A Rússia em breve introduzirá documentos de convocação eletrônica em sua repressão aos que fogem do recrutamento, após uma votação do parlamento

  • Rússia quer fechar brechas duvidosas no recrutamento
  • As folhas de chamada serão entregues eletronicamente
  • Esta etapa ajudará movimentos futuros na Ucrânia
  • Parlamento apressa-se com as mudanças

MOSCOU (Reuters) – A Rússia está se preparando para enviar rascunhos de documentos militares eletrônicos pela primeira vez em sua história em uma tentativa de tornar mais difícil para os homens evitarem o recrutamento depois que a câmara baixa do Parlamento deu seu apoio à legislação sobre recrutamento. Terça-feira.

A medida faz parte de um esforço mais amplo de Moscou para aperfeiçoar um sistema usado para reforçar suas forças militares na Ucrânia, embora autoridades do governo digam que atualmente não há planos para forçar mais homens a lutar na Ucrânia, já que Moscou sofreu dezenas de milhares de ataques. eles. vítimas, de acordo com autoridades ocidentais.

O rascunho da nova ordem fecharia muitas das brechas exploradas pelos trapaceiros e daria à Rússia a infraestrutura organizacional para conduzir uma campanha de mobilização mais abrangente e de longo alcance, se e quando decidir fazê-lo.

As novas regras também se aplicarão às campanhas de recrutamento semestrais da Rússia para homens entre 18 e 27 anos.

A Duma Estatal, a câmara baixa, aprovou a legislação necessária em duas votações rápidas separadas na terça-feira com uma votação quase unânime.

Alguns legisladores reclamaram que as mudanças foram feitas às pressas sem lhes dar tempo suficiente para examiná-las. Alguns legisladores pró-Kremlin os criticaram por pouca oposição pública.

As mudanças ainda precisam ser aprovadas pela câmara alta do Parlamento – que também deve votar a favor por ampla margem – e pelo presidente Vladimir Putin, antes de entrarem em vigor. Ambas as etapas devem ser implementadas nos próximos dias.

READ  De iates para as Nações Unidas

A Rússia diz que mobilizou pouco mais de 300.000 homens no ano passado para ajudá-la a processar o que chama de “operação militar especial” na Ucrânia, mas agora está se concentrando em tentar recrutar soldados voluntários profissionais por meio de uma campanha publicitária.

“Precisamos melhorar e modernizar o sistema de convocação militar”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, em entrevista coletiva na terça-feira antes da votação.

A decisão inicial de introduzir a mobilização pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial levou dezenas de milhares de militares a fugir para o exterior, enquanto alguns protestos eclodiram – e foram rapidamente reprimidos – em várias cidades russas.

Sem segundo preenchimento

Peskov rejeitou as sugestões de que os planos de digitalização podem desencadear outra onda de pânico e emigração entre os jovens russos ansiosos para evitar ter que lutar na Ucrânia.

“(Este plano) não está ligado à mobilização”, disse ele, repetindo garantias anteriores de que não havia planos para uma segunda onda de mobilização.

No sistema atual, os homens visados ​​por recrutadores militares recebem intimações em papel em seus endereços registrados ou locais de trabalho, que devem assinar pessoalmente.

Às vezes, os recrutadores tinham dificuldade para entregar a papelada e verificar se tinham o endereço correto dos assinantes.

Pelas novas propostas, as convocações serão enviadas eletronicamente para a conta pessoal do potencial recruta no principal portal do governo. Será considerado entregue uma vez que tenha sido entregue eletronicamente.

De acordo com a legislação, os cidadãos que não comparecerem ao escritório de alistamento militar serão automaticamente impedidos de viajar para o exterior e enfrentarão uma série de outras restrições para complicar suas vidas na Rússia.

READ  Atualizações de notícias ao vivo: Rússia e Ucrânia estão prestes a concordar em estender o acordo

O Kremlin prometeu no ano passado corrigir “erros” em sua campanha inicial de mobilização, que tornou homens inelegíveis para o recrutamento devido à idade ou condições médicas convocados para lutar na Ucrânia.

(Reportagem de Andrew Osborne e Philip Lebedev); Reportagem adicional de Caleb Davis; Edição por Angus McSwan e Jonathan Otis

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *