A Suécia e os Estados Unidos, ambos membros da OTAN, assinaram um pacto de defesa, afirmando que fortalece a segurança regional

Prestes a aderir à NATO, a Suécia assinou um acordo de cooperação em defesa com Washington que permite aos Estados Unidos o acesso a todas as bases militares do país escandinavo, afirmando que o acordo aumentará a segurança regional.

ESTOCOLMO – Prestes a aderir à OTAN, a Suécia assinou um acordo de cooperação em defesa com Washington que permite aos Estados Unidos o acesso a todas as bases militares do país escandinavo, afirmando que o acordo fortalecerá a segurança regional.

O ministro da Defesa sueco, Pall Johnson, disse que o acordo assinado em Washington na terça-feira “criará melhores condições para que a Suécia possa receber apoio dos Estados Unidos em caso de guerra ou crise”.

Johnson disse à emissora sueca SVT que isso não significa que “todos os 17 locais serão usados”, mas “onde é militarmente importante que possam armazenar equipamento de defesa, por exemplo”.

O acordo foi assinado no Pentágono por Johnson e pelo secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, que disse que ao adicionar as capacidades das Forças Armadas suecas à OTAN, “nos tornaremos mais fortes”.

Austin disse que o acordo “envia um forte sinal de que continuamos comprometidos em enfrentar juntos os desafios de segurança”.

A ilha estrategicamente importante de Gotland para a Suécia está localizada no Mar Báltico, a pouco mais de 300 quilómetros (186 milhas) do enclave russo de Kaliningrado, no Mar Báltico.

Os Estados Unidos concluíram um acordo semelhante com o vizinho ocidental da Suécia, a Noruega, membro da NATO, em 2021, e estão actualmente a negociar tal acordo com a Finlândia e a Dinamarca, membros da NATO, dois outros países do norte.

READ  Satélite espião norte-coreano: o ministro disse que o Japão está pronto para derrubar mísseis, se necessário

A Suécia e a sua vizinha Finlândia decidiram abandonar a sua política não alinhada de longa data e candidatar-se à adesão à NATO, na sequência da invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia no ano passado. A Finlândia aderiu à OTAN em abril.

Novos membros devem ser aprovados por todos os membros atuais da aliança. A Turquia e a Hungria são os únicos dois países da OTAN que não aprovaram oficialmente o pedido de adesão da Suécia.

A Turquia atrasou a ratificação do tratado por mais de um ano, acusando a Suécia de não levar suficientemente a sério as preocupações de segurança da Turquia, incluindo a sua guerra contra militantes curdos e outros grupos que Ancara considera ameaças à segurança.

Em comentários publicados pela agência estatal Anadolu na quarta-feira, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, vinculou a ratificação da adesão da Suécia à NATO à aprovação pelo Congresso dos EUA do pedido da Turquia para comprar 40 caças F-16 e equipamento para modernizar a sua frota existente.

O pedido recebeu apoio da Casa Branca, mas enfrentou oposição no Congresso.

“Cumpri o meu dever, mas também espero algo de vocês”, disse Erdogan a um grupo de jornalistas, no regresso do Qatar, onde participou na 44.ª cimeira do Conselho de Cooperação do Golfo. Ele acrescentou: “Vocês (os Estados Unidos) devem aprovar a questão (da aeronave F-16) simultaneamente no Congresso.”

Na semana passada, o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse ter dito ao presidente turco que “chegou a hora” de permitir que a Suécia se tornasse membro da aliança militar.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *