A imagem em alta velocidade da tempestade mostra como os pára-raios funcionam

Uma imagem de alta velocidade de pára-raios em ação durante uma tempestade elétrica em São José dos Campos, Brasil, ajuda os cientistas a entender como os dispositivos competem para atrair raios e Mantenha os edifícios protegidos contra danos.

A imagem mostra um raio viajando em direção à Terra a 230 milhas por segundo, de acordo com os pesquisadores. A análise deles foi das reações do para-raios ao raio Publicados Em Cartas de Pesquisa Geofísica em dezembro de 2022.

Quando o raio estava a cerca de 30 metros do solo, “pára-raios e objetos altos em telhados próximos produziram descargas ascendentes positivas, competindo pelo contato com o impacto descendente”, disse o principal autor do estudo, Marcelo Saba, pesquisador no Brasil. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, na FAPESP lançar.

Saba acrescentou: “A imagem final foi obtida por condução 25 milissegundos antes de um raio atingir um edifício”.

Os pára-raios foram inventados por Benjamin Franklin em meados do século XVIII. É um metal (geralmente cobre) usado para dispersar com segurança cargas elétricas no solo, De acordo com a Britannicaem vez de permitir que eles atinjam estruturas que poderiam facilmente pegar fogo. (Luckilpara o Sr. Franklin, O raio provavelmente era menos comum do que é hoje.)

Embora houvesse mais de 30 pára-raios na área de tiro, Saba disse que um defeito em sua instalação permitiu que um raio atingisse uma chaminé, causando uma descarga de 30.000 A que danificou a estrutura.

O raio está procurando o caminho de menor resistência em direção à Terra, não o mais direto, daí sua forma em zigue-zague. É também por essa razão que uma descarga é tão feliz em um desafortunado limpador de chaminés quanto pousar em um pára-raios.

READ  A lua cheia gigante em julho será a maior e mais brilhante lua em 2022

O raio é basicamente uma faísca elétrica na atmosfera. Conforme observado pela NOAA, Quando há grandes cargas opostas na atmosfera, o ar perde suas propriedades isolantes e o ar se inflama com um raio. (É por isso que você não precisa de uma tempestade para que o raio ocorra; ele também pode surgir de erupções vulcânicas e explosões nucleares.)

Na imagem, pode-se ver os para-raios em pelo menos três edifícios diferentes tentando se conectar à descarga do raio descendente. À medida que um raio cai do céu, várias hastes e objetos longos produzem cargas ascendentes para conectá-los aos parafusos.

Você pode tentar 40.000 vezes para obter a mesma imagem, mas ainda não pode competir com 40.000 fps. Combinado com uma rápida aula de ciências, é uma visão muito interessante.

Mais: Relâmpago recorde apenas pairou no céu por 17 segundos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *