Brasil pede calma enquanto a tensão aumenta na fronteira entre Venezuela e Guiana por causa de Essequibo | Notícias de conflito

Um navio de guerra britânico chega para exercícios de defesa com a Guiana enquanto a Venezuela lança jogos de guerra perto da área disputada.

O Brasil pediu “contenção” à medida que as tensões aumentam na disputa territorial entre a Venezuela e a Guiana, com Caracas lançando um grande exercício militar perto da disputada região de Essequibo, rica em petróleo.

“O governo brasileiro acompanha com preocupação os últimos desenvolvimentos do conflito em torno da região de Essequibo”, disse um comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores na sexta-feira.

“O governo brasileiro acredita que manifestações militares em apoio a qualquer uma das partes devem ser evitadas até que o processo de diálogo em curso possa alcançar resultados.”

O navio de guerra britânico HMS Trent também chegou à Guiana na tarde de sexta-feira, em meio ao aumento das tensões, para realizar exercícios defensivos em mar aberto em sua ex-colônia.

O Ministério da Defesa britânico disse que o navio está visitando a Guiana como parte de uma série de compromissos na região e que o navio realizará treinamento com o exército guianense.

O navio publicou em sua conta no site X fotos dos marinheiros recebendo o Embaixador Britânico na Guiana e o Chefe do Estado-Maior das Forças de Defesa da Guiana, Brigadeiro General Omar Khan. Eles também foram recebidos em um almoço oficial e fizeram um tour pelas capacidades do navio.

READ  O refém israelense libertado considera sua prisão uma "guerra psicológica"

No entanto, a visita do HMS Trent levou a Venezuela a iniciar manobras militares no dia anterior no leste do Mar das Caraíbas, perto da sua fronteira com a Guiana, enquanto o governo venezuelano pressiona a sua reivindicação de um grande território ao seu vizinho mais pequeno.

A Venezuela reivindica Essequibo há décadas, alegando que o rio Essequibo, a leste da região, forma uma fronteira natural e tem sido historicamente reconhecido como tal. O governo do presidente Nicolás Maduro também realizou um polêmico referendo em 3 de dezembro, no qual, segundo as autoridades, 95% dos eleitores apoiaram a declaração da Venezuela como legítima proprietária de Essequibo.

Desde então, ele iniciou manobras legais para criar uma província venezuelana em Essequibo e ordenou que a companhia petrolífera estatal emitisse licenças para extrair petróleo bruto na área.

As tensões crescentes aumentaram os receios na região de um possível conflito na remota região de 160.000 quilómetros quadrados (62.000 milhas quadradas).

No entanto, a Guiana, da qual mais de dois terços é Essequibo e acolhe 125 mil dos seus 800 mil cidadãos, administra o território desde que as fronteiras foram determinadas por um painel de arbitragem em 1899.

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, emergiu como um mediador de paz, determinado a evitar que a actual guerra de palavras sobre a disputada região de Essequibo se transforme em algo mais mortal.

“Se há uma coisa que não queremos é a guerra na América do Sul”, disse ele no início deste mês.

O comunicado brasileiro apelou às duas partes para que respeitem o acordo alcançado após o encontro entre Maduro e o presidente da Guiana, Irfaan Ali, no Caribe, onde prometeram não recorrer à força para resolver a disputa.

READ  Candace Owens critica Ben Shapiro, 'emocionalmente perturbado', em meio a uma rivalidade online

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *