Biden permite que a Ucrânia ataque alvos russos com armas americanas, irritando Moscou Notícias da guerra russo-ucraniana

O secretário de Estado Blinken diz que a medida faz parte dos esforços americanos para “adaptar-se e adaptar-se” aos desenvolvimentos da guerra.

O secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, confirmou que o presidente dos EUA, Joe Biden, aliviou a proibição do uso de armas dos EUA pela Ucrânia dentro do território russo para ajudar o país a defender a região de Kharkiv, no nordeste do país, de qualquer ataque.

Falando em entrevista coletiva em Praga após uma reunião informal de ministros da OTAN na sexta-feira, Blinken disse que a aprovação de Biden veio depois que Kiev solicitou permissão de Washington nas últimas semanas.

“Isso foi diretamente para o presidente e, como vocês ouviram, ele concordou em usar nossas armas para esse propósito. No futuro, continuaremos a fazer o que temos feito, que é nos adaptar e adaptar conforme necessário”, acrescentou Blinken. .

Ele também observou que a medida de Washington representa uma mudança na política de Biden, que anteriormente se recusou a permitir que a Ucrânia usasse armas dos EUA para lançar ataques dentro da Rússia.

Blinken acrescentou que os Estados Unidos estão a responder ao que viram na região de Kharkiv, que foi alvo de novos ataques russos nas últimas semanas.

Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, está localizada a 30 km da fronteira com a Rússia.

Esta é a segunda vez este ano que Biden flexibiliza discretamente a sua política de fornecimento de armas à Ucrânia. No início deste ano, ele concordou em enviar mísseis de longo alcance, conhecidos como ATACMS, para Kiev.

A decisão dos EUA esta semana irritou as autoridades do Kremlin. Isto ocorreu numa altura em que a França e outros países europeus também indicaram que a Ucrânia seria autorizada a usar as suas armas contra alvos militares dentro da Rússia.

READ  Suspeita de envenenamento por cogumelos: mulher australiana presa por três mortes

O presidente russo, Vladimir Putin, alertou na terça-feira sobre “sérias consequências”, enfatizando a energia nuclear do seu país, se os aliados ocidentais da Ucrânia aliviarem a sua política.


A agência de notícias russa RIA Novosti citou Andrei Kartapolov, chefe do Comitê de Defesa da Câmara dos Representantes da Rússia, dizendo na sexta-feira que Moscou responderia desproporcionalmente aos ataques ucranianos em seu território usando armas fornecidas pelos Estados Unidos.

O alto funcionário de segurança russo, Dmitry Medvedev, disse que a Rússia não estava blefando quando falou sobre a possibilidade de usar armas nucleares táticas contra a Ucrânia e que o seu conflito com o Ocidente poderia evoluir para uma guerra total.

A Alemanha também sugeriu na sexta-feira que a Ucrânia poderia usar armas fornecidas por países ocidentais para atacar forças dentro da Rússia.

Um porta-voz do governo disse em comunicado que a Alemanha discutiu com seus aliados que a Rússia realizou ataques na região de Kharkiv a partir de locais na região fronteiriça russa imediatamente adjacente.

“Estamos conjuntamente convencidos de que a Ucrânia tem o direito, garantido pelo direito internacional, de se defender contra estes ataques”, disse o porta-voz. Poderá também utilizar armas fornecidas para este fim, em conformidade com as suas obrigações jurídicas internacionais. Incluindo os que fornecemos.

“É o movimento certo”

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, instou os aliados de Kiev a permitirem o uso de suas armas de longo alcance para atacar alvos em território russo em meio a uma escalada de ataques neste mês, especialmente em Kharkiv.

Um ataque russo à meia-noite (21h GMT) matou pelo menos três pessoas e feriu 16 depois que um míssil russo atingiu um prédio residencial na cidade. No fim de semana passado, 19 pessoas foram mortas após um ataque russo a uma grande loja de ferragens.

READ  O líder do Brexit, Nigel Farage, está concorrendo às eleições no Reino Unido após sua conversão

“A administração Biden percorreu um longo caminho desde ser excessivamente sensível e incompreensível quanto ao risco de escalada”, disse Alexander Vindman, tenente-coronel reformado do Exército e ex-diretor de assuntos europeus do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, à Reuters.

Ele elogiou a mudança política de Biden, que disse “desata as mãos da Ucrânia”.

“Claro, esta é a atitude certa”, disse Vindman.

A administração Biden demonstrou um padrão de inicialmente rejeitar o pedido da Ucrânia e eventualmente capitular devido aos factos no terreno, disse David DeRoches, especialista em política de defesa dos EUA no Centro de Estudos de Segurança do Próximo Oriente e Sul da Ásia.

“Há outra dinâmica aqui”, disse ele à Al Jazeera. Os ucranianos atacaram a infra-estrutura nuclear da Rússia com as suas armas. Acabaram de destruir o radar de alerta precoce de Krasnodar com um drone caseiro; Isso está muito longe da Rússia.

“No início deste ano, eles atacaram o local estratégico [Engels] Base de bombardeio… Ironicamente, permitir que a Ucrânia ataque dentro da Rússia dentro desta operação tática limitada – o preço para isso é parar os ataques ucranianos às capacidades estratégicas da Rússia.”

(Al Jazeera)

Os Estados Unidos são o maior fornecedor de armas à Ucrânia na sua batalha para repelir o exército russo, que iniciou uma invasão em grande escala do país em Fevereiro de 2022.

A decisão de Biden veio pouco depois de o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, ter dito aos ministros dos Negócios Estrangeiros da aliança que “chegou a hora” de aliviar as restrições a Kiev sobre o uso de armas e “permitir que os ucranianos se defendam verdadeiramente”.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *