Boris Nadezhdin: O rival de Putin apresenta sua candidatura à presidência russa

  • Escrito por Laura Josi e Vitaly Shevchenko
  • BBC Notícias

Comente a foto,

Boris Nadezhdin agradeceu aos seus apoiantes quando apresentou as assinaturas

O rival do Kremlin, Boris Nadezhdin, disse que coletou assinaturas suficientes para concorrer nas próximas eleições presidenciais da Rússia.

O ex-legislador tornou-se conhecido pelas suas críticas relativamente francas a Putin e à invasão russa em grande escala da Ucrânia.

Nadezhdin disse que entregou mais de 100 mil assinaturas solicitadas às autoridades eleitorais.

A Comissão Eleitoral deve agora analisar a sua candidatura.

Caso sejam constatadas “irregularidades” em alguma das assinaturas apresentadas, a comissão poderá desclassificar totalmente o candidato. A política independente Yekaterina Dontsova foi desqualificada para concorrer em Dezembro passado, quando a comissão eleitoral afirmou ter encontrado 100 “erros” no seu formulário.

O actual Presidente Vladimir Putin já se registou como candidato independente para as eleições marcadas para Março, o que quase certamente o levará a ganhar outro mandato de seis anos.

Pouco depois do prazo final para envio de assinaturas hoje, Nadezhdin postou uma foto sua em frente a várias caixas contendo papéis com as assinaturas de seus apoiadores.

Ele escreveu anteriormente no Twitter: “Este é o meu orgulho: milhares de pessoas trabalharam durante longos dias sem dormir. Os resultados das filas em que você ficou no frio intenso estão nessas caixas”.

Milhares de russos fizeram fila no frio em todo o país para adicionar a sua assinatura à lista de pessoas que apoiam a sua candidatura.

Nadezhdin, de 60 anos, membro da Duma de 1999 a 2003, foi nomeado para concorrer nas eleições pelo partido de centro-direita Iniciativa Cívica em dezembro de 2023.

Há muito tempo ele é convidado frequente em programas de entrevistas em canais de televisão estatais, onde frequentemente critica a guerra da Rússia contra a Ucrânia.

Num país onde figuras da oposição foram presas ou mesmo assassinadas, as suas recentes críticas a Putin parecem ter sido toleradas até agora.

Quando questionado sobre Nadezhdin no início deste mês, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse: “Não o vemos como um concorrente”.

Nadezhdin disse ao programa Newshour da BBC na terça-feira que “não tinha medo” de concorrer às eleições, embora também tenha dito que as eleições na Rússia “não foram livres nem justas”.

Em resposta a uma pergunta sobre as suas críticas à guerra na Ucrânia, disse que a invasão do país foi um “grande erro” que o levou a ser “arrastado”. [Russia] No caminho da tirania e do isolamento.”

“Primeiro temos que terminar de matar uns aos outros e depois haverá negociações muito longas nas fronteiras”, disse ele.

Mesmo que Nadezhdin nos permita concorrer, ainda não se sabe se ele poderá fazer campanha livremente.

Na Rússia de Vladimir Putin, os candidatos podiam anteriormente concorrer às eleições quando geralmente se presumia que não tinham hipóteses, por vezes nem sequer fazendo campanha contra o presidente em exercício.

Isto mantém uma fachada de democracia e, no caso de Nadezhdin, permitiria aos russos insatisfeitos com a “operação militar especial” descarregarem a sua raiva e frustração de uma forma que não ameace o governo de Putin.

Nos últimos anos, figuras da oposição verdadeiramente populares – como Alexei Navalny e Ilya Yashin – foram condenadas a longas penas de prisão. Outros foram mortos, como o crítico do Kremlin Boris Nemtsov, de quem Nadezhdin já serviu como conselheiro.

Vladimir Putin domina a cena política da Rússia desde 2000. Em 2020, foi aprovada uma alteração constitucional que lhe permite permanecer no poder após 2024.

Uma vitória em março o faria permanecer presidente até 2030. Depois disso, ele provavelmente serviria mais seis anos até 2036 se decidisse concorrer novamente.

Explicação em vídeo,

Assista: Putin cometeu erros, foi o que disse o rival do Kremlin em entrevista exclusiva à BBC

READ  Coreia do Sul e Estados Unidos dispararam oito mísseis em resposta aos testes de mísseis da Coreia do Norte

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *