As visitas de Zelensky recapturaram Kherson, onde os investigadores documentaram centenas de crimes de guerra russos.

  • Os crimes de guerra vieram à tona depois que os russos derrubaram Zelensky
  • Moradores de Kherson descrevem abusos por forças russas
  • O trabalho de desminagem e restauração de eletricidade está em andamento em Kherson
  • Combates se intensificam nas regiões orientais de Donetsk e Luhansk

KHERSON, Ucrânia, nov. 14 (Reuters) – O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, visitou a recém-recuperada cidade de Kherson, no sul, nesta segunda-feira, o maior prêmio já conquistado pelas forças ucranianas.

“Estamos avançando”, disse ele em um discurso às tropas ucranianas, agradecendo à Otan e a outros aliados por seu apoio contínuo na guerra contra a Rússia.

“Estamos prontos para a paz, a paz para o nosso país.”

Moradores da cidade aplaudiram as tropas ucranianas na sexta-feira depois que a Rússia abandonou a única capital regional que havia capturado desde que Moscou lançou sua invasão.

Zelensky disse em um discurso tarde da noite que os investigadores já documentaram mais de 400 crimes de guerra cometidos pela Rússia durante sua ocupação de oito meses.

“Os corpos de civis e soldados mortos foram recuperados”, disse ele. “O exército russo deixou para trás a mesma barbárie que fez em outras partes do país em que entrou.”

A Reuters conversou com moradores de áreas anteriormente ocupadas da região de Kherson nos últimos dias que descreveram assassinatos e sequestros de civis, mas não verificou tais relatórios de forma independente.

A Rússia nega que suas tropas tenham como alvo deliberadamente civis ou cometido atrocidades nos territórios ocupados. Covas coletivas também foram encontradas em partes da Ucrânia anteriormente ocupadas por tropas russas, incluindo alguns corpos civis mostrando sinais de tortura, que Kiev atribuiu a Moscou.

READ  Agarrando-se aos Dodgers no jogo 2 da NLDS, os Braves seguraram os Phillies em uma série equilibrada.

Reportagem de David Ljjungren, Jonathan Lande, Gleb Garanich, Pavel Polityuk e Ron Popeski; Por Michael Perry e Philippa Fletcher; Edição por Himani Sarkar e Peter Graf

Nossos padrões: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.