A Itália abriga 11 das mais de 100 “esquadras de polícia” chinesas não oficiais. Itália

A Itália abriga o maior número de “esquadras de polícia” chinesas não oficiais entre mais de 100 em todo o mundo, afirma um relatório de um grupo espanhol de direitos civis.

Duas autoridades chinesas locais de segurança pública supostamente usaram a cidade de Milão, no norte da Itália, como um campo de testes europeu para uma estratégia policial para monitorar residentes chineses no exterior e forçar os dissidentes a voltar para casa.

A Safeguard Defenders, com sede em Madri, informou em setembro que 54 dessas estações estavam localizadas em todo o mundo, levando a investigações policiais em pelo menos 12 países, incluindo Canadá, Alemanha e Holanda.

dentro Relatório Postado na segunda-feira, o grupo de direitos civis disse ter identificado 48 estações adicionais, 11 das quais na Itália. Ela acrescentou que outras estações recém-identificadas estão na Croácia, Sérvia e Romênia.

As paradas italianas são em Roma, Milão, Bolzano, Veneza, Florença, Prato – uma cidade perto de Florença que abriga a maior comunidade chinesa na Itália – e na Sicília.

A China disse que os escritórios são apenas “postos de serviço” criados para ajudar os cidadãos chineses com procedimentos burocráticos, como renovação de passaporte ou carteira de motorista.

A investigação da Safeguard Defenders foi baseada em declarações e dados chineses disponíveis publicamente e foi limitada a estações instaladas por autoridades locais de segurança pública chinesas em países com uma grande comunidade chinesa.

A Safeguard Defenders afirmou que, embora as estações não estivessem sendo administradas diretamente por Pequim, “algumas declarações e políticas estão começando a mostrar uma orientação mais clara do governo central para encorajar seu estabelecimento e políticas”.

O grupo de direitos civis afirma que delegacias de polícia não oficiais são usadas pela China para “assediar, ameaçar, intimidar e coagir os alvos a retornar à China para perseguição”.

READ  Alemanha concordou em enviar armas pesadas para a Ucrânia após uma grande mudança de política

O grupo diz ter evidências de intimidação – ao contrário do canal oficial de extradição – sendo usado para coagir pessoas da Itália a voltar para casa, inclusive contra um operário acusado de desvio de dinheiro que voltou à China após 13 anos na Itália e desapareceu sem deixar vestígios .

“Monitoramos os dados chineses e, em abril, encontramos informações do Ministério da Informação que mostravam que 210.000 pessoas foram persuadidas a retornar em apenas um ano”, disse Laura Harth, diretora de campanha da Safeguard Defenders.

Alguns dos forçados a voltar para casa incluíram alvos na Operação Fox Hunt, uma campanha lançada pelo presidente da China, Xi Jinping, aparentemente para caçar funcionários corruptos que fugiram para o exterior.

Lar de 330.000 cidadãos chineses, de acordo com dados de 2021 da agência nacional de estatísticas Istat, a Itália é um terreno fértil para a potencial influência de Pequim devido aos inúmeros acordos entre os dois países. Entre eles está um esquema conjunto de patrulhamento policial, assinado pela primeira vez em 2015, segundo o qual a polícia chinesa patrulharia as cidades italianas por períodos temporários, aparentemente para ajudar os turistas chineses.

Segundo o relatório, a primeira delegacia de polícia chinesa não oficial na Itália foi montada como “piloto” em Milão pela Agência de Segurança Pública de Wenzhou em maio de 2016, quando o Esquadrão de Assistência ao Turista fez sua estreia na Itália. Wenzhou passou a estabelecer sedes em Prato e Paris. Em 2018, logo após o acordo de patrulhamento policial ter sido fortalecido, a Qingtian Public Security também montou um escritório de “julgamento” em Milão.

“O fato de as autoridades locais chinesas terem conseguido usar esses terminais como pilotos na Itália é absolutamente chocante”, disse Harth.

Em uma declaração ao Il Foglio em setembro, o Ministério do Interior da Itália, que na época estava sob o governo de Mario Draghi, disse que as supostas delegacias não oficiais da polícia chinesa “não eram de particular interesse”.

Antes de assumir o poder em outubro, Giorgia Meloni, atual primeira-ministra italiana, era firmemente antichinesa.

O relatório observa que “apesar da presença do maior número de pontos de contato de assentamento em seu território, o governo italiano está entre os poucos países europeus que ainda não anunciaram uma investigação sobre delegacias de polícia chinesas no exterior ou as declararam ilegais”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.