A guerra entre Israel e o Hamas: O que impediu a resolução da ONU sobre Gaza?

NAÇÕES UNIDAS (AP) – A adoção pelo Conselho de Segurança de uma nova resolução da ONU para estimular a tão necessária ajuda a Gaza foi paralisada por duas questões importantes para os Estados Unidos: sinalizar a cessação das hostilidades e exigir inspeções da ONU. Caminhões para garantir que realmente transportam bens humanitários.

Vote a resolução patrocinada pelos países árabes Foi adiado pela primeira vez para segunda-feiraFoi adiado novamente para quarta-feira, enquanto os membros do conselho continuavam negociações intensas para evitar novamente um veto dos EUA.

“Ainda estamos trabalhando nas modalidades da resolução”, disse John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, na tarde de terça-feira, quando a votação ainda estava marcada para as 17h. “É importante para nós que o resto do mundo compreenda o que está em jogo aqui e o que o Hamas fez em 7 de outubro e como Israel tem o direito de se defender contra essas ameaças.”

Foi cancelado porque os Estados Unidos solicitaram mais tempo e está agora programado para ocorrer após uma reunião aberta do conselho, seguida de consultas fechadas sobre a missão política da ONU no Afeganistão, na manhã de quarta-feira.

O projecto de resolução sobre a mesa na manhã de segunda-feira pedia uma “cessação urgente e sustentada das hostilidades”, mas essa linguagem foi atenuada num novo projecto distribuído na terça-feira.

A resolução apela agora “à cessação urgente das hostilidades para permitir o acesso humanitário seguro e desimpedido, e à tomada de medidas urgentes no sentido de uma cessação sustentável das hostilidades”.

No passado, os Estados Unidos opuseram-se à linguagem relativa à cessação das hostilidades, e diplomatas, falando sob condição de anonimato porque as discussões eram privadas, disseram que este continua a ser um problema para os americanos.

READ  Cientistas filmam o peixe mais profundo já visto no fundo do mar no Japão

A resolução também apela ao Secretário-Geral da ONU, António Guterres, para estabelecer um mecanismo para monitorizar a entrega de ajuda a Gaza. Diplomatas disseram que isto também é um problema porque contorna as actuais inspecções israelitas à entrada de ajuda na região.

o Em 8 de dezembro, os Estados Unidos vetaram a resolução do Conselho de Segurança Apoiado por quase todos os outros membros do Conselho e dezenas de outros países que exigem um cessar-fogo humanitário imediato em Gaza. A Assembleia Geral de 193 membros aprovou por esmagadora maioria uma resolução semelhante em 12 de dezembro, por 153 votos a 10, com 23 abstenções.

Na sua primeira acção unificada em 15 de Novembro, com a abstenção dos Estados Unidos na votação, a Organização de Cooperação Islâmica tomou medidas unificadas. O Conselho de Segurança tomou uma decisão Ele apelou a uma “trégua humanitária urgente e alargada” nos combates, à entrega desimpedida de ajuda aos civis e à libertação incondicional de todos os reféns.

Os Estados Unidos apelaram repetidamente à condenação dos ataques surpresa do Hamas em 7 de Outubro ao sul de Israel e ao reconhecimento do direito de Israel à autodefesa, que não foi incluído em nenhuma das resoluções adoptadas – ou no projecto final anterior. o Conselho.

O presidente israelense, Isaac Herzog, disse durante uma conferência de imprensa com embaixadores na terça-feira que Israel está “pronto para outra trégua humanitária e ajuda humanitária adicional, a fim de permitir a libertação dos reféns”.

Mas a embaixadora Lana Nusseibeh, dos Emirados Árabes Unidos, representante árabe no conselho de 15 membros, disse na terça-feira que a nova resolução deveria ir “um pouco mais longe” do que a emitida em 15 de novembro.

READ  Depois da Lua, Índia lança foguete para estudar o Sol

As resoluções do Conselho de Segurança são importantes porque são juridicamente vinculativas, mas na prática muitas partes optam por ignorar os pedidos de acção do Conselho. As resoluções da Assembleia Geral não são juridicamente vinculativas, embora constituam um importante barómetro da opinião pública global.

Quase 20 mil palestinos foram mortos, segundo o Ministério da Saúde de Gaza, desde que Israel declarou guerra ao Hamas após os ataques surpresa de 7 de outubro que mataram cerca de 1.200 pessoas – a maioria delas civis. Os militantes assumiram Cerca de 240 reféns Regresso a Gaza.

O Hamas controla a Faixa de Gaza Ministério da Saúde Não faz distinção entre mortes de civis e combatentes. Há milhares de palestinos enterrados Sob os escombros Gaza, segundo estimativas das Nações Unidas.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *