A promessa de combater as mudanças climáticas é enviar dinheiro para lugares exóticos

Os países ricos reconheceram seu papel na crise e sua responsabilidade de ajudar outros países a enfrentar o custo proibitivo da gestão de emissões e os efeitos da mudança climática. Eles se comprometeram, primeiro em 2009 e novamente em 2015 sob o Acordo Climático de Paris, com uma meta coletiva: US$ 100 bilhões anuais em doações, empréstimos, investimentos do setor privado e mais até 2020.

Mais de uma década após o primeiro compromisso, os países ainda não cumpriram suas promessas. Caiu US$ 16,7 bilhões em relação à meta de US$ 100 bilhões em 2020, e espera-se que fique abaixo dela novamente quando as contribuições para 2021 e 2022 forem calculadas, de acordo com estimativas da OCDE. Não há penalidades por errar a meta, exceto pelas críticas de quem diz que os governos não estão fazendo o suficiente para combater o aquecimento global.

Esse fracasso ajudou a manter o financiamento climático no topo da agenda das conferências climáticas anuais das Nações Unidas, como a COP27 do ano passado, realizada em Sharm El-Sheikh, no Egito.

Lá, a raiva e a preocupação com o fracasso dos países ricos em cumprir a meta de financiamento ajudaram os países em desenvolvimento a obter uma concessão importante: os países desenvolvidos concordaram em trabalhar na criação de um novo fundo para cobrir os custos dos danos já causados ​​pelas mudanças climáticas. Até o momento, a maior parte do financiamento concentrou-se na redução de emissões ou na adaptação às mudanças esperadas.

“Se dissermos a nós mesmos que estamos gastando dinheiro e investindo em nosso futuro de uma forma que não fizemos, estamos cortejando o desastre.”

Os líderes mundiais reconheceram que os danos causados ​​pelas mudanças climáticas já estão superando rapidamente a capacidade desses países de se adaptar e começaram a discutir uma nova meta de financiamento climático que poderia, dizem, chegar a trilhões de dólares. Na COP 28 deste ano em Dubai, eles discutirão o tamanho da meta, quem deve contribuir e em que período de tempo, e quaisquer regras que regem como ela será cumprida.

Algumas autoridades de potenciais países receptores dizem que, antes que mais dinheiro possa começar a fluir, são necessárias definições mais claras do que conta como financiamento climático e mais transparência nos relatórios de contribuições. Mais de 100 vezes desde 2012, os países em desenvolvimento ou grupos que trabalham em seu nome pediram essas melhorias, de acordo com uma revisão da Reuters de relatórios da ONU, vídeos de reuniões climáticas e folhetos de negociação climática.

“Se dissermos a nós mesmos que estamos gastando dinheiro e investindo em nosso futuro de uma forma que não fazemos, estamos aproveitando o desastre”, disse Matthew Samuda, ministro do Ministério de Crescimento Econômico e Criação de Empregos da Jamaica.

READ  Schulz acolhe protestos contra planos de deportação – DW – 19/01/2024

“As pessoas merecem mais.”

Em todo o mundo, os doadores relataram que mais de US$ 25 bilhões em financiamento que afirmam estar relacionados à energia renovável. Pelo menos outros US$ 5,6 bilhões foram destinados a projetos que, segundo eles, ajudarão os países a se preparar ou responder a desastres relacionados ao clima. A Reuters descobriu que muitos de seus relatórios continham poucos detalhes para verificar essas alegações.

A Reuters documentou bilhões a mais entrando em projetos envolvendo combustíveis fósseis ou outras iniciativas que têm pouco ou nada a ver com a redução de emissões ou adaptação aos efeitos da mudança climática.

Quando a empresa italiana de chocolate Venchi abriu dezenas de novas lojas no Japão, China, Indonésia e em outros lugares da Ásia, obteve ajuda da SIMEST, uma empresa pública e privada que ajuda as empresas italianas a se expandirem no exterior. A Itália solicitou um investimento de capital de US$ 4,7 milhões em financiamento climático.

Um funcionário do SIMEST disse que o trabalho da agência não se concentra nas mudanças climáticas e que não está envolvido em relatórios sobre finanças climáticas na Itália. Um porta-voz do Ministério do Meio Ambiente e Segurança Energética da Itália, responsável pelos relatórios da ONU no país, disse que o projeto contém um componente climático, mas se recusou a entrar em detalhes.

Os Estados Unidos concordaram em emprestar US$ 19,5 milhões aos desenvolvedores da franquia Marriott Hotel em Cap-Haitien, Haiti. Na altura do acordo, em 2019, previa-se uma melhoria do Habitation Jouissant com mais quartos, uma piscina de beiral infinito, um restaurante no terraço e melhores instalações desportivas. Agora, o desenvolvedor Fatima Group diz que está remodelando o projeto, que se tornará uma propriedade Courtyard by Marriott.

O hotel tem vista para o mar, mas sua localização em uma encosta significa que não está ameaçado pelo aumento do nível do mar ou inundações, disse o presidente do Fatima Group, Farid Billiard. Ele disse que o Grupo Fátima pretende, no entanto, construir “infraestruturas resilientes ao clima”. Um porta-voz do Departamento de Estado disse que o empréstimo do hotel conta como financiamento climático porque o projeto inclui controle de águas pluviais e medidas de proteção contra furacões.

Um porta-voz da Marriott disse que a empresa não está envolvida nos acordos de financiamento do franqueado e não teve nenhum papel na decisão dos EUA de considerar o empréstimo como financiamento climático.

A Bélgica apoiou “La Tierra Roja”, que é sobre um ex-jogador de rúgbi que trabalha para uma empresa que limpa florestas para a indústria de papel na Argentina. Ele se apaixona por uma ativista ambiental que protesta contra produtos químicos tóxicos que poluem a água produzida por uma empresa de fabricação de papel.

READ  Uma espécie de pombo há muito perdida 'redescoberta' em Papua Nova Guiné

A Bélgica está considerando sua contribuição de US$ 8.226 – parte de uma doação maior para o filme – para o financiamento climático porque o filme aborda o desmatamento, um fator que impulsiona a mudança climática, disse Nicolas Virens Gevert, porta-voz do Ministério belga de Relações Exteriores, Comércio e Desenvolvimento.

Alguns países contam projetos que nunca aconteceram entre suas metas de financiamento climático. A França informou um empréstimo de US$ 118,1 milhões a um banco chinês para iniciativas ambientais, bem como empréstimos totalizando US$ 267,5 milhões para atualizar um sistema de metrô no México e US$ 107,6 milhões para melhorar portos no Quênia. Segundo a Agência Francesa de Desenvolvimento, cada projeto foi posteriormente cancelado sem que nenhum dinheiro fosse pago. Da mesma forma, os EUA relataram US$ 7 milhões em cobertura de seguro para um projeto hidrelétrico na África do Sul que nunca aconteceu.

Destinatários de Financiamento Climático dos EUA

Os Estados Unidos relataram US$ 9,5 bilhões em doações, empréstimos e outras contribuições para países em desenvolvimento de 2015 a 2020.

Fonte: Análise da Reuters de dados financeiros climáticos para países relatados às Nações Unidas

Autoridades francesas e americanas envolvidas nos relatórios da ONU disseram à Reuters que documentam o financiamento no ano que foi comprometido e não revisam os relatórios para corrigi-los. Não há regras que os obriguem a fazer isso.

De longe, o maior player no financiamento climático é o Japão. E de acordo com uma revisão da Reuters, emprestou pelo menos US$ 9 bilhões para projetos que continuarão a depender de combustíveis fósseis. Pelo menos alguns desses projetos aumentam as emissões em vez de reduzi-las, incluindo uma nova usina elétrica movida a carvão de 1.200 megawatts que as empresas japonesas estão construindo em Matarbari, uma ilha na costa sudeste de Bangladesh. O Japão emprestou a Bangladesh pelo menos US$ 2,4 bilhões em financiamento climático para a usina, e espera-se que esteja operacional em 2024.

Fontes de Financiamento Climático em Bangladesh

Os países ricos relataram US$ 9 bilhões em empréstimos, doações e outras contribuições para Bangladesh de 2015 a 2020 como parte de sua promessa de ajudar os países em desenvolvimento a reduzir as emissões e administrar os efeitos da mudança climática. Isso inclui US$ 2,4 bilhões em empréstimos do Japão para construir uma nova usina de energia movida a carvão.

Fonte: Análise da Reuters de dados financeiros climáticos para países relatados às Nações Unidas

Quando o Japão ajudou Bangladesh a planejar o projeto Matarbari há mais de uma década, o sistema de energia de Bangladesh estava passando por uma escassez diária de energia de 2.000 megawatts, mais de um terço de sua demanda. Isso levou a longos e frequentes períodos de falta de energia, que provocaram protestos e prejudicaram o crescimento econômico. Mohammad Hussain, chefe da Power Cell, uma divisão do Ministério de Energia de Bangladesh, disse que a nova usina ajudará a eliminar a constante falta de energia, que leva a apagões planejados.

READ  Em plena crise da Ucrânia, títulos chineses e russos pressagiam Estados Unidos e Europa

A usina adicionará 6,8 milhões de toneladas de dióxido de carbono à atmosfera a cada ano, segundo documentos da Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA), que ajudou a planejar e financiar o projeto. Isso é mais do que a cidade de São Francisco relatou em emissões para todo o ano de 2019.

Sachiko Takeda, porta-voz da Agência de Cooperação Internacional do Japão, disse que o Japão vê Matarbari como um projeto de mudança climática porque usa tecnologia japonesa que gera mais energia com menos carvão, resultando em emissões mais baixas do que a energia convencional. Os documentos da JICA que descrevem o projeto dizem que Matarbari emitirá cerca de 400.000 toneladas de emissões equivalentes de dióxido de carbono por ano em comparação com uma planta típica de seu tamanho.

Takeda disse que o Ministério das Relações Exteriores do Japão, e não a JICA, é responsável por relatar o financiamento climático às Nações Unidas.

Hiroshi Onuma, vice-diretor sênior do Departamento de Mudanças Climáticas do Ministério das Relações Exteriores do Japão, disse que o Japão está fazendo cálculos para reduzir as emissões de projetos, e uma equipe do Ministério das Relações Exteriores está avaliando os projetos antes de tomar a decisão de relatá-los para as Nações Unidas como financiamento climático. Ele se recusou a explicar por que o Japão considerou uma usina de carvão um projeto climático.

Financiar grandes projetos como o Matarbari ajudou o Japão a se afirmar como o maior financiador do financiamento climático. Ela informou US$ 59 bilhões em doações, empréstimos e investimentos de capital de 2015 a 2020 e sua intenção de continuar com níveis semelhantes de financiamento até 2025. São US$ 14 bilhões a mais que a Alemanha, que é o segundo maior financiador relatado no mesmo período.

“Esse compromisso se destaca como uma quantia significativa entre outros países desenvolvidos”, disse o Ministério das Relações Exteriores do Japão em um comunicado à imprensa de junho de 2021. “O Japão continuará a liderar os esforços globais para lidar com as mudanças climáticas.”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *