Cientistas dizem que um verão sem gelo no Ártico é possível na próxima década Polo Norte

O Ártico poderá ver dias de verão quase sem gelo marinho durante a próxima década devido às emissões provenientes da queima de combustíveis fósseis, sugere um estudo.

Os cientistas disseram que isso transformaria o habitat único, lar de ursos polares, focas e morsas, de “branco ártico” para “azul ártico” durante os meses de verão. O cálculo utilizado para descrever “sem gelo” significa menos de um milhão de quilómetros quadrados, caso em que o Árctico seria maioritariamente água.

Resultados publicados In Nature analisa a terra e o meio ambienteEstes resultados sugerem que o primeiro dia sem gelo no Ártico pode ocorrer mais de 10 anos antes do previsto anteriormente.

Prevê-se que Setembro esteja continuamente sem gelo entre 2035 e 2067. O ano exacto dentro desse período depende da rapidez com que o mundo reduz a quantidade de combustíveis fósseis queimados.

Até ao final do século, é provável que existam condições sem gelo entre Maio e Janeiro num cenário de emissões elevadas, e de Agosto a Outubro num cenário de baixas emissões.

“Isto transformaria o Ártico num ambiente completamente diferente, de um Ártico branco de verão a um Ártico azul”, disse Alexandra Jahn, professora associada de ciências atmosféricas e oceânicas na Universidade do Colorado em Boulder e autora principal da investigação. Portanto, mesmo que as condições sem gelo sejam inevitáveis, ainda precisamos de manter as nossas emissões tão baixas quanto possível para evitar condições sem gelo durante um longo período de tempo.

Ela acrescentou que existe a possibilidade de resolver esse problema.

“Ao contrário da camada de gelo da Gronelândia, que levou milhares de anos a formar-se, mesmo que derretêssemos todo o gelo marinho do Árctico, se conseguíssemos descobrir como absorver o dióxido de carbono2 “Se o gelo marinho regressar à atmosfera no futuro para inverter a tendência de aquecimento, o gelo marinho regressará dentro de uma década”, disse Jahn.

READ  Uma rocha espacial que caiu em Marte revelou uma surpresa

Não só a vida selvagem do Ártico sofrerá com o derretimento do seu habitat; As pessoas que vivem no litoral também sofrerão. O gelo marinho reduz os efeitos das ondas oceânicas na costa, o que significa que, se for perdido, as ondas serão mais fortes e maiores e causarão mais erosão.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *