Biden diz que foi informado sobre americanos desaparecidos na Ucrânia e pede que não viaje ao país

Em breves comentários a repórteres enquanto partia para um fim de semana na praia em Delaware, Biden disse repetidamente que os americanos não deveriam viajar para a Ucrânia neste momento.

“Não sabemos onde eles estão, mas quero repetir: os americanos não devem ir para a Ucrânia agora”, disse Biden em resposta a uma pergunta de MJ Lee, da CNN, na Casa Branca.

Quarta-feira, CNN informou Alexander John Robert Drwick, 39, de Tuscaloosa, Alabama, e Andy Tay Ngoc Huen, 27, de Hartselle, Alabama, estão desaparecidos há quase uma semana e teme-se que eles possam ser capturados pelas forças russas, de acordo com suas famílias e companheiros combatentes. Druik e Huynh estavam lutando ao lado das forças ucranianas ao norte de Kharkiv.
A CNN informou na quinta-feira Terceiro americano O Departamento de Estado identificado como desaparecido em ação na Ucrânia é o veterano do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, Grady Corbasi. Ele serviu no Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos por 20 anos, aposentando-se em novembro de 2021. Um amigo da família Corbasi disse à CNN que Corbasi escolheu se voluntariar ao lado das forças ucranianas, mas inicialmente não se imaginava lutando na linha de frente da guerra.

O porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, disse que o departamento estava em contato com as famílias dos americanos desaparecidos, bem como com as autoridades ucranianas e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha.

A mãe de Alexander Drake, Bani Drake, disse à CNN que o Departamento de Estado dos EUA havia dito à família de um americano desaparecido na Ucrânia que havia possíveis evidências de que Drake havia sido preso, mas eles não conseguiram verificar a foto na época.

READ  França corre risco de impasse após Macron entregar parlamento suspenso

Drwick disse a Jake Taber da CNN em “The Lead” que seu filho foi para a Ucrânia para treinar soldados lá para lutar contra a Rússia porque “sentiu que se Putin não fosse parado agora, ele ficaria mais ousado a cada sucesso, e que no no final, eles podem acabar nas praias.” Americano”.

Uma foto surgiu na quinta-feira de Drewiki e Huynh na traseira de um caminhão militar russo, aparentemente confirmando que eles foram capturados por forças russas ao norte de Kharkiv na semana passada. Um blogueiro russo postou a foto no Telegram na quinta-feira, mas a CNN não conseguiu verificar de forma independente a data em que foi tirada.

Na sexta-feira, apareceram vídeos em canais pró-Rússia e nas mídias sociais mostrando que Drewic e Huynh estão detidos em um local desconhecido. Não está claro quem os está segurando.

Em um clipe curto e sem data compartilhado no canal pró-Rússia do Telegram, ZOV Team, um homem se identificou como Drueke. Em um vídeo separado, também sem data no canal de notícias russo Izvestia, Huynh falou algumas frases.

Embora os homens não pareçam estar com problemas de saúde ou maltratados, é claro que ambos falam sob coação.

Um porta-voz do Departamento de Estado disse à CNN na sexta-feira que eles “visualizaram fotos e vídeos desses dois cidadãos americanos que teriam sido capturados pelas forças militares russas na Ucrânia”.

“Estamos monitorando de perto a situação e nossos pensamentos estão com suas famílias neste momento difícil”, disseram.

“Estamos em contato com as autoridades ucranianas, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha e as próprias famílias”, acrescentaram. “Devido a considerações de privacidade, não temos mais comentários sobre esses casos”.

READ  Somente entrada. Sem saída: ``Pequim vê mais bloqueios COVID à medida que a raiva cresce em Xangai

O porta-voz reiterou que “os cidadãos dos EUA não devem viajar para a Ucrânia devido ao conflito armado ativo e à separação de cidadãos dos EUA na Ucrânia por funcionários de segurança do governo russo, e os cidadãos dos EUA na Ucrânia devem sair imediatamente se for seguro fazê-lo usando qualquer comerciais ou outras opções de transporte terrestre.” disponíveis para o setor privado.

Na quinta-feira, Price disse que os EUA não estavam em contato com a Rússia sobre cidadãos americanos supostamente detidos porque não tinham “razões razoáveis” para acreditar que os russos os haviam capturado e também porque a Rússia não alegou tê-los capturado.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse à CNN na sexta-feira que não sabia nada sobre os combatentes americanos.

A CNN entrou em contato repetidamente com o Ministério da Defesa russo para comentar, mas ainda não recebeu uma resposta.

Esta história foi atualizada com desenvolvimentos adicionais.

Eli Kaufman da CNN, Michael Conti, Jennifer Hansler e Mick Kriever contribuíram para este relatório.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.