Aquisição da Tower Semiconductor pela Intel é bloqueada pela China

No mais recente sinal de relações comerciais tensas entre a China e os EUA, a China efetivamente bloqueou um acordo de US$ 5,4 bilhões da gigante de semicondutores do Vale do Silício Intel.

A Intel, uma empresa chinesa de longa data, disse na quarta-feira que “concordou mutuamente” em encerrar uma fusão planejada com a fabricante de chips israelense Tower Semiconductor. O anúncio veio depois que os reguladores antitruste da China não se pronunciaram sobre a transação antes do prazo estabelecido pelas empresas.

O fracasso da Intel em adquirir a Tower pode causar mais calafrios nas empresas americanas com laços profundos com a China, onde fazer negócios se tornou cada vez mais difícil em meio às tensões entre os dois países.

A fusão planejada, anunciada em fevereiro de 2022, recebeu críticas céticas nos Estados Unidos e na Europa. Mas enfrentou um longo atraso na China, onde os reguladores analisam as fusões de empresas que geram uma certa receita no país.

A tecnologia é um campo de batalha primário no tenso relacionamento econômico entre a China e os Estados Unidos.

Pequim está profundamente chateada com um conjunto de restrições internacionais lideradas pelos Estados Unidos à venda da China de sofisticados chips de computador com aplicações militares e equipamentos industriais para fazer tais chips. Essas restrições foram impostas em outubro. Em uma ação separada, o presidente Biden ordenou na semana passada a proibição de certos novos investimentos em tecnologia chinesa chave.

A China condenou a tentativa de Washington de sufocar o desenvolvimento tecnológico e desacelerar seu crescimento econômico.

Apesar das sérias tensões entre os países, suas economias são altamente interconectadas, dependentes das cadeias de suprimentos, tecnologia e dinheiro de investimento umas das outras.

READ  Pelo menos 128 pessoas morreram no terremoto no Nepal e autoridades dizem que o número pode aumentar

Para a Intel, a China é um grande mercado e local de negócios: em 2022, a empresa empregará mais de 12.000 pessoas e gerará mais de US$ 17 bilhões em receita, o que representa 27% de seu total global. Começou a fazer negócios na China em meados da década de 1980, incluindo a montagem e teste de chips feitos em outros lugares.

A Intel, que tem lutado para recuperar uma posição de liderança na tecnologia de fabricação de chips, espera que uma parceria com a Tower ajude outros projetistas de chips a acelerar sua transição para se tornarem grandes fabricantes. A Intel anteriormente fabricava principalmente chips em suas fábricas, projetava e vendia.

A Tower, que tem um escritório em Xangai, foi fundada em 1993 e opera um serviço de fabricação de chips relativamente pequeno em comparação com gigantes como Taiwan Semiconductor Manufacturing Co. A Intel pagará à Tower US$ 353 milhões por não concluir o acordo, de acordo com o comunicado da Intel.

A incapacidade da Intel de obter a aprovação de fusões na China ressalta o que pode se tornar uma escolha cada vez mais difícil para as multinacionais: elas podem ter que escolher entre operar na China ou buscar fusões e aquisições em todo o mundo. Tais preocupações podem criar um novo esfriamento no investimento estrangeiro na China, que já caiu este ano devido a preocupações geopolíticas.

A Administração Estatal para Regulamentação do Mercado, a agência do governo chinês que decide se aprova ou não fusões globais, agora “atraiu um foco desconfortável como representante do compromisso da China com o acesso ao mercado para investidores estrangeiros”, disse Han Shen Lin, diretor da China. Asia Group, uma empresa de consultoria em Washington.

READ  Irmgard Furchner, ex-secretário nazista, foi condenado por envolvimento em milhares de mortes

Antes da fundação do instituto em 2018, a Global Connections era avaliada na China principalmente por uma divisão do Ministério do Comércio, dominada por funcionários públicos com vasta experiência internacional e relações com empresas e governos estrangeiros.

Em contraste, a Administração Estatal para Regulamentação do Mercado é classificada como uma agência principalmente doméstica dentro da burocracia chinesa, e seus funcionários evitam a maior parte do contato com governos, embaixadas ou empresas estrangeiras.

Patrick Gelsinger, que se tornou o executivo-chefe da Intel no início de 2021, pressionou para adicionar os chamados serviços de fundição de chips industriais para atrair subsídios do governo dos EUA sob uma lei aprovada há um ano. Recentemente, ele viajou para a China para ajudar a obter a aprovação do negócio da torre.

“Continuamos avançando em todos os aspectos de nossa estratégia”, disse o Sr. Kelsinger disse em um comunicado na quarta-feira.

As fábricas de fabricação da Intel, ou fabs, são especializadas em processos avançados de fabricação usados ​​para fabricar microprocessadores e outros chips digitais. A Tower, por outro lado, é mais conhecida por sua tecnologia mais antiga de fabricação de chips analógicos, usados ​​para tarefas como amplificar sinais e gerenciar energia em celulares e outros produtos.

A empresa agora possui duas fábricas em Israel, duas nos EUA, três no Japão e participa de uma joint venture de fabricação na Itália.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *