A Suprema Corte do Reino Unido diz que a Escócia não pode realizar um referendo de independência

Suspensão

LONDRES – O Parlamento escocês não tem poder para realizar um referendo sobre a independência sem o consentimento do governo britânico, frustrando as esperanças de uma segunda votação no ano que vem sobre se os escoceses querem deixar o Reino Unido.

A decisão foi emitida pela Suprema Corte da Grã-Bretanha na quarta-feira, que determinou que o parlamento escocês não poderia legislar sobre o assunto.

O tribunal ficou do lado do governo britânico, que argumentou que “assuntos fundamentais” – como o destino da União – foram mantidos no poder pelo Parlamento britânico sentado no Palácio de Westminster, em Londres.

O governo britânico – liderado pelo primeiro-ministro Boris Johnson, Liz Truss e agora Rishi Sunak – se opôs a um segundo referendo.

O líder da Escócia está buscando uma nova cédula de independência em outubro de 2023

O governo permitiu um referendo em 2014, no qual a maioria dos escoceses votou para permanecer no Reino Unido, por uma margem de 55% a 45%.

A questão da independência foi complicada dois anos após a votação de junho de 2016 sobre o Brexit – onde os escoceses apoiaram fortemente a permanência na UE, por 62% a 38%.

Johnson argumentou que o referendo de 2014 foi um voto “uma vez em uma geração” e que a questão foi resolvida.

Falando na Câmara dos Comuns na quarta-feira, Sunak chamou a decisão do tribunal de “clara e definitiva” e disse que a liderança escocesa deve se concentrar em desafios mais urgentes, como reformar o Serviço Nacional de Saúde e ajudar a economia.

A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, tem pressionado por um referendo em outubro do próximo ano. Sturgeon lidera o Partido Nacional Escocês, o maior eleitor do país, que busca a independência, e diz que há um “mandato indiscutível” para outra votação.

READ  China envia tropas à Rússia para participar do exercício "Vostok"

Seu governo deixou claro em relatórios as razões pelas quais acredita que a Escócia deveria agora ser separada – mais do que nunca – do Reino Unido. entre eles? Assim, a Escócia poderia aderir à União Europeia.

Após o veredicto Sturgeon emitiu uma declaraçãodizendo que respeita a Suprema Corte, mas acrescentando: “Não faz a lei, apenas a interpreta”.

Em um tweet, Sturgeon disse: “Uma lei que não permite que a Escócia escolha nosso futuro sem o consentimento de Westminster desmistifica qualquer ideia do Reino Unido como uma parceria voluntária e apresenta o caso Indy”, abreviação de segundo referendo.

Ela disse: “A democracia escocesa não será negada”. “A decisão de hoje bloqueia uma maneira de a Escócia ser ouvida na independência – mas em uma democracia nossa voz não pode e não será silenciada.”

Em entrevista coletiva, Sturgeon disse que a próxima eleição geral, marcada para até janeiro de 2025, deve funcionar como um “referendo de fato” sobre a independência. Como exatamente isso funcionará ainda não está claro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.