreas mais densamente povoadas de Gaza.

Israel pediu aos residentes do centro de Gaza que se dirigissem para sul, mas mesmo com o afluxo de pessoas deslocadas, Rafah não foi poupada.

Um ataque na noite de quinta-feira destruiu um prédio residencial, matando pelo menos 23 pessoas, de acordo com a assessoria de imprensa do hospital vizinho do Kuwait.

No hospital, os moradores correram para receber uma criança que estava com o rosto cheio de poeira e chorando enquanto os médicos abriam uma peça da roupa do Mickey Mouse para verificar se havia ferimentos.

Shorouk Abu Aoun fugiu dos combates no norte de Gaza há um mês e refugiou-se na casa da sua irmã, localizada perto do ataque de quinta-feira.

Falando no hospital para onde os mortos e feridos foram levados, Abu Aoun disse: “Eles foram deslocados do norte e viemos para cá onde (o exército israelense) disse que o lugar era seguro.” “Gostaria que tivéssemos sido martirizados lá (no norte de Gaza) e não tivéssemos vindo para cá.”

Ataques no centro de Gaza

Moradores disseram na sexta-feira que muitas casas foram atingidas durante a noite em Al-Nuseirat e Al-Maghazi, e que ocorreram combates ferozes em Al-Bureij. O Hospital dos Mártires Al-Aqsa, em Deir al-Balah, disse ter recebido os corpos de 40 pessoas, incluindo 28 mulheres, mortas nos ataques.

“Eles estão espancando por toda parte”, disse Saeed Mustafa, um palestino de Nuseirat. “Famílias estão sendo mortas em suas casas e nas ruas. Estão sendo mortas em todos os lugares.”

Israel disse esta semana que era Expandindo o seu ataque terrestre ao centro de Gazavisando um cinturão de bairros populosos construídos para abrigar algumas das centenas de milhares de refugiados palestinos que fugiram da guerra de 1948 que se seguiu à criação de Israel.

Israel atribui o elevado número de mortos ao Hamas, que acusa de o plantar no seio da população civil, dizendo que as suas forças encontraram armas e munições. Túnel subterrâneo Poços em edifícios residenciais, escolas e mesquitas.

Mas mesmo os Estados Unidos, o aliado mais próximo de Israel, instaram o país a tomar mais precauções para poupar os civis e permitir a entrada de mais ajuda. Israel diz que alerta os civis de várias maneiras contra a saída das áreas que visa e que tem trabalhado para ser mais preciso nas suas ordens de evacuação.

Ajudando uma menina palestina ferida após um ataque israelense a Al-Zawaida, no centro da Faixa de Gaza, quinta-feira, 28 de dezembro de 2023. (AP Photo/Mohammed Asad)

Ajudando uma menina palestina ferida após um ataque israelense a Al-Zawaida, no centro da Faixa de Gaza, quinta-feira, 28 de dezembro de 2023. (AP Photo/Mohammed Asad)

Israel condena o ataque a um campo de refugiados

Os civis sofrem pesadas perdas nos combates. No domingo, Um Um ataque israelense ao campo Al-Maghazi Matou pelo menos 106 pessoas, segundo registros hospitalares, um dos ataques mais sangrentos da guerra.

Numa análise inicial do ataque, os militares israelitas afirmaram que edifícios próximos do alvo também foram atingidos e que “provavelmente causou danos não intencionais a civis adicionais não envolvidos”. Num comunicado divulgado na quinta-feira, o exército disse que lamentava os danos causados ​​aos civis e que aprenderia com o incidente.

O porta-voz do governo, Elon Levy, disse à Sky News britânica que a munição errada foi usada no ataque, levando a um “erro infeliz”.

“Isso não deveria ter acontecido”, disse ele.

Israel raramente comenta ataques específicos e raramente admite qualquer irregularidade, mesmo quando civis são mortos.

___

Magdy relatou do Cairo. A redatora da Associated Press, Tia Goldenberg, contribuiu para este relatório de Tel Aviv, Israel.

___

Encontre mais cobertura AP em https://apnews.com/hub/israel-hamas-war.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *