A Turquia votará em eleições cruciais enquanto o regime de Erdogan está em jogo

  • Pesquisas de opinião mostram oposição
  • O resultado sai até domingo à noite
  • A segunda etapa será realizada em 28 de maio, se não mais de 50%
  • Erdogan votou em Istambul, rival Kilicdaroglu em Ancara

ISTAMBUL, 14 Mai (Reuters) – Os turcos votaram em uma eleição importante neste domingo, prontos para derrubar o presidente Tayyip Erdogan, encerrar a trajetória cada vez mais autoritária de seu governo ou iniciar sua terceira década no poder.

A votação determinará não apenas quem lidera a Turquia, uma nação membro da Otan de 85 milhões, mas também como ela é governada, para onde sua economia está se dirigindo em meio a uma profunda crise de custo de vida e a forma de sua política externa.

As pesquisas deram ao principal adversário de Erdoğan, Kemal Kilicdaroglu, que lidera a coalizão de seis partidos, uma ligeira vantagem, com duas pesquisas na sexta-feira mostrando-o acima do limite de 50% necessário para vencer. Se nenhum deles obtiver mais de 50% dos votos no domingo, um segundo turno será realizado em 28 de maio.

As urnas para a eleição do novo parlamento encerram às 17h (14h no horário de Brasília). A lei turca proíbe o anúncio de qualquer resultado até o final do domingo, às 21h, uma boa indicação de que haverá segundo turno.

“Vejo essas eleições como uma escolha entre democracia e ditadura”, disse Ahmet Kalkan, de 64 anos, ao votar em Klikdaroglu em Istambul, ecoando os críticos que temem que Erdogan governará de forma ainda mais autocrática se vencer.

“Escolhi a democracia e espero que meu país escolha a democracia”, disse Kalkan, funcionário aposentado do departamento de saúde.

READ  Chuvas na Califórnia trazem inundações, resgates e deslizamentos de terra

Erdogan, de 69 anos e veterano de uma dezena de vitórias eleitorais, diz que valoriza a democracia e nega ser um ditador.

Explicando como o presidente ainda recebe apoio, Mehmet Akif Kahraman, pesquisador de Istambul, disse que Erdogan representa o futuro depois de duas décadas no poder.

“Se Deus quiser, a Turquia será um líder mundial”, disse ele.

Os eleitores de outras partes do país também votaram a favor e contra Erdogan, uma figura polarizadora na esperança de estender seu mandato como o governante mais antigo desde a fundação da Turquia moderna, 100 anos atrás.

A eleição ocorre três meses depois que terremotos no sudeste da Turquia mataram mais de 50.000 pessoas. Muitos nas províncias afetadas expressaram raiva pela lenta resposta inicial do governo, mas há poucas evidências de que a questão tenha mudado a forma como as pessoas votarão.

Erdogan falou com um repórter de televisão na estação de votação, apertando as mãos dos funcionários eleitorais e votando em Istambul.

“Rezamos a Deus por um futuro melhor para nosso país, nação e democracia turca”, disse ele.

Kilicdaroglu, de 74 anos, foi aplaudido pela multidão que esperava enquanto votava em Ancara.

“Ofereço meu mais sincero amor e respeito a todos os meus concidadãos que vão às urnas e votam. Todos nós sentimos muita falta da democracia”, disse ele à mídia reunida.

A votação parlamentar é uma disputa acirrada entre o Partido AK (AKP) de raízes islâmicas de Erdogan e a Aliança do Povo, que inclui o nacionalista MHP e outros, e a coalizão Nation de Kilikdaroğlu, que inclui seis partidos de oposição, incluindo seu secular Partido Republicano (CHP). Mustafa Kemal Ataturk foi o fundador da Turquia.

READ  O cadáver de um hóspede americano foi identificado no Sandals Resort nas Bahamas

A votação está sendo monitorada por uma missão da Organização para Segurança e Cooperação na Europa, que disse que entregará um relatório inicial sobre suas conclusões na segunda-feira.

Mudança ou Continuidade

Erdogan, um poderoso orador e mestre de campanha, fez todas as paradas na campanha. Ele exige lealdade feroz de turcos devotos que antes se sentiam privados de direitos na Turquia secular e sua carreira política sobreviveu a uma tentativa de golpe em 2016 e a vários escândalos de corrupção.

No entanto, a expulsão de Erdogan pelos turcos viu sua prosperidade e capacidade de atender às necessidades básicas diminuir, com a inflação subindo para 85% em outubro de 2022 e um colapso na lira.

Kilicdaroglu promete retornar às políticas econômicas ortodoxas da administração opressiva de Erdogan se vencer.

Kilicdaroglu também diz que está tentando devolver a Turquia a um sistema parlamentar de governo, longe da presidência executiva de Erdogan, que foi aprovada em um referendo de 2017. Ele também prometeu restaurar a independência do judiciário, que os críticos dizem que Erdogan usou para reprimir a dissidência. .

Erdogan controlou rigidamente a maioria das instituições da Turquia, marginalizando liberais e críticos. A Human Rights Watch, em seu Relatório Mundial 2022, observou que o governo de Erdogan atrasou o recorde de direitos humanos da Turquia por décadas.

Os eleitores curdos, que compõem 15-20% do eleitorado, desempenharão um papel importante, e é improvável que a Coalizão Nacional alcance uma maioria parlamentar sozinha.

O pró-curdo Partido Democrático do Povo (HDP) não faz parte da principal coalizão de oposição, mas continua ferozmente contra Erdogan após uma repressão a seus membros nos últimos anos.

O HDP anunciou seu apoio a Kilicdaroglu para a presidência. Ele está entrando nas eleições parlamentares sob o símbolo do partido Pequena Esquerda Verde por causa de um processo judicial movido por um procurador de alto escalão que busca banir o HDP por causa de suas ligações com militantes curdos, o que o partido nega.

READ  Notas da Semana 17 da NFL: Steelers obtêm 'A' quando o ataque explode novamente; Eagles recebem 'F' por derrota chocante para Cards

Escrito por Alexandra Hudson, edição por Frances Kerry

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *