É revelado que o Grupo Wagner está recrutando para o segundo país da OTAN

Outro país da OTAN juntou-se à Polônia para acusar o Grupo Wagner, financiado pelo Kremlin, de tentar recrutar mercenários em seu solo.

O Serviço de Segurança do Estado da Letônia (VDD) disse Newsweek O Wagner Group começou a recrutar na Letônia, afirmando ter identificado “convites diretos e indiretos” em sites de redes sociais para que residentes se juntem a grupos paramilitares.

O desenvolvimento ocorre um dia depois que as autoridades polonesas prenderam dois cidadãos russos acusados ​​de espalhar “propaganda” ligada ao Grupo Wagner, o grupo mercenário liderado por Yevgeny Prigozhin, que esteve envolvido em um levante contra o Kremlin em junho. A Polônia recentemente expressou preocupação com possíveis provocações do grupo, que está sediado na Bielorrússia desde o fim da rebelião frustrada de Prigozhin em 24 de junho.

A mídia polonesa informou na semana passada que pôsteres com o logotipo do Grupo Wagner estavam sendo distribuídos em Varsóvia e Cracóvia com a inscrição em inglês: “Estamos aqui, junte-se a nós”. Os pôsteres continham códigos QR que redirecionavam para um site russo sobre o grupo paramilitar.

Combatentes do Grupo Wagner foram vistos na cidade russa de Rostov-on-Don na noite de 24 de junho de 2023. O Grupo Wagner da Rússia começou a recrutar na Letônia, membro da OTAN, informou o serviço de segurança do país na terça-feira pela mídia local.Roman Romokov/AFP/Getty Images

Os membros da OTAN, Polônia, Lituânia e Letônia, intensificaram a segurança nas fronteiras desde a mudança do Grupo Wagner para a Bielo-Rússia.

O Serviço Secreto disse: “O VDD não descobriu cartazes de recrutamento de ‘Wagner’ semelhantes aos descobertos na Polônia ou outros materiais de propaganda do Grupo Wagner em locais públicos na Letônia.”

READ  A última morte de Alexei Navalny: ‘Corpo do crítico de Putin visto no necrotério’ enquanto a família exige que seja devolvido

O agregador de notícias báltico Delphi informou que cidadãos e não cidadãos residentes na Letônia estão proibidos de servir nas forças armadas ou em uma organização militar de outro país que ameace a segurança nacional do país e que isso é punível com até quatro anos de prisão.

Alguns membros do Grupo Wagner, que participaram do levante armado de Prigozhin na Rússia em 24 de junho, mudaram-se para a Bielo-Rússia como parte de um acordo intermediado pelo presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko. No início de agosto, ele disse que membros do Grupo Wagner estavam sendo usados ​​pelas forças armadas de Minsk para “transferir conhecimento” para as forças bielorrussas.

O chefe Wagner Prigozhin não é visto em público desde o fim da rebelião fracassada, quando deixou a cidade de Rostov-on-Don, no sul da Rússia.

A agência de notícias estatal da Rússia, RIA Novosti, divulgou um vídeo na época mostrando-o saindo de carro. O líder bielorrusso disse ter concluído um acordo com o presidente Wagner sobre a desescalada, oferecendo a ele e a seus militantes “uma opção muito lucrativa e aceitável para resolver a situação, com garantias de segurança”.

O Grupo Wagner desempenhou um papel importante ao pressionar a Rússia a tomar a cidade industrial ucraniana de Pakhmut, na região de Donetsk.

Você tem conselhos sobre uma notícia global Newsweek Você deve cobrir? Você tem alguma pergunta sobre a guerra russo-ucraniana? Conte-nos em worldnews@newsweek.com.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *