Brent cai antes da decisão da OPEP+ sobre produção de petróleo

PEQUIM (Reuters) – Os futuros do petróleo Brent caíram nesta sexta-feira, ampliando as perdas da sessão anterior, com traders especulando se a Opep+ chegará a um acordo sobre novos cortes de produção.

Os contratos futuros do petróleo Brent caíram seis centavos, ou 0,07 por cento, para US$ 81,36 às 04h00 GMT, após terem caído 0,7 por cento no fechamento da sessão anterior.

O petróleo bruto West Texas Intermediate dos EUA caiu 66 centavos, ou 0,86 por cento, para US$ 76,44 o barril, em comparação com o fechamento de quarta-feira. Não houve acordo para o WTI na quinta-feira porque era feriado nos Estados Unidos.

Ambos os contratos estão no bom caminho para atingir o seu primeiro aumento semanal em cinco semanas, apoiados pelas expectativas de que a OPEP+, liderada pela Arábia Saudita, possa reduzir a oferta para equilibrar os mercados até 2024.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados, conhecidos como OPEP+, surpreenderam o mercado ao anunciar na quarta-feira que iriam adiar uma reunião ministerial por quatro dias, até 30 de novembro, depois de os produtores terem tido dificuldade em chegar a um consenso sobre os níveis de produção.

“O resultado mais provável agora parece ser uma extensão dos cortes atuais”, escreveu Tony Sycamore, analista de mercado da IG em Sydney, em nota.

O atraso repentino no início fez com que os futuros do Brent caíssem até 4% e os futuros do WTI até 5% nas negociações intradiárias na quarta-feira.

READ  Os preços do petróleo sobem devido à redução dos estoques dos EUA e temores de furacões

As negociações permaneceram fracas devido ao feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos

As perspectivas de curto prazo da China pareciam mais fortes, o que apoiou o sentimento do mercado.

“Os dados chineses recentes e a nova ajuda a propriedades sobrecarregadas de dívidas podem ser positivos para a direção do mercado petrolífero a curto prazo”, disse Tina Teng, analista de mercado da CMC Markets.

As ações chinesas subiram na quinta-feira devido às expectativas de que a China direcione mais estímulos ao difícil setor imobiliário.

No entanto, os analistas dizem que estes ganhos podem ser limitados pelos elevados stocks de petróleo bruto nos EUA e pelas fracas margens de refinação, levando a uma fraca procura de petróleo bruto por parte das refinarias nos EUA.

“Os desenvolvimentos fundamentais foram pessimistas à medida que os estoques de petróleo dos EUA aumentaram”, disseram analistas da ANZ em nota.

As perspectivas a longo prazo da China parecem sombrias. Analistas dizem que o crescimento da procura de petróleo pode enfraquecer para cerca de 4% no primeiro semestre de 2024, em comparação com os fortes níveis de crescimento pós-Covid-19 em 2023, uma vez que a crise do sector imobiliário do país afecta a utilização de gasóleo.

Espera-se que o crescimento da produção não pertencente à OPEP permaneça forte, uma vez que a empresa estatal brasileira de energia Petrobras planeia investir 102 mil milhões de dólares nos próximos cinco anos para aumentar a produção para 3,2 milhões de barris de petróleo equivalente por dia até 2028, contra 2,8 milhões de barris por dia em 2024.

Reportagem de Colin Howe; Editado por Sonali Paul e Stephen Coates

READ  A Amazon, um dos maiores empregadores do mundo, classificou o Conselho Nacional de Relações Trabalhistas de “inconstitucional”.

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenção de direitos de licenciamentoabre uma nova aba

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *