Atualizações ao vivo: o aumento do iene após o relatório do BoJ revisará os efeitos colaterais da política muito frouxa

Membros do governo no exílio do Turquestão Oriental, um grupo ativista de Xinjiang, reuniram-se em Washington em novembro passado © Chip Somodevilla / Getty Images

A repressão se aprofundou em toda a China em 2022, apesar da crescente atenção internacional aos abusos dos direitos humanos por parte do governo do presidente Xi Jinping, de acordo com um importante órgão de vigilância.

A Human Rights Watch, com sede nos Estados Unidos, divulgou seu último relatório global na quinta-feira, documentando a China como um dos piores violadores dos direitos humanos do mundo.

Entre as principais violações estão o contínuo “ataque” das autoridades de Pequim e Hong Kong às liberdades em Hong Kong, bem como a detenção em massa de muçulmanos uigures em Xinjiang e “severas restrições à liberdade de religião, expressão, movimento e reunião” no Tibete .

A Human Rights Watch também criticou os rígidos controles da China sobre a epidemia. O grupo disse que a política de zero Covid abandonada no final do ano passado impediu mortes e doenças relacionadas ao coronavírus, mas também “impediu significativamente o acesso das pessoas a cuidados de saúde, alimentos e outros itens essenciais”.

“Um número desconhecido de pessoas morreu após ter sido negado tratamento médico para doenças não relacionadas à Covid”, acrescentou o relatório.

O relatório mostrou que também houve pouco progresso nos direitos de mulheres e meninas, bem como de pessoas afetadas por questões de orientação sexual ou identidade de gênero.

Com relação às liberdades religiosas, a Human Rights Watch disse que “a polícia continua perseguindo, prendendo e aprisionando” líderes e membros de “igrejas domésticas”, isto é, congregações que se recusam a se filiar às igrejas católicas e protestantes oficiais.

READ  Tarifas, petróleo e moedas EUA-China

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.