Eleições europeias: Giorgia Meloni leva a sério o voto da Itália

Fonte da imagem, Reuters/Yara Nardi

Comente a foto, Giorgia Meloni tem desfrutado de classificações estáveis ​​desde que se tornou primeira-ministra em 2022

  • autor, Laura José
  • Papel, BBC News, Roma

Os italianos começaram a votar no terceiro dia dos quatro dias das eleições europeias realizadas em 27 países da União Europeia.

Embora a votação se destine ao próximo Parlamento Europeu, a primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, espera que o resultado aumente o seu controlo sobre a política italiana. Ela até pediu aos eleitores que “apenas escrevessem Geórgia” em suas cédulas.

A maioria dos países da União Europeia vota no domingo, depois de algumas semanas tumultuadas em que dois líderes europeus e vários outros políticos foram atacados fisicamente.

Seu escritório diz que ela sofreu um ferimento leve e um suspeito foi levado sob custódia.

Os líderes de toda a Europa ficaram unidos em choque com o último ataque, no meio de uma eleição que envolveu 373 milhões de potenciais eleitores europeus.

No mês passado, o primeiro-ministro eslovaco, Robert Fico, sobreviveu a uma tentativa de assassinato e só recentemente foi autorizado a deixar o hospital. Muitas figuras políticas alemãs também foram alvo.

Estas eleições não deveriam ter impacto na política nacional, mas a realidade é muito diferente, especialmente em Itália.

Meloni, que lidera o partido de extrema-direita Irmandade da Itália, deverá ser primeira-ministra em 2022 e tomou a rara medida de colocar o seu nome no topo das votações do seu partido, embora não tenha intenção de assumir o cargo. Um assento no Parlamento Europeu.

Numa tentativa de inverter esta tendência, Salvini empurrou a retórica do seu partido para a direita.

Os cartazes eleitorais da Liga – denunciando todo o tipo de iniciativas apoiadas pela UE, desde carros eléctricos a tampas de garrafas de plástico – atraíram algum ridículo, mas também muita atenção.

Fonte da imagem, Antonio Masiello/Getty Images

Comente a foto, O discurso de Matteo Salvini coincidiu com o de seu principal candidato, o general Roberto Fanacci.

O principal candidato de Salvini, Roberto Fanacci, teve o mesmo efeito. O general do exército foi demitido depois de publicar um livro no qual expressava opiniões homofóbicas e racistas. Desde que se tornou candidato da Liga, ele redobrou seus esforços nesse sentido.

Dificilmente passa um dia sem que a mídia amplifique as mensagens de Roberto Vanacci. Isso poderia traduzir-se em votos para a Liga, mas caso contrário, poderá haver problemas para Salvini, cuja liderança começa a ser posta em causa.

O mesmo escrutínio será aplicado aos resultados do Partido Democrata, de esquerda, cuja líder Ellie Schlein espera obter 19% dos votos que obteve nas eleições de 2019 se quiser permanecer no cargo.

À esquerda, todos os olhares estarão voltados para Ilaria Salles – a autodenominada ativista antifascista, que está detida na Hungria desde 2023 sob a acusação de participar no espancamento de três homens armados de extrema direita e de pertencer a uma associação criminosa. Ela agora corre na plataforma Esquerda/Verdes.

Os italianos poderão votar até ao final da noite de domingo, quando as eleições já terminaram noutras partes da Europa.

Os Países Baixos votaram na quinta-feira, e uma sondagem de opinião realizada por assembleias de voto nos Países Baixos mostrou uma disputa acirrada entre a Aliança da Esquerda Verde, que está à frente do populista e anti-Islão Partido da Liberdade, Geert Wilders. A participação estimada de 47% foi a mais elevada desde 1989, refutando qualquer sugestão de que os eleitores estão cansados ​​de política.

READ  Um advogado disse que o ex-fuzileiro naval dos EUA pode ter sido "atraído" da China antes de sua prisão

Os eleitores irlandeses e checos foram às urnas na sexta-feira.

A Eslováquia, a Letónia e Malta também votarão no sábado, enquanto os checos votarão no segundo dia.

Vários partidos checos de diferentes grupos políticos no Parlamento Europeu formaram uma lista conjunta de candidatos como um “cordão de protecção” para confrontar os populistas do partido ANO do ex-primeiro-ministro Andrej Babis.

A Alemanha está entre os países da União Europeia que votarão no domingo, e as últimas pesquisas de opinião indicam que a União Democrata Cristã e a União Social Cristã, de centro-direita, podem superar o Partido Social Democrata liderado pelo chanceler Olaf Scholz.

O seu partido está a competir pelo segundo lugar com os parceiros da coligação, o Partido Verde e o partido de oposição de extrema-direita Alternativa para a Alemanha. A AfD esteve envolvida numa série de escândalos recentes sobre interferência estrangeira, espionagem e acusações de nazismo.

Comente a foto, Parlamento cessante da União Europeia

Em França, que tem o segundo maior número de eurodeputados no Parlamento, depois da Alemanha, o partido Ennahda, do presidente Emmanuel Macron, também disputa o segundo lugar com o crescente Partido Socialista, liderado pelo principal candidato, Raphael Glucksmann.

Ambos os partidos estão atrás do Rally Nacional de Marine Le Pen, que recebe consistentemente índices de aprovação acima de 30%.

Macron apelou a uma grande participação numa entrevista televisiva no penúltimo dia da campanha, alertando que “a Europa nunca esteve tão ameaçada” pela ascensão da direita.

Outros líderes adotaram um tom de urgência semelhante antes da votação do Brexit.

As urnas na Itália estão programadas para encerrar às 23h (21h GMT) de domingo.

Uma previsão será publicada pouco depois, combinando os primeiros resultados provisórios de alguns Estados-Membros da UE com estimativas para os restantes.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *