Coco Gauff perde nas semifinais do Aberto da Austrália enquanto Aryna Sabalenka chega à final

A sequência de Coco Gauff no Aberto da Austrália chegou ao fim nas semifinais na quinta-feira, quando a campeã do Aberto dos Estados Unidos, de 19 anos, enfrentou um adversário que havia provado ser demais para todos em Melbourne Park nos últimos dois anos.

Aryna Sabalenka, a contundente atual campeã da Bielo-Rússia que desmaiou diante de Gauff e 24.000 na final do Aberto dos Estados Unidos em setembro passado, passou por muitos momentos instáveis ​​​​na Rod Laver Arena. Mas Sabalenka deu o seu melhor nos momentos mais importantes, derrotando Gauff no tiebreak do primeiro set, depois recuando novamente no segundo para vencer por 7-6 (2), 6-4 e chegar à sua terceira final de Grand Slam. .

Gauff entrou na partida vindo de seu pior desempenho em muito tempo, uma vitória repleta de erros no que ela chamou de “Jogo C” nas quartas de final contra Marta Kostyuk da Ucrânia. Para isso, ela muda a saia âmbar, o top e os sapatos tecnicolor para um azul marinho mais discreto. Um visual diferente e você espera que haja um tipo diferente de performance.

Foi assim e não foi assim, foi melhor, mas não foi bom o suficiente, principalmente o saque dela. Gauff cometeu dupla falta oito vezes, um retrocesso aos seus primeiros anos na turnê. Seu segundo saque costumava ser suave e curto, permitindo que Sabalenka saltasse na quadra e acertasse o adversário.

“Eu estava acertando ela direto com meu forehand, então ela sabia para onde ir todas as vezes”, disse Gauff.

Porém, numa noite em que ambos os jogadores, especialmente Gauff, estavam longe do seu melhor, a estrela americana teve as suas oportunidades. No primeiro set, ela salvou um set point e se recuperou de uma desvantagem de 5 a 2 para sacar o set e ficou a dois pontos de vencê-lo.

READ  Resultados da Final do Quarteto Feminino 2022: Carolina do Sul e Yukon, disputam o Campeonato Nacional no domingo

Depois de quase cinco jogos de forehands na rede e backhands longos, Sabalenka ganhou vida, seus chutes atingindo o fundo da quadra e fazendo Gauff cair de joelhos para recuperá-los.

Parecia que Sabalenka havia desperdiçado sua chance de assumir a liderança nesta partida, depois de desperdiçar uma vantagem de 5-2. Agora ela voltou a ter vantagem no final do primeiro set e, desta vez, não conseguiu superar, jogando um tie-break impecável. Ela finalizou com um saque poderoso que Gauff estendeu para devolver a bola, mas só conseguiu assistir quando a bola caiu a trinta centímetros da quadra.

Sabalenka nunca havia perdido um set antes desta partida e, para a maioria de seus oponentes, ela era completamente impossível de jogar, com suas partidas às vezes terminando em menos de uma hora. Do jeito que ela estava jogando, o único jogador que iria vencê-la era ela mesma. Com Gauff aguentando firme no segundo set, evitando ficar para trás em vários jogos de serviço, a única questão era se Sabalenka entraria em colapso no final, como aconteceu tantas vezes no passado. Aconteceu contra Gauff na final do Aberto dos Estados Unidos, e é o tipo de memória recente que pode corroer um jogador.

Sabalenka sorri após sua vitória (Martin Cape/AFP via Getty Images)

Não quebrou. Mais uma vez, com Gauff prestes a assumir a liderança no final do segundo, Sabalenka voltou forte e defendeu o 3-4, depois quebrou Gauff no jogo seguinte, fazendo o que tinha feito a noite toda – acertando um segundo voleio suave. Saques e forehands em ângulos que nem mesmo Gauff consegue seguir.

Outro saque grande e irrespondível e Gauff passou ao lado e um backhand poderoso acertou a rede.

READ  Gêmeos vencem primeiro jogo da pós-temporada desde 2004

“Consegui manter o foco de qualquer maneira”, disse Sabalenka.

Ver Gauff do outro lado da rede em uma grande quadra em um dos maiores palcos do esporte não despertou nenhum pensamento negativo. Ela disse que o US Open foi um torneio muito bom para ela, uma final de Grand Slam, algo de que ela deveria se orgulhar.

“Não é uma lembrança ruim para mim”, disse Sabalenka.

A perda sem dúvida afetará Gauff. Você adora competição e odeia perder. Ela venceu 12 partidas de Grand Slam consecutivas. Depois de anos tentando cumprir a promessa que muitos esperavam dela, ela venceu seu campeonato principal em casa e cumpriu o prazo auto-imposto para ganhar um título sete meses antes de seu aniversário de 20 anos.

Antes desta vitória, ela pode estar se sentindo desanimada após a derrota no Grand Slam. Após a derrota, Gauff riu durante a coletiva de imprensa pós-jogo, zombando de si mesma em alguns momentos, brincando que não queria explicar seu plano de jogo porque não funcionou bem.

“Estou decepcionada porque me senti bem quando entrei em campo”, disse ela. “No final das contas, ela era a melhor jogadora. Ela jogou melhor esses pontos. Sinto que tenho muito a melhorar.”

Gauff pode ser dura consigo mesma, mas recentemente viu uma estatística que dizia que ela teve o mesmo número de vitórias em Grand Slam quando adolescente que Serena Williams e Jennifer Capriati, ambas com boas carreiras.

“Estou na direção certa”, disse ela. “Só preciso me lembrar da jornada, não do momento.”

Quando chegou à Austrália, ela tinha todos os motivos para acreditar que tinha as mesmas chances de ganhar outro prêmio. Em seu primeiro torneio do ano, ela defendeu seu título no ASB Classic na Nova Zelândia.

READ  Rory McIlroy diz que 'senso comum prevaleceu' na decisão judicial contra jogadores da LIV Golf Series, apoiada pela Arábia Saudita

Ela chegou a Melbourne e começou a enfrentar adversários, mas estava fazendo isso de forma discreta. Suas partidas foram disputadas no início da tarde, em uma Rod Laver Arena meio vazia, para acomodar o público da televisão americana. Sua parceira de duplas, Jessica Pegula, decidiu não jogar em duplas depois de perder no início de simples. Isso deu a Goff bastante tempo para preencher o vazio. Eu fui ao cinema. ela está lendo. Ela treinava, às vezes depois de partidas desequilibradas. Continuei ganhando.

Nas quartas de final contra Marta Kostyuk, seu jogo quase desapareceu. Ela lutou para acertar seu forehand e sacar com confiança, mas sua resistência e mentalidade ininterrupta a ajudaram a superar.

Ela sabia que não escaparia impune contra Sabalenka. Ela estremeceu e se dobrou ao errar saque após saque.

“Eu gostaria de poder oferecer um serviço melhor”, disse ela depois. “Ela vai para o segundo quando comete uma dupla falta.”

Porém, chegou a alguns pontos, e por mais frustrante que fosse para ela não jogar perto do seu melhor quando era necessário, ela se encontrava em certos momentos, no meio das trocas mais importantes, pensando “Isso é divertido. ”

Ao sair do campo, seu treinador, Brad Gilbert, disse que o sol nasceria amanhã e que ela teria outra chance de ter um bom dia.

“Amanhã, não sei”, disse Goff. “Vou tentar ir ao cinema ou algo assim, ficarei orgulhoso de mim mesmo.”

(Imagem superior: Lillian Swanrumfa/AFP via Getty Images)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *