Discordância sobre fundos de imigração permeia cúpula da UE – POLITICO

BRUXELAS – Os países da União Europeia estão disputando bilhões em dinheiro novo para lidar com a migração, à medida que os pedidos de asilo disparam e o atraso nas fronteiras do continente continua.

Alemanha que Receber Um quarto de todos os pedidos de asilo na UE em 2022, quer especificamente “revitalizar” as relações da UE com a vizinha Turquia, de acordo com um alto funcionário alemão – referindo-se à última vez que o bloco enfrentou tais níveis de migração.

Então, em 2016, a União Europeia ofereceu bilhões à Turquia em troca de moradias estatais para milhares de refugiados sírios que fugiam da guerra civil. Agora, há um pagamento pela licença até 10,5 mil milhões de euros Com dinheiro novo não só para a Turquia, mas também para países como a Líbia ou a Tunísia, na esperança de que isso os ajude a impedir que pessoas entrem na União Europeia sem permissão.

O debate entrou na agenda da cúpula dos líderes da UE em Bruxelas na quinta e sexta-feira. E os países discutem se devem se referir a uma demanda monetária nas conclusões finais da reunião, segundo cinco diplomatas e funcionários de quatro países diferentes.

A luta nos bastidores ilustra até que ponto a imigração passou a dominar a agenda política. Os organizadores da cúpula esperavam reduzir ao mínimo as discussões sobre imigração em favor de discussões sobre Rússia, China e segurança econômica. Mas com desastres de grande repercussão, como o recente naufrágio de um navio de migrantes perto da Grécia e o número de chegadas continuando a subir vertiginosamente, está se tornando cada vez mais difícil evitar esse problema delicado.

Notavelmente, o projeto conclusões Para a cimeira, que decorreu na quarta-feira à noite e foi vista pelo Politico, ficaram ainda duas referências indirectas aos novos fundos migratórios: um montante de 10,5 mil milhões de euros e outros 2 mil milhões de euros para “gerir a migração” dentro das fronteiras da União Europeia União.

READ  Os Estados Unidos declaram oficialmente que o exército russo cometeu crimes de guerra na Ucrânia

Se essa linguagem sobreviverá até sexta-feira é outra questão.

Alemanha: vamos falar sobre Türkiye, não sobre dinheiro

A Alemanha, como sempre, é um dos principais protagonistas do debate – e, neste caso, defendendo os dois lados.

Por um lado, Berlim quer renovar o relacionamento da UE com a Turquia, esperando que possa receber mais requerentes de asilo e ajudar a reduzir as travessias de fronteira não autorizadas. Em troca, os alemães querem que a UE melhore as relações comerciais com o país.

Por outro lado, no entanto, Berlim se opõe veementemente a tentar mencionar o dinheiro explicitamente nos resultados da cúpula. A lógica: comprometer novos bilhões agora colocará em risco as negociações futuras sobre a adição de € 66 bilhões ao seu orçamento. A Alemanha quer discutir todo o pacote de uma vez, em vez de concordar com partes dele antecipadamente.

Na noite de quarta-feira, o rascunho do resultado da cúpula ainda incluía a aprovação indireta de fundos.

A Alemanha, como sempre, é um dos protagonistas do debate – e, neste caso, defendendo os dois lados David Gannon/AFP via Getty Images

O documento menciona “mecanismos de financiamento” – entendidos como referência a 10,5 bilhões de euros – para “aspectos externos da migração”. Esse dinheiro irá para países como Turquia, Líbia e Tunísia, por onde os migrantes costumam passar a caminho da Europa.

Existe também uma referência indireta a 2 mil milhões de euros para gerir a migração interna na UE. O texto pede “apoio às pessoas deslocadas”, particularmente da Ucrânia, com “assistência financeira adequada e flexível aos Estados membros que arcam com o peso dos custos médicos, educacionais e de subsistência dos refugiados”. Traduzindo, isso significa mais dinheiro para os países que abrigam a maior parte dos refugiados ucranianos, como Polônia e Alemanha.

No entanto, durante uma reunião de embaixadores da UE na quarta-feira, as autoridades alemãs instaram seus colegas a cortar ou reduzir significativamente os dois corredores, de acordo com os diplomatas e os cinco funcionários, que, como os outros nesta história, receberam anonimato porque eram não é permitido falar publicamente. Discutir conversas.

READ  ITV contrata advogado para analisá-lo - Prazo

Na noite de quarta-feira, esse recurso falhou. Mas o chanceler alemão, Olaf Scholz, pode discutir o assunto pessoalmente com seus colegas na quinta-feira.

O argumento alemão é que incluir os números significaria que os líderes da UE estão essencialmente dando um grande passo para ratificar o pacote orçamentário completo – algo que a Comissão Europeia disse. obrigatório Na semana passada – antes de discutir o assunto, disseram dois funcionários.

No entanto, espera-se que a presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, apresente brevemente seu plano orçamentário de 66 bilhões de euros durante uma reunião de líderes da UE na quinta-feira, o que significa que provavelmente haverá uma discussão inicial sobre fundos, disseram autoridades.

Espera-se que os planos de Von der Leyen encontrem resistência de vários países, particularmente dos chamados países “frugais”, incluindo Áustria, Dinamarca, Holanda e Suécia.

Falando a repórteres em Berlim na quarta-feira, um alto funcionário alemão também expressou cautela sobre o plano de von der Leyen.

“Uma das perguntas é: a avaliação do comitê sobre a situação é convincente?” disse o alto funcionário, que não pôde ser identificado por causa das regras sob as quais o briefing foi organizado.

É hora de trabalhar com Erdogan novamente?

Ao mesmo tempo, o alto funcionário alemão destacou o interesse de Berlim em renovar o relacionamento da UE com a Turquia.

“[Turkish President Recep Tayyip] Erdogan foi reeleito, e esta deve ser uma oportunidade para a União Europeia dar outra olhada em seu relacionamento com a Turquia.

Presidente turco Recep Tayyip Erdogan | Adem Altan/AFP via Getty Images

“Para nós, trata-se de colocar as relações UE-Turquia de volta na agenda… e possivelmente revitalizá-las, se todas as partes quiserem se comprometer com isso”, continuou o funcionário, acrescentando que o coordenador de política externa da Comissão Europeia e da UE, Josep Borrell deve “voltar no outono com propostas.

READ  Zelensky está confiante de que a Ucrânia receberá mais apoio dos Estados Unidos

Uma ideia poderia ser uma atualização das regras comerciais entre a UE e a Turquia – uma questão espinhosa, embora as negociações entre Bruxelas e Ancara não tenham progredido na modernização da chamada união aduaneira UE-Turquia por vários anos.

Schultz manteve um telefonema com Erdogan na quarta-feira, durante o qual os dois líderes discutiram como “aumentar a cooperação e aprofundar os intercâmbios em várias questões de cooperação”, segundo Stephen Hebbestreit, porta-voz de Schultz.

Qualquer progresso nas relações UE-Turquia também exigirá o acordo dos países da UE em desacordo perene com a Turquia – Grécia e Chipre.

Nesse sentido, pelo menos, parece haver progresso: “Concordamos em incluir um parágrafo sobre a Turquia e as relações futuras”, disse um diplomata grego.

O último projeto de conclusões divulgado na noite de quarta-feira pede a Borrell e à Comissão que “informem” sobre as relações UE-Turquia “com o objetivo de avançar de maneira estratégica e voltada para o futuro”.

Barbara Moens, Jacob Hanke Villa, Lilly Baer, ​​Jacopo Paregazzi e Gregorio Sorgi contribuíram com reportagens.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *