A União Europeia diz que o corredor marítimo de Gaza pode começar no final da semana

Fonte da imagem, Imagens Getty

Comente a foto,

Ursula von der Leyen diz que o corredor marítimo para Gaza pode começar neste fim de semana

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que o corredor marítimo para Gaza poderá começar a funcionar no final desta semana para aumentar a ajuda à Faixa.

Isto acontece um dia depois de o presidente Biden anunciar que os Estados Unidos planeiam construir uma doca flutuante na costa de Gaza.

Mas o Pentágono disse na sexta-feira que a construção poderia levar até 60 dias.

As Nações Unidas afirmam que um quarto da população de Gaza está à beira da fome e que há crianças a morrer de fome no país.

Fazer chegar ajuda à Faixa de Gaza era difícil e perigoso.

Os Estados Unidos e outros países recorreram ao lançamento aéreo de ajuda à medida que as condições pioraram, mas as organizações de ajuda humanitária dizem que esta tática é um último recurso e não pode satisfazer as necessidades crescentes.

Falando em Chipre, von der Leyen disse que Gaza estava “enfrentando uma catástrofe humanitária” e que o corredor marítimo permitiria a entrega de grandes quantidades de ajuda adicional.

Uma declaração conjunta da Comissão Europeia, Chipre, EUA, Reino Unido e Emirados Árabes Unidos disse que operar um corredor marítimo seria “complexo” e que continuariam a pressionar Israel para expandir a entrega de ajuda por terra, facilitar mais estradas e abrir passagens adicionais.

O secretário de Relações Exteriores britânico, David Cameron, disse: “Continuamos a instar Israel a permitir que mais caminhões entrem em Gaza como a maneira mais rápida de entregar ajuda àqueles que dela precisam”.

Israel saudou a iniciativa e instou outros países a aderirem a ela.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores disse que a ajuda seria entregue após verificações de segurança “de acordo com os padrões israelenses”.

No entanto, o chefe da Refugees International disse à BBC que, embora a rota marítima fosse bem-vinda, era improvável que fosse capaz de entregar comida suficiente.

“Não parece que isto chegará nem perto da escala necessária para reverter a fome que Gaza está a viver agora”, disse Jeremy Konyndyk.

Israel nega ter obstruído a entrada de ajuda em Gaza e acusa as organizações humanitárias de não a terem distribuído.

A operação – que ele disse não incluiria as forças dos EUA no terreno em Gaza – permitiria que grandes navios entregassem alimentos, água, medicamentos e abrigos temporários.

O Exército dos EUA disse na sexta-feira que o porto poderia levar até 60 dias para ser concluído e que poderia levar até 1.000 funcionários para ser construído, mas nenhum deles desembarcaria.

O Pentágono afirma que os Estados Unidos pretendem fornecer dois milhões de refeições por dia aos residentes de Gaza.

Biden disse que o cais faria uma “grande diferença” na quantidade de ajuda que chega a Gaza, mas acrescentou que Israel deve “fazer a nossa parte”, permitindo mais ajuda à Faixa e “garantindo que os trabalhadores humanitários não sejam presos”. “No fogo cruzado.”

Mas um especialista independente da ONU disse na sexta-feira, numa conferência de imprensa em Genebra, que era “ridículo” para um aliado próximo de Israel recorrer a tais medidas.

Michael Fakhri, Relator Especial sobre o direito à alimentação, disse que o plano portuário seria provavelmente uma “apresentação” dirigida mais ao público interno americano à medida que a campanha presidencial dos EUA começa.

Caminhões de ajuda entraram no sul de Gaza através da passagem de Rafah, que está sob controle egípcio, e da passagem de Kerem Shalom, que está sob controle israelense. Mas o Norte, que foi o foco da primeira fase da ofensiva terrestre de Israel, ficou em grande parte sem ajuda nos últimos meses.

Estima-se que 300 mil palestinos vivam lá com pouca comida e água potável.

Biden disse na sexta-feira que “parece difícil” chegar a um acordo de cessar-fogo entre Israel e o Hamas antes do início do Ramadã, no domingo.

Esperava-se que a trégua de 40 dias ajudasse a tão necessária ajuda a entrar em Gaza.

Os militares israelitas lançaram uma campanha aérea e terrestre em Gaza após os ataques do Hamas a Israel em 7 de Outubro, nos quais cerca de 1.200 pessoas foram mortas e outras 253 foram feitas reféns.

O Ministério da Saúde na Faixa, administrado pelo Hamas, afirma que mais de 30.800 pessoas foram mortas em Gaza desde então.

READ  Depois da Lua, Índia lança foguete para estudar o Sol

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *