A guerra entre Israel e o Hamas: Netanyahu promete invadir Rafah “com ou sem acordo”

Tel Aviv, Israel (AFP) – O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, prometeu nesta terça-feira lançar uma incursão na Cidade de Gaza, no sul da Faixa de Gaza. RafaCentenas de milhares de palestinianos estão a refugiar-se para escapar à guerra que já dura há quase sete meses, numa altura em que as negociações de cessar-fogo entre Israel e o Hamas parecem estar a ganhar impulso.

As declarações de Netanyahu vieram horas atrás Secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken Ele deveria chegar a Israel para avançar nas negociações de trégua – que parecem ser uma das mais sérias rondas de negociações entre Israel e o Hamas desde o início da guerra. O acordo visa libertar os reféns, proporcionar algum alívio à população e evitar o ataque israelita a Rafah e os potenciais danos aos civis locais.

Netanyahu disse que Israel entraria em Rafah, que Israel diz ser o último reduto do Hamas, independentemente de ser alcançado um acordo de trégua para libertar os reféns. As suas declarações parecem ter como objectivo apaziguar os seus parceiros governamentais nacionais, mas não ficou claro se teriam algum impacto em qualquer acordo alcançado com o Hamas.

Netanyahu disse, de acordo com um comunicado divulgado pelo seu gabinete: “A ideia de que iremos parar a guerra antes de alcançar todos os seus objetivos é impensável”. Ele acrescentou: “Entraremos em Rafah e eliminaremos as brigadas do Hamas, com ou sem acordo, para alcançar uma vitória abrangente”.

Os Estados Unidos afirmaram repetidamente que se opõem à operação Rafah até que Israel apresente um plano credível para evacuar e proteger cerca de 1,5 milhões de pessoas que procuram abrigo no país.

READ  Número de mortos aumenta no Irã à medida que protestos se intensificam

Blinken, que falava na Jordânia antes de se dirigir a Israel, disse que o “foco” agora está na melhoria da situação humanitária e na obtenção de um acordo de cessar-fogo que devolverá os reféns israelitas à sua terra natal. Ele disse que Israel apresentou uma “proposta forte” e apelou ao Hamas para responder.

“Chega de atrasos. Chega de desculpas. Agora é a hora de agir”, disse ele. “Queremos ver este acordo integrado nos próximos dias”.

Netanyahu enfrenta pressão dos seus parceiros no governo para não avançar com um acordo que possa impedir Israel de invadir Rafah. O seu governo poderá ser ameaçado se ele concordar com o acordo, porque membros do gabinete de linha dura apelaram a um ataque a Rafah.

Na terça-feira, Netanyahu reuniu-se com um desses parceiros, o ministro da Segurança Nacional Itamar Ben Gvir, segundo o gabinete do ministro, que disse que Netanyahu lhe prometeu que “Israel entrará em Rafah, prometeu que não pararemos a guerra e prometeu que não ser um negócio imprudente.”

Com mais de metade da população de Gaza de 2,3 milhões Abrigo em RafahA comunidade internacional, incluindo o maior aliado de Israel, os Estados Unidos, alertou Israel contra qualquer ataque que pudesse colocar os civis em perigo.

Netanyahu fez um discurso na terça-feira Fórum Tikva, um pequeno grupo de famílias de reféns que difere do grupo principal que representa as famílias dos prisioneiros israelenses. O fórum indicou que preferiria ver o Hamas esmagado por causa da liberdade dos seus entes queridos. A maioria das famílias e os seus apoiantes manifestam-se aos milhares todas as semanas por um acordo que devolveria os reféns à sua terra natal, dizendo que deveria ter precedência sobre a acção militar.

READ  A viagem de Schultz foi ofuscada por preocupações sobre a dependência alemã da China

A coligação de Netanyahu consiste em partidos religiosos nacionalistas e conservadores extremistas, e os críticos do líder israelita dizem que a sua tomada de decisões durante a guerra foi motivada por considerações políticas e não por interesses nacionais, o que Netanyahu nega. O seu governo poderá entrar em colapso se uma das partes que se opõem ao acordo se retirar, um cenário que Netanyahu tentará evitar dado que o seu apoio diminuiu nas sondagens de opinião desde o início da guerra, embora tenha registado um ligeiro aumento gradual.

O Ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, que dirige o partido extremista Religioso Sionista, disse na segunda-feira que procura a “aniquilação total” dos inimigos de Israel, numa aparente referência ao Hamas, numa parte gravada das suas declarações num evento que marcou o fim do Feriado da Páscoa judaica. Que foi transmitido pela mídia israelense.

“Você não pode fazer metade do trabalho”, disse ele.

O actual acordo em discussão, mediado pelos Estados Unidos, Egipto e Qatar, prevê a libertação de dezenas de reféns em troca de uma cessação dos combates durante seis semanas como parte de uma fase inicial, de acordo com uma autoridade egípcia e meios de comunicação israelitas. Centenas de prisioneiros palestinos detidos por Israel também serão libertados, alguns deles cumprindo penas longas.

Blinken, que se reuniu com líderes regionais na Arábia Saudita e na Jordânia antes de chegar a Tel Aviv na terça-feira, instou o Hamas na segunda-feira a aceitar a última proposta, chamando-a de “muito generosa” por parte de Israel.

Mas ainda há um ponto crítico sobre o que acontecerá a seguir. O Hamas exigiu garantias de que a eventual libertação de todos os reféns poria fim completo ao ataque israelita a Gaza, que durou quase sete meses, e à retirada das suas forças da devastada Faixa. Israel ofereceu apenas uma longa pausa e prometeu retomar a sua ofensiva assim que a primeira fase do acordo terminar. A questão prejudicou repetidamente os esforços dos mediadores durante meses de conversações.

READ  Satélite espião norte-coreano: o ministro disse que o Japão está pronto para derrubar mísseis, se necessário

A guerra estourou entre Israel e o Hamas porque… Um ataque sem precedentes em 7 de outubro no sul de Israel Os militantes mataram cerca de 1.200 pessoas, a maioria civis, e sequestraram cerca de 250 reféns. Israel diz que militantes estão presentes Ele ainda mantém cerca de 100 reféns E os restos mortais de mais de 30 outras pessoas.

A guerra em Gaza levou à morte de mais de 34 mil palestinos. De acordo com autoridades de saúde locais. A guerra deslocou cerca de 80% dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza das suas casas, causou destruição generalizada em muitas vilas e cidades e deslocou o norte de Gaza. À beira da fome.

___

Lee relatou de Amã, Jordânia.

Acompanhe a cobertura da AP sobre a guerra em https://apnews.com/hub/israel-hamas-war

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *