BRICS dá as boas-vindas a novos membros em um esforço para reformar a ordem mundial

  • O bloco inclui Arábia Saudita, Irã, Etiópia, Egito, Argentina e Emirados Árabes Unidos
  • Uma expansão poderia dar aos países BRICS influência global
  • O grupo deixa a porta aberta para maior expansão

JOANESBURGO (Reuters) – O grupo BRICS de países em desenvolvimento concordou nesta quinta-feira em aceitar a Arábia Saudita, o Irã, a Etiópia, o Egito, a Argentina e os Emirados Árabes Unidos, em uma medida que visa acelerar seus esforços para reformar a ordem global que consideram contraditória. Desatualizado.

Com a sua decisão a favor da expansão – a primeira do bloco em 13 anos – os líderes dos BRICS deixaram a porta aberta para a expansão futura, à medida que dezenas de outros países manifestaram interesse em aderir ao grupo no qual esperam alcançar condições de concorrência equitativas a nível mundial.

A expansão acrescenta peso económico ao grupo BRICS, que inclui nos seus actuais membros a China, a segunda maior economia do mundo, além do Brasil, Rússia, Índia e África do Sul. Pode também ampliar a sua ambição declarada de se tornar um defensor do Sul Global.

Mas podem persistir tensões de longa data entre os membros que querem forjar o grupo como um contrapeso ao Ocidente – especialmente a China, a Rússia e agora o Irão – e aqueles que continuam a promover laços estreitos com os Estados Unidos e a Europa.

“Esta expansão do número de membros é histórica”, disse o presidente chinês, Xi Jinping, o maior apoiante do bloco. “Isso mostra a determinação dos países BRICS em se unirem e cooperarem com os países em desenvolvimento mais amplos.”

Originalmente um acrónimo cunhado pelo economista-chefe do Goldman Sachs, Jim O’Neill, em 2001, o bloco foi estabelecido como um clube informal de quatro países em 2009 e acrescentou a África do Sul um ano depois, na sua única expansão anterior.

O presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, ao anunciar os nomes dos países durante a cimeira de líderes de três dias que organiza em Joanesburgo, disse que os seis novos candidatos se tornarão membros formais em 1 de janeiro de 2024.

READ  Três palestinos foram mortos em confrontos ferozes em Nablus

“O BRICS embarcou num novo capítulo nos seus esforços para construir um mundo justo, um mundo justo, que também seja inclusivo e próspero”, disse Ramaphosa.

“Temos um consenso sobre a primeira fase do processo de expansão e outras fases se seguirão”, acrescentou.

Amigos e aliados lideram os candidatos

Os países convidados a aderir refletem o desejo de cada membro do BRICS de trazer aliados para o clube.

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, pressionou publicamente pela anexação da vizinha Argentina, enquanto o Egito mantém relações comerciais estreitas com a Rússia e a Índia.

A entrada das duas potências petrolíferas, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, realça o seu distanciamento da órbita dos EUA e a sua ambição de se tornarem pesos pesados ​​globais por direito próprio.

A Rússia e o Irão encontraram uma causa comum na sua luta partilhada contra as sanções lideradas pelos EUA e o isolamento diplomático, com os seus laços económicos a aprofundarem-se na sequência da invasão da Ucrânia por Moscovo.

O presidente russo, Vladimir Putin, que participa remotamente da cúpula, disse na quinta-feira que “os BRICS não competem com ninguém”.

“Mas também está claro que o processo de emergência de uma nova ordem mundial ainda enfrenta adversários ferozes”.

O presidente iraniano, Ebrahim Raisi, celebrou o convite do seu país aos BRICS criticando Washington, dizendo na rede de televisão iraniana Al-Alam que a expansão “mostra que a abordagem unilateral está em vias de definhar”.

READ  Assessor de Navalny diz que ele pode estar a “dias” de ser libertado em uma troca de prisioneiros antes de sua morte

Pequim está perto da Etiópia e a sua adesão a este país reflecte o desejo da África do Sul de amplificar a voz de África nos assuntos mundiais.

Altas aspirações, baixos resultados

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, participou do anúncio de expansão na quinta-feira, refletindo a crescente influência do bloco. Ele reiterou os apelos de longa data dos BRICS para reformas do Conselho de Segurança das Nações Unidas, do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial.

“As estruturas de governação global de hoje reflectem o mundo de ontem”, disse ele. “Para que as instituições multilaterais permaneçam verdadeiramente globais, devem ser submetidas a reformas que reflitam a força e as realidades económicas de hoje.”

Os países BRICS têm economias de tamanhos muito diferentes e governos com objectivos de política externa muitas vezes divergentes, um factor complicador para o modelo de tomada de decisão consociacional do bloco.

Embora seja o lar de cerca de 40% da população mundial e de um quarto do PIB global, as divisões internas há muito que dificultam as ambições dos BRICS de se tornarem um actor importante na cena mundial.

Ela há muito é criticada por não conseguir corresponder às suas ambições maiores.

O desejo regularmente repetido dos Estados-membros de se afastarem do dólar, por exemplo, nunca se concretizou. A sua realização mais tangível, o Novo Banco de Desenvolvimento, está agora a braços com sanções contra a Rússia, um dos seus accionistas fundadores.

Mesmo quando os líderes dos BRICS contemplaram esta semana a expansão do grupo – uma medida que todos eles apoiaram publicamente – surgiram divisões quanto à extensão e velocidade.

As deliberações de última hora sobre os critérios de entrada e os países a serem convidados a aderir se prolongaram até a noite de quarta-feira.

A China de peso no bloco há muito que apela à expansão dos BRICS, à medida que procura desafiar a hegemonia ocidental, uma estratégia partilhada pela Rússia.

READ  O Havaí é o único estado dos EUA não abrangido pelo acordo de defesa da OTAN

Outros membros do BRICS apoiam a promoção de uma ordem mundial multipolar. Mas o Brasil e a Índia também estão a trabalhar para estreitar laços com o Ocidente.

O presidente brasileiro Lula rejeitou a ideia de que a União Europeia procura competir com os Estados Unidos e o Grupo dos Sete economias ricas. No entanto, ao deixar a África do Sul na quinta-feira, ele disse não ver nenhuma contradição em incluir o Irão – o arquiinimigo histórico de Washington – se isso promover a causa do mundo em desenvolvimento.

“Não podemos negar a importância geopolítica do Irão e de outros países que irão aderir aos BRICS… O que importa não é quem governa, mas a importância do país”, acrescentou.

(Reportagem de Sergio Gonçalves em Lisboa, Ethan Wang em Pequim, Vladimir Soldatekin em Moscou, Elueli Elueli em Dubai e Anthony Boudl em Brasília – Reportagem de Mohamed para o Boletim Árabe) Escrito por Joe Bavier. Edição de Toby Chopra, Emilia Sithole-Matarris e Jonathan Otis

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licenciamentoabre uma nova aba

Anait mora em Joanesburgo e faz reportagens sobre as últimas notícias da África Subsaariana. Anteriormente, ela passou mais de dois anos em Gdansk, na Polônia, cobrindo a empresa e traduzindo artigos da Reuters do inglês para o francês. Antes de ingressar na Reuters em 2020, Annette estudou jornalismo na Sciences Po em Paris e linguística na Universidade Estatal Linguística de Moscou.

Bhargav está baseado em Joanesburgo e reporta as últimas notícias na África Subsaariana. Anteriormente, ele passou três anos e meio em Bengaluru, na Índia, como parte da equipe de notícias global da Reuters. Ele possui mestrado em estudos internacionais.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *