Cessar-fogo: Israel minimiza chances de acabar com a guerra com o Hamas

TEL AVIV, Israel (AP) — Uma delegação de grupos militantes palestinos O Hamas esteve no Cairo no sábado A mídia estatal egípcia relatou “progresso significativo”. Negociações de cessar-fogo com IsraelUm responsável israelita minimizou as possibilidades de um fim total à guerra em Gaza.

A pressão para encerrar o acordo aumentou Quase 7 meses de guerra. Um alto funcionário da ONU está presente Fome total no norte de Gazaquando Israel insiste que atacará RafahA cidade fica ao sul do território, na fronteira com o Egito, onde vivem mais de 1 milhão de palestinos.

Mediadores egípcios e norte-americanos relataram sinais de reconciliação nos últimos dias, mas as perspectivas de um acordo de cessar-fogo permanecem atoladas pela questão fundamental de saber se Israel concordará em acabar com a guerra sem alcançar o seu objectivo declarado de destruir o Hamas.

O canal de TV estatal egípcio Al-Qahera News disse no sábado que foi alcançado consenso sobre várias questões controversas, mas não deu mais detalhes. O Hamas apelou à cessação total das hostilidades e à retirada de todas as forças israelitas de Gaza.

Um alto funcionário israelense, falando sob condição de anonimato para discutir as negociações em andamento, minimizou as chances de um fim total da guerra. O funcionário disse que Israel continua comprometido com a invasão de Rafah e não concordará em nenhuma circunstância com o fim dos combates como parte de um acordo para libertar os reféns.

A proposta apresentada pelos mediadores egípcios ao Hamas estabelece um processo de três fases que incluiria um cessar-fogo imediato de seis semanas e a libertação parcial dos reféns israelitas e alguma forma de retirada israelita. A fase inicial dura 40 dias. O Hamas começará por libertar mulheres reféns civis em troca de prisioneiros palestinianos detidos por Israel.

READ  Chef de Obama morre enquanto praticava paddleboarding em Martha's Vineyard

Gershon Baskin, diretor para o Oriente Médio da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Internacional, disse que o Hamas parece ter concordado com uma estrutura proposta pelo Egito e já aceita por Israel. Ele disse que se Israel enviar seus principais negociadores ao Cairo após o término do Shabat na noite de sábado, isso sinalizará que a situação é mais séria.

De acordo com autoridades locais de saúde em Gaza, a guerra matou mais de 34 mil palestinos, causou destruição generalizada e mergulhou o território numa crise humanitária sem precedentes.

O conflito eclodiu em 7 de outubro, quando o Hamas atacou o sul de Israel, raptando cerca de 250 pessoas e matando 1.200, a maioria civis. Israel diz que os militantes Eles ainda mantêm 100 reféns e os restos mortais de mais de 30 outros.

Pelo menos seis pessoas foram mortas em um ataque israelense a Gaza na manhã de sábado. Três corpos foram recuperados dos escombros de edifícios em Rafah e levados para o Hospital Yusuf Al Najjar. Três pessoas morreram no ataque ao campo de refugiados de Nusirat, no centro de Gaza, disseram autoridades do hospital.

Nas últimas 24 horas, os corpos de 32 pessoas mortas por ataques israelenses foram levados a hospitais locais, disse o Ministério da Saúde de Gaza no sábado. O ministério não faz distinção entre combatentes e civis no seu número, mas afirma que dois terços dos mortos eram mulheres e crianças.

O exército israelense afirma ter matado 13 mil combatentes, sem nenhuma evidência que apoie a afirmação. Também realizou prisões em massa durante os seus ataques dentro de Gaza.

O Ministério da Saúde de Gaza instou o Tribunal Penal Internacional a investigar Cirurgião de Gaza morre sob custódia israelense. Adnan al-Borsh, 50 anos, trabalhava no Hospital al-Awda quando tropas israelenses o invadiram em dezembro e detiveram ele e outras pessoas lá dentro, de acordo com o Clube de Prisioneiros Palestinos.

READ  Atualizações ao vivo da Ucrânia: luta se intensifica no nordeste enquanto a Rússia pressiona Kubians

Em desenvolvimentos relacionados esta semana, Israel informou funcionários do governo Biden Planos para evacuar civis antes da operação Rafah, de acordo com autoridades norte-americanas familiarizadas com as negociações.

As Nações Unidas alertaram que centenas de milhares de pessoas correrão “risco imediato de morte” se Israel avançar para a cidade densamente povoada, um ponto de entrada fundamental para a ajuda humanitária.

Os civis presos na região mais isolada do norte de Gaza estão à beira da fome, disse Cindy McCain, diretora do Programa Alimentar Mundial da ONU, na sexta-feira. McCain disse que um cessar-fogo e um aumento maciço da ajuda através de rotas terrestres e marítimas eram essenciais.

Israel abriu recentemente novas passagens para ajuda no norte de Gaza, mas na quarta-feira, os colonos israelitas bloquearam o primeiro comboio antes de entrar na área sitiada. Ao entrar em Gaza, o comboio foi comandado por combatentes do Hamas antes de funcionários da ONU o recapturarem.

___

Geoffrey relatou de Jerusalém. Os redatores da Associated Press Joseph Federman em Jerusalém e Bassem Mrou em Beirute contribuíram para este relatório.

___

Acompanhe a cobertura da AP sobre a guerra https://apnews.com/hub/israel-hamas-war

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *