Christo Grozev: Rússia coloca jornalista investigativo estrangeiro na lista dos ‘mais procurados’



CNN

Rússia Ele desenvolveu um jornalista investigativo Christo Grosef Na lista de “procurados”, de acordo com o Ministério do Interior da Rússia.

Grozev, que é búlgaro, é o principal investigador russo do Bellingcat Journalism Group.

Informações publicadas no site do ministério diziam que ele era “procurado por um artigo do código penal”, sem especificar o artigo exato.

De acordo com o Observatório independente de Direitos Humanos OVD-Info, um processo criminal foi aberto contra Grosev sobre a divulgação de “notícias falsas” sobre o exército russo.

O governo russo adotou uma lei que criminaliza a publicação do que chama de informações “intencionalmente falsas” sobre as forças armadas da Rússia no início de março, poucos dias depois que o presidente russo, Vladimir Putin, ordenou uma invasão total da Ucrânia. A pena máxima prevista na lei é de 15 anos de prisão.

Grozev informou extensivamente sobre o envolvimento da Rússia em uma série de crimes internacionais de alto perfil, incluindo 2014 derrubada do vôo 17 da Malaysia Airlines No leste da Ucrânia, 2018 foi envenenado Sergey e Yulia Skripal no Reino Unido. Moscou negou repetidamente a responsabilidade por qualquer um dos ataques.

Juntamente com a equipe líder da oposição russa Alexei Navalny e jornalistas da CNN e outros veículos, Grosev também investigou Navalny foi envenenado em 2020.

Ele se concentra em “ameaças à segurança, operações secretas extraterritoriais e armamento de informações”, de acordo com o site Bellingcat.

Desde que a invasão da Ucrânia pela Rússia começou em fevereiro, Grosev tem usado ferramentas digitais de código aberto para documentar crimes de guerra e outras atrocidades cometidas durante o conflito.

Na segunda-feira, Grozev disse que não sabia por que havia sido adicionado à lista de procurados da Rússia.

“Não tenho ideia de por que o Kremlin me colocou em sua ‘lista de procurados’ e, portanto, não posso fazer nenhum comentário neste momento. De certa forma, não importa – eles deixaram claro há anos que têm medo de nosso trabalho e não vai parar por nada para fazê-lo desaparecer.”

Coloque em O regime vem desmantelando sistematicamente a liberdade de imprensa há anos, mas a repressão a publicações e jornalistas independentes se intensificou no final de fevereiro.

Todos os meios de comunicação russos independentes restantes foram fechados e o acesso online aos que operam no exterior foi bloqueado. Publicações ocidentais e sites de redes sociais também foram banidos.

De acordo com a OVD-Info, pelo menos 370 pessoas enfrentaram processos criminais por declarações e discursos anti-guerra. O Observatório afirmou que dezenas deles fugiram da Rússia e foram colocados na lista de procurados.

READ  Macron ou Le Pen: a França enfrenta uma escolha difícil para o cargo de presidente

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *